A princesa das ilhas

hoess300.jpg

As melhores vozes portuguesas reveladas nos últimos anos são, sobretudo, vozes de mulheres. Isto não quer dizer absolutamente nada, mas é um facto. Esta inversão da tendência que, por força das circunstâncias, foi norma em Portugal desde a renovação musical iniciada por Zeca e Adriano nos anos 60, é digna de registo porque graças a ela ficámos todos a ganhar, quer como indivíduos, quer como país, quer como comunidade cultural.

A agitação criativa que acompanhou e se seguiu ao movimento “dos baladeiros” foi protagonizada essencialmente por autores e intérpretes masculinos – fruto também, com certeza, da diferenciação social então estabelecida entre os dois sexos oficiais – pesem embora algumas honrosas e saudosas excepções, desde Teresa Paula Brito a Antónia Vasconcelos, a inesquecível Tóinas do GAC. Mas foi só a partir dos anos 90 do século passado que as mulheres surgiram com todo o vigor como protagonistas de alguns dos projectos mais refrescantes da música popular portuguesa.

É neste contexto plural que Helena Oliveira apresenta este segundo disco. Três anos depois de “Helena Cant'autores Açorianos”, em que viajou pelas palavras de alguns dos melhores poetas atlantes, a cantora propõe-nos agora uma muito original revisitação da inspirada música tradicional da sua terra.

A música de um lugar reflecte sempre as características do povo que nele habita, e talvez por isso as toadas açorianas tenham por regra um toque de nostalgia muito próprio das ilhas, misturado com a força de quem se habituou desde sempre a conviver de um modo singular com as forças da natureza.

Dos picos de qualquer das nove ilhas mágicas que compõem este arquipélago, o horizonte tem sempre o tamanho do mundo. As gentes daqui vivem repartidas entre a escassez da terra e a largueza do mar, e é esse permanente dilema que dá forma às suas vidas e ao seu modo de ser e de estar.

Tudo isto se reflecte nos balhos, nas chamarritas, nas folias, charambas e sapateias, com aquela tranquila elegância que é característica destes homens e mulheres, onde se fundem a melancolia e o humor, a alegria e a tristeza, a vontade de partir e o desejo de ficar.

É essa essência que Helena persegue e alcança neste disco. À voz clara da cantora acresce a riqueza dos arranjos, vocais e instrumentais, a excelência da execução musical, o rigor da produção – a cargo de um músico sobre quem a proximidade familiar me impede de tecer grandes considerações, de resto desnecessárias: o trabalho está aí para que cada um possa avaliar. Basta saber ouvir.

Ciclicamente, os Açores têm sido berço de algumas das mais interessantes criações da música portuguesa, e este disco de Helena Oliveira honra esse estatuto, que é também o seu. A frescura das suas interpretações é um claro sinal de maturidade artística e um excelente presságio para aquilo que irá fazer daqui por diante.

A partir destas Essências, Helena Oliveira confirma-se em definitivo como uma das grandes cantoras portuguesas do nosso tempo, cumprindo a “promessa” já evidente no disco anterior. Com este conjunto de canções, Helena disponibiliza-se mais para partilhar do que para competir, que é como deve ser vivida a música por aqueles que a amam.

É, claramente, o caso de Helena, a princesa das ilhas a quem só podemos ficar gratos por ter recuperado para nós estas canções sem tempo, parcela fundamental de uma história que é a nossa. E, sobretudo, por o ter feito deste modo, transmudando cada uma destas velhas canções num tema novo, que apetece reaprender. Ela sabe que só entendendo o passado se pode preparar o futuro. E não está disposta a perder-se pelo caminho.

Introdução ao CD EssênciasAcores, de Helena Oliveira | 2011

Mais sugestões de leitura

  • Primeiros passos Open or Close

    Dá-me o teu braço
    e um abraço
    do tamanho da alegria.

    Ler Mais
  • O legado de um andarilho Open or Close

    As Voltas de um Andarilho – Fragmentos da vida e obra de José Afonso de Viriato Teles: eis um documento raro sobre um sonho agarrado à vida concreta, firmado no telurismo português e braços estendidos a outros lugares do mundo onde despontava a utopia; uma voz sobre uma das vozes da resistência ao fascismo, que rasgou as sombras e iluminou quem nelas vivia; um diálogo entre gerações sobre «o que faz falta», o idealismo, a persistência na luta pela Liberdade.

    Ler Mais
  • Crise? Qual crise? Open or Close

    Para além do disco de 1975 dos Supertramp, a interrogação que dá título a esta crónica remete-nos também para o episódio que constituiu a gota de água para a demissão, há 30 anos, do primeiro-ministro britânico James Callaghan. A Grã-Bretanha vivia então o seu “inverno do descontentamento” e a frase, utilizada em título de primeira página pelo The Sun e atribuída a Callaghan, provocou a ira de milhares de ingleses que sentiam na pele os efeitos da crise económica que se arrastava desde os primeiros anos da década de 70. Dois meses depois, o governo de Big Jim sucumbia a uma moção de censura no parlamento, e os trabalhistas teriam de esperar quase duas décadas para regressarem ao poder.

    Zoot | Verão 2009

    Ler Mais
  • O homem que aprendeu a voar Open or Close

    Um dos sítios mais bonitos do meu mundo fica nas Astúrias, numa aldeia de Villaviciosa, a norte da Cordilheira Cantárbica, aonde se chega atravessando longos quilómetros de túneis e de névoa. Perdida entre as montanhas e o mar, que não se vê dali mas está perto, Labares é um pedaço escondido do paraíso, deixado intacto pelo Criador para lembrar aos homens que é possível viver em harmonia. (...) Estamos com José Luis Posada, cubano nascido nas Astúrias, lutador lendário, pintor em plena actividade e homem de muitas memórias que reencontrei em Labares. Foi aqui, numa antiga escola primária, com vista para uma paisagem de montes e de silêncios, que Posada construiu o seu lugar de recolhimento do mundo, após 70 anos de andanças e de sonhos. Em Labares guarda as suas lembranças originais, sem rancor mas com nitidez. Muita da sua pintura regista as imagens e as sombras da guerra civil, metade da aldeia fuzilada pelas tropas franquistas

    Tempo Livre | Maio 2002

    Ler Mais