Em tempo de Natal

b_500_400_16777215_00_images_geral_d_nat3.jpg

Em tempo de Natal, as leis e os tribunais ficam um pouco como os pombos: aceitam aquilo que lhes dão e procuram não ser muito severos com a aplicação da justiça. Além disso, como toda a gente sabe, é preciso ser-se complacente de vez em quando e o Natal serve às mil maravilhas para demonstrar que afinal somos todos boa gente, carregadinha de senti­mentos. Pois.

Benjamim tem pouco mais de 20 anos, cabelo à Bo Derek, é estudante de Biologia. Nasceu em Cabo Verde e vive no Alto de Santo Amaro, onde joga basquetebol nos tempos livres. Esta é a primeira vez que vem a tribunal, coisas que acontecem: durante um jogo do fim-de-semana esteve prestes a ser desclassificado com as cinco faltas da ordem. O árbitro tem as suas opiniões, Benjamim não concorda, gera-se uma cena mais ou menos violenta e pouco desportiva.

– Estava debaixo de uma grande tensão... – explica Benjamim.

Pois é. O juiz franze o sobrolho, que um bom desportista tem de saber controlar-se, está a ver o que você arranjou.

Palavra para aqui, jus­tificação para ali, «um homem às vezes des­controla-se», até que o árbitro sovado entra em campo, isto é, na sala de audiências, e conta como foi. Benjamim confirma as agressões, diz que não foi premeditado. O juiz pergunta ao agredido se quer perdoar ou se mantém a queixa, mas árbitros são árbitros e murros são murros. A queixa continua válida e «que se faça justiça».

O juiz encolhe os ombros, afinal de contas o ofendido está no seu pleno direito de prosseguir.

– O que não quer dizer que em boa ética desportiva não fosse de perdoar...

Segue-se a sentença: quarenta dias de prisão e seis de multa a 50 escudos ou, em alternativa, mais quatro dias de prisão, além de mil escudos ao árbitro. Mas como é delinquente primário fica com a pena suspensa por dois anos, desde que pague a milena ao ofendido no prazo de um mês.

«E não se meta noutra, veja lá...»

O Diário | 26.Dez.1980

Mais sugestões de leitura

  • O regresso de Karlos Starkiller Open or Close

    Fernando Carlos Nunes de Melo Relvas e Karlos Pombo Capador Starkiller voltam a encontrar-se, mais de uma dúzia de anos depois de se terem cruzado pela primeira vez numa rua estreita do Bairro Alto. Nessa altura, Starkiller estava de partida para o outro lado do mundo, fugido à modorra chata de Lisboa, atrás de aventuras alucinantes que iria viver na companhia de malta tão curiosa como a Olga Punk, o irmão Lince, Chiquita, o Ianqui Louco, D. Juanito e o mais coerente super-herói que me foi dado conhecer, o Capitão Latino-América.

    Prefácio a Karlos Starkiller, de Fernando Relvas | 1997

    Ler Mais
  • A magia da criação Open or Close

    Luísa Amaro é como se chama a mulher que dá vida e alma a estas músicas, seguida de perto por Miguel Carvalhinho. Habituámo-nos a ouvir a guitarra portuguesa tocada por mãos viris, mas o que aqui se nos revela é um lado outro desse instrumento delicado, talvez aquilo que explica o segredo dos mestres, sabedores de que a guitarra é um ser sensível, guardador de muitas emoções, nem sempre ao alcance da vontade de quem a toca.

    Introdução ao CD Canção para Carlos Paredes de Luísa Amaro | 2004

    Ler Mais
  • Segundo andamento: dos fados Open or Close

    – Tens noção da importância que tiveste para as pessoas que não gostavam de fado e que acabaram por lá chegar através de ti?

    – Não terei essa noção plena, mas chegam-me regularmente comentários muito simpáticos. O que é que acontece? Eu tenho feito isto de uma forma muito serena, a minha conduta em termos do mundo do espectáculo é uma conduta serena. Eu não sou propriamente aquele cidadão que gosta de dizer a si próprio: «Ah, se eu não fosse português, teria feito isto e aquilo.» É mentira. Tenho feito aquilo que tenho podido, não me sinto mal com aquilo que tenho feito, não me sinto mal por ser português, bem pelo contrário. Mas eu acho que a gente, na vida, colhe muito do que semeia. E eu estou numa fase de colher o que semeei. E como, ao longo da minha vida, isto foi sempre uma permuta que fiz com as pessoas, e é uma coisa muito afectiva, as pessoas também sentem necessidade de conversar comigo.

    Ler Mais
  • Coisas que me chateiam Open or Close

    Os ricos que não se cansam de roubar e os pobres que já desistiram de lutar, os jornalistas-pé-de-microfone e os assessores-pó-de-microfilme, a merda dos cães-de-caca que invadiu as ruas de Lisboa, e outras coisas que me chateiam.

    Ler Mais