Um metro de vida bem medido

Podia começar por dizer-vos o óbvio: que não estou aqui hoje por outros méritos para lá do da amizade, o que poderia tornar suspeita a minha leitura deste «Um Metro de Vida». Mas se a amizade é longa – e, sobretudo, cheia de cumplicidades criadas nos percursos todos que já partilhámos – se a amizade é longa, dizia, então por maioria de razões tenho a obrigação de ser autêntico.

O Nuno Gomes dos Santos escreve sobre pessoas vivas. Assim foi nos tempos do «Diário de Lisboa» e de «O Diário», do «Se7e» e do «Musicalíssimo», d’«A Capital» e d’«O Primeiro de Janeiro», jornais onde deixou marcas e uma parte importante da sua vida. Assim é nas canções que escreve e canta, e também nos livros que vem publicando desde há uma dúzia de anos.

Este «Um Metro de Vida» conta a história de nove pessoas acidentalmente encerradas no espaço claustrofóbico de uma carruagem de metropolitano. Nove pessoas que não se conheciam, e aparentemente sem nada de comum entre si, mas que, por uma avaria no último comboio da noite, são obrigadas a partilhar o longo momento da espera, dando a conhecer os lados secretos das suas emoções mais íntimas.

À medida que o tempo passa, as personagens vão-se-nos revelando na sua dimensão mais autêntica, que se calhar até eles desconheciam. Simultaneamente, assistimos ao desenrolar das peripécias de bastidores, às meias verdades mais ou menos camufladas, aos desencontros comunicacionais entre os responsáveis do metropolitano e os representantes dos órgãos de informação.

É, uma vez mais, a vida real que aqui surge retratada, com uma boa dose de ironia, a confirmar uma antiquíssima verdade: cada um é como é, muito mais do que como parece ser. É aqui que o Nuno se movimenta melhor, mas isso também não é motivo de espanto: ele foi sempre um homem atento ao mundo e aos vários aspectos da realidade, e «Um Metro de Vida» é disso mesmo a prova.

A formação jornalística de Nuno Gomes dos Santos reflecte-se, aliás, em toda a sua obra, e este livro não escapa a essa regra. Parafraseando o que ele escreveu num outro romance – «Um Homem à Tarde», um belo retrato de tempos idos, que também aconselho a quem não conhece – poderia dizer que o Nuno é do tempo em que se «incendiavam jornais com felicidades que haviam de vir e não vieram». Esse «tempo de abraços e de planos de pomares em terras antes secas» em que «virávamos do avesso os dias» é aquele que, hoje, alguns querem fazer-nos crer ter sido apenas um tempo de evolução. Mas nós sabemos que foi muito mais do que isso. E a verdade é que não nos arrependemos.

O que é que isto tem a ver com este «Um Metro de Vida»? Tem tudo. Porque, se não fosse esse Abril – Abril com R – nenhuma destas personagens poderia agir e falar e pensar como acontece neste livro. «Um metro de Vida» são, na verdade, vários quilómetros de vivências. E isso é o mais importante de tudo.

Apresentação do romance Um Metro de Vida, de Nuno Gomes dos Santos | Fórum Municipal Romeu Correia - Almada, 29 de Abril de 2004

Mais sugestões de leitura

  • ReservaZita Open or Close

    Os vinhos anunciados estão longe de ser excepcionais, mas pelos vistos também não envergonham ninguém. Nem Zita Seabra, a antiga dissidente comunista reconvertida a bolseira da Jerónimo Martins - embora há muito se saiba que a vergonha não é um dos seus atributos. Ex-antifascista, ex-estalinista, ex-comungada e futura ex-neoliberal, a eclética e atlética figura ocupa agora o lugar de destaque na mais recente campanha publicitária do Pingo Doce.

    Ler Mais
  • Um homem de carácter Open or Close
    José Vilhena, o mais importante humorista português contemporâneo, fez recentemente 85 anos. Mas, com excepção da meia dúzia de amigos e admiradores que estiveram presentes numa pequena homenagem organizada em Lisboa pelo Museu da República e Resistência, quase ninguém se deu conta da efeméride.
    Jornal do Fundão | 19.Jul.2012
    Ler Mais
  • O ovo da serpente Open or Close
    Notícia recente ouvida na TSF dava conta do peculiar «aconselhamento» que a polícia grega está fazer junto de cidadãos vítimas da crescente criminalidade produzida pelo agravamento generalizado das condições de vida da população. De acordo com a notícia, que cita uma reportagem do jornal britânico Guardian, agentes policiais helénicos estão a encaminhar queixas e queixosos para o partido neo-nazi que elegeu vários deputados nas últimas eleições, apresentando-se como «defensor do povo contra a escumalha imigrante».
    Jornal do Fundão | 11.Out.2012
    Ler Mais
  • O fumo e o fogo Open or Close

    Acabo de ler esta história, e apetece-me acender um cigarro. Não é politicamente correcto dizê-lo, e menos ainda fazê-lo: o higienismo e a lei, ou vice-versa, dizem que fumar mata. Claro que a vida também mata, e em meio século de existência ainda não conheci ninguém que lhe conseguisse sobreviver. Mas isso não é preocupação dos legisladores, empenhados que estão em conseguir que morramos todos cheios de saúde.
    Pouco importa. Este aparente desacerto da prosa vem a propósito de mais uma ficção que Nuno Gomes dos Santos agora dá a conhecer em forma de livro.

    Prefácio a Reserva de Fumo, de Nuno Gomes dos Santos | 2009

    Ler Mais