A magia da criação

lamk1.jpg

De onde vem esta música? De que nos falam estes sons tão novos e ao mesmo tempo tão familiares? Que alegria saudosa é esta que se desprende destes dedos que lembram outros dedos, sendo porém distintos?

Estas e outras interrogações surgem-me enquanto vou ouvindo o Canto de Embalar, Um Jogral, Canção de Alcype, Devaneios, embalado pelas recordações de várias vidas, de várias vozes. Porque eu sou dos que acreditam na magia da criação como uma força mais a dar movimento ao mundo. E o que aqui ouvi é fruto dessa energia sincrética que vem da música, que vem da força criadora do ser humano.

Luísa Amaro é como se chama a mulher que dá vida e alma a estas músicas, seguida de perto por Miguel Carvalhinho. Habituámo-nos a ouvir a guitarra portuguesa tocada por mãos viris, mas o que aqui se nos revela é um lado outro desse instrumento delicado, talvez aquilo que explica o segredo dos mestres, sabedores de que a guitarra é um ser sensível, guardador de muitas emoções, nem sempre ao alcance da vontade de quem a toca. E Luísa Amaro chegou lá, sem a pretensão de imitar ninguém, mas também sem medo de se expor, como quem mostra a metade que completa o todo. Porque esta música é qualquer coisa mágica a que é impossível ficar indiferente, é uma arte feita de intimidades e de partilhas.

Assim chegamos a Carlos Paredes. É inevitável nomeá-lo porque faz parte deste disco, na exacta medida em que faz parte da vida de Luísa Amaro. A história dos dois é muito mais do que uma história de amor, é o resultado de uma entrega sem limites, uma partilha muito para além do entendimento.

Mas se o mestre e o amado são, na história pessoal de Luísa Amaro, o mesmo homem, tal não a impede de exprimir a sua própria voz e de a afirmar perante o mundo. E é isto, talvez, o que mais me encanta nesta música. Esta afirmação de liberdade que não rejeita a memória, sem contudo fazer dela um obstáculo à criação. Para Luísa Amaro, este conjunto de belíssimas interpretações fecha um ciclo criativo iniciado há vinte anos e construído passo a passo, com rigor e com paixão. Atrever-me-ia a dizer que, com este disco, podemos redescobrir uma outra sonoridade da guitarra, o seu lado mais íntimo, mais feminino. Porque, definitivamente, a guitarra tem em si qualquer coisa de mulher.

Carlos Paredes exprimia-se pela emotividade apaixonada, Luísa Amaro vai sobretudo pelos caminhos da ternura. Num e noutro caso, seguindo uma rota de encantamento perante a luz que tudo aclara em seu redor. Num e noutro caso com determinação e com amor, o verdadeiro segredo da magia. E da criação.

Introdução ao CD Canção para Carlos Paredes de Luísa Amaro e Miguel Carvalhinho | ed. Artemágica, 2004

Mais sugestões de leitura

  • A razão de ser de um livro Open or Close

    Ao longo destas páginas reuni apontamentos, entrevistas e histórias, umas mais pessoais do que outras, procurando, através da junção desses episódios, retratar com a fidelidade possível Ernesto Che Guevara, o homem, e a realidade que criou, de modo a entender os contornos da sua utopia e da forma como lutou por ela, até à morte. (...) Para traçar o perfil de Guevara para além do mito consultei testemunhos antigos, confrontei-os com outros mais recentes, auxiliei-me de fontes oficiais e não oficiais, em Cuba e fora dela. (...) Que os leitores possam sentir-se minimamente compensados e talvez, perdoe-se-me a veleidade, um pouco mais informados com esta leitura, é quanto me basta. O resto será determinado, como sempre, pelas circunstâncias da História. E essas, dizem-nos os factos, passam sempre pela vontade de cada homem que cria a vontade de todos os homens. Sobretudo aqueles que acreditam no valor da tal dignidade que foi sempre tão cara ao comandante guerrilheiro Ernesto Guevara de la Serna, para sempre e por todos chamado O Che.

    Ler Mais
  • Fantasias de filho de pide Open or Close

    O juiz espanhol Crespo Márquez, que em 1965 acompanhou as investigações, em Badajoz, do assassínio de Humberto Delgado, considera «pura fantasia» a tese apresentada no programa «Repórteres», da RTP, pelo filho do sub-inspector da PIDE, Casimiro Monteiro, autor material do homicídio. Segundo o filho do pide, Monteiro teria disparado contra o general «em legítima defesa», um argumento que o processo conduzido pelo Tribunal Militar português, desmontou há mais de dez anos. Crespo Márquez manifestou junto dos familiares de Delgado a sua «estranheza» pela forma «absurda» como, em edição posterior do mesmo programa, foram utilizadas as suas declarações, produzidas há dois anos [1990] para a tele-reportagem «Crime sem Castigo», com o intuito de «corroborar as teses do filho do assassino».

    O Jornal | 16.Out.1992

    Ler Mais
  • Saudades de Zeca Open or Close

    E vão 26 anos sem Zeca, mas sempre com ele - e hoje mais do que nunca. Um pretexto tão bom como qualquer outro para retomar uma prosa incluída na edição mais recente d'As Voltas de um Andarilho:

    A minha memória mais antiga de Zeca Afonso vem do início dos anos 60 do século passado quando, ainda miúdo, ouvia na rádio o «Menino d’Oiro». A televisão era um luxo a que as gentes da classe média desse tempo não podiam dar-se – e, fosse como fosse, ele não frequentava os saraus de variedades que o electrodoméstico transmitia por esses tempos. (...)

    Ler Mais
  • Um disco, um estúdio, uma história Open or Close
    A imagem é um retrato quase banal: um homem e uma caixa de viola numa estação de comboios, um relógio onde ainda não são duas horas, um cartaz na parede com o mesmo homem e a mesma viola, gente normal em volta. O homem da viola é Sérgio Godinho, a estação, lê-se no painel de azulejo sobre a porta, é Campolide. Há 35 anos, o homem, a viola e a estação tornaram-se num disco com dez canções sem tempo.
    Notícias de Campolide | Set.2014
    Ler Mais