A democracia do baralho

dembar2.jpg

Vivemos, ao que consta, num país democrático. Sui generis, sem dúvida, mas democrático. Mais do que isso: pluralista e cristão, como mandam as regras da convivência ocidental.

É claro que a revolução foi p'ró galheiro, graças à «originalidade». É claro que os pides, os bombistas e os ministros de Salazar se encontram em liberdade enquanto um punhado de antifascistas morre aos poucos nas prisões. É claro que a polícia de choque bate (para nos livrar da subversão), o Governo prepara leis pré-históricas (para defender a instituição) e o povo tem fome (para manter a tradição). Mas a essência da pátria mantém-se democrática, encantadora, bem portuguesa.

O leitor duvida? Maldade sua. Ainda há bem poucas semanas, o primeiro-ministro deu uma prova deste espírito, no decorrer de uma breve e inesperada visita que efectuou, de passagem, ao lugar do Soalhal, na vila de Ílhavo. Do facto nos dá conta uma breve notícia publicada no jornal da terra, que refere a presença de Pinto Balsemão numa taberna da localidade, onde conversou com alguns dos presentes «que se entretinham, para passar o tempo, a jogar a sueca».

Segundo a folha ilhavense, o chefe do Governo demonstrou «a maior simplicidade, conversou com os assistentes, perguntou, indagou e, confraternizando, quis beber ‘vinho do lavrador’ com as pessoas que lá se encontravam e com os seus acompanhantes. (...) Passado cerca de meia hora, os visitantes retiraram-se, tendo o dr. Pinto Balsemão pago todas as despesas e prometido que enviaria baralhos de cartas, para substituir as já muito usadas pelos jogadores.»

Acrescenta a notícia que, algum tempo depois, o proprietário do estabelecimento em causa recebeu uma carta, assinada pelo chefe do gabinete de Balsemão, através da qual o primeiro-ministro agradecia «os bons momentos que lhe proporcionaram neste curto mas agradável convívio e a forma como o receberam». Junto vinham dois novíssimos baralhos. Comentário final – e convicto – do articulista: «Ora isto sim, é que é democracia.»

Cá por mim, nem sequer me atrevo a duvidar. É, de facto, uma democracia do baralho.

O Jornal | 2.Jul.1982

Mais sugestões de leitura

  • Tentações assepticamente correctas Open or Close

    A lógica do «politicamente correcto» torna-se cada vez mais sinónimo daquilo a que já se chama o «pensamento único». Na prática, trata-se de um filho bastardo do fim da guerra fria ou, se quisermos ser mais rigorosos, é uma submissão descarada à «nova ordem» que o neo-liberalismo dominante pretende impôr ao mundo.

    RCS | 8.Nov.1998

    Ler Mais
  • Entrevista a A Capital Open or Close

    Um autor português de 47 anos já não sabia muito bem onde estava o 25 de Abril e resolveu fazer «contas à vida». À sua e à de nós todos. Juntou pontos - e não só de interrogação -, fez cálculos, recuperou memórias, e, após ser desafiado por uma editora, pôs mãos à obra. O livro está desde hoje nas livrarias com o título Contas à Vida - histórias do tempo que passa. São vinte conversas com vinte personalidades da vida pública portuguesa que têm algo a dizer - e dizem! - sobre o 25 de Abril.

    Ler Mais
  • Cântico de alegria e raiva Open or Close

    Em 2005, o Chile ainda tinha cinco presos políticos: Hardy Peña Trujillo, Claudio Melgarejo Chávez, Fedor Sánchez Piderit e Pablo Vargas López, encarcerados na vigência do primeiro governo democrático... por terem atentado, anos antes, contra a ditadura militar. Ao mesmo tempo, apesar de já não estar no poder, Augusto Pinochet ainda se passeava pelo mundo. Foi assim que, a partir de Santiago, o poeta Luís Ariasmanzo lançou um apelo à solidariedade de escritores de vários países. O resultado foi o manifesto poético El Verbo Descerrajado, uma antologia que contou com a participação de oito dezenas de poetas das Américas e da Europa.

    El Verbo Descerrajado
    Ediciones Apostrophes 2005

    Ler Mais
  • Elogio da inocência Open or Close

    Naquele tempo éramos todos imortais. Havia mais mundos para lá do mundo que nos era dado conhecer e onde nos era permitido viver. E nós sabíamos. Era o tempo das coisas inevitáveis, como a realidade imaginada, a noite a descobrir, o sonho, a urgência das coisas para viver. E nós vivíamos. E inventávamos sons e momentos, da mesma forma rigorosa e apaixonada com que fazíamos crescer os silêncios até o seu clamor invadir tudo. Foi nesse tempo e dessa forma que o Geraldo se tornou meu irmão. Ele era imortal, como eu, e os imortais sabem sempre reconhecer os da sua laia.

    Prefácio a Cravos com Espinhos, de Geraldo Alves | 2003

    Ler Mais