Uma vida aos quadradinhos

jruy2.jpg

Publicou a primeira história em quadradinhos com 14 anos, mas começou a fazer fanzines aos oito. Simples na forma de estar, mas rigoroso até à exaustão de pormenor no trabalho que executa, é assim que encontramos José Ruy, «um duplo amador» que bem pode dizer-se em actividade há seis décadas e uma das poucas unanimidades da banda desenhada lusitana.

Nasceu na Amadora, em 9 de Maio de 1930, e aqui vive desde sempre, à excepção de um período de poucos anos que passou em Lisboa, onde estudou, em Belas Artes e na António Arroio, onde concluiu o Curso de Artes Gráficas. Tem publicados 34 álbuns de banda desenhada, sem contar com as centenhas de histórias aos quadradinhos que publicou no Papagaio, n'O Mosquito e no Cavaleiro Andante. Tem uma simplicidade do tamanho do mundo e chama-se José Ruy.

Foi ele o primeiro autor a receber o Troféu Zé Pacóvio e Grilinho de Honra, na edição um do Festival Internacional de BD da Amadora, em 1990. Mas antes disso já a sua obra estava suficientemente divulgada. E produtiva, também. Foi a sua adaptação para bd da Peregrinação, de Fernão Mendes Pinto, o impulso primeiro que levou Fausto Bordalo Dias, ainda na infância, a interessar-se pela obra original - que, por sua vez, veio a inspirar o músico para a construção desse incomparável trabalho musical e poético que é Por Este Rio Acima.

«Fiquei muito contente quando o Fausto disse que a 'minha' Peregrinação lhe tinha despertado o interesse para o livro de Mendes Pinto. É gratificante ver a projecção e a utilidade que estas coisas podem ter», diz José Ruy, naquele seu jeito humilde que lhe é característico. Como quando conta o modo como, desde a mais tenra idade, se sentiu atraído pelos «bonecos»:

«Aos oito anos já tinha aquilo a que hoje se chama um fanzine, exemplar único, que circulava pela minha família e amigos que, para o lerem, tinham que pagar meio tostão», diz. «Mais tarde, por volta dos dez anos, tive um jornalzito feito em copiógrafo que o António Cardoso Lopes [o Tiotónio, director d'O Mosquito e autor das personagens Zé Pacóvio e Grilinho, que dão nome aos troféus anuais do Festival da Amadora] me ensinou a fazer. Era mais completo e vendido também a meio tostão. E depois tive outro, já em litografia, pelos 12 ou 13 anos, quando já andava na António Arroio». Assim: «Um dia fui à Litografia Sales e vi lá umas pedras, restos de pedras amontoados aos bocados. Perguntei se mos davam e, com aquilo, fiz um fanzine com preto e uma cor litografada, que chegava a ter 30 ou 50 exemplares. Isto no número 1, porque o número 2 ficou-se pela capa.»

O ritmo dos jornais

A autodisciplina que José Ruy pratica leva-o a publicar dois álbuns por ano, um em cada seis meses. «Quando estou a acabar um, já estou a pensar noutro», diz. Entretanto vê, revê, estuda, pede opiniões alheias. «Tem de haver a humildade suficiente para saber pedir conselhos a quem sabe aquilo que o público procura. Às vezes, pormenores como a cor da capa são muito importantes.»

© José RuyPara isso, insiste, há que criar um ritmo de trabalho rigoroso, o que não significa necessariamente um sistema rígido: «Durante muitos anos trabalhei na banda desenhada só à noite», conta. «Só há 15 anos comecei a fazer um trabalho com mais desenvolvimento e por isso agora faço os tais dois álbuns por ano.» A melhor escola e o seu 'segredo profissional' foram os anos da sua colaboração regular em jornais e revistas: «O ritmo que os jornais exigem do autor tem que ser bem aproveitado.»

Aliás, José Ruy sabe que os jornais desde há muito foram o ponto de partida para muitos autores trabalharem em histórias que, mais tarde, são transpostas para álbum. Foi o que aconteceu a autores como Fernando Relvas ou Nuno Saraiva, para José Ruy um exemplo de como é possível tirar um bom partido das situações que a realidade nos impõe.

Com 69 anos e 34 álbuns no activo, José Ruy pretende continuar fiel ao rumo que traçou para si mesmo há seis décadas: «Vamos fazer uma nova edição d'Os Lusíadas, que já vendeu 70 mil exemplares desde 1984», diz. «E vamos tratar de novas edições, provavelmente também em espanhol e em inglês.»

Actualmente, a edição de álbuns de BD é uma parte natural da vida de José Ruy. Mas nem sempre foi assim: «Quando quis editar a 'Peregrinação' em álbum não havia praticamente nada de autores portugueses editado. A Maribérica tinha publicado o 'Eternus 9', do Vítor Mesquita, mas foi para dizer que era mais do que uma delegação dos franco-belgas. Mas a verdade é que a 'Peregrinação' estava esgotada ao fim de oito meses.»

A paixão dos filmes

Mas a BD não é tudo na vida de José Ruy. Outra paixão são os filmes, mas o que pouca gente sabe é que ele é um cineasta amador de longo curso, com muitas dezenas de películas realizadas:

«Quando era miúdo, eu ía muito ao cinema com os meus pais", lembra. "Depois arranjava quadradinhos de filmes que os cinemas punham fora, juntava-os e fazia filminhos com uma 'lanterna mágica'. Mais tarde, já casado, tive a oportunidade de comprar um máquina de 8 milímetros. E ía filmando, nas viagens que fazia, aqui na Amadora. Depois fazia a montagem daquilo tudo, arranjava uma banda sonora à parte, que sincronizava com o filme, que depois passava para a família.»

Mais tarde passou ao formato super 8 e, depois, aderiu ao vídeo. Tem imagens do Japão, de Casablanca, de Macau, de toda a Europa. Mas foge sempre ao «documentário familiar», prefere «aquilo que rodeia, as curiosidades.» No fundo trata-se de uma outra forma de tirar apontamentos, que depois vem a ser útil nas suas histórias: «Desta maneira captam-se imagens que, de outra forma, nos passariam despercebidos. No ano passado, por exemplo, estive em Bombaim, Goa, Cochim e Delí e fiz uma série de imagens, nomeadamente de um barco de pescadores onde a rede é movimentada com recurso a uma série de contrapesos de pedra. É uma prática de pesca artesanal, antiquíssima, que ainda se mantém. E essas imagens serviram-me já para a história do Pero Vaz de Caminha.»

A Amadora ocupa, naturalmente, um lugar privilegiado na vasta «cinematografia» de José Ruy: «Estou na Amadora desde sempre e tenho umas coisas, sim. Por exemplo uns filmes de quando a minha filha era pequena, feitos na encosta da Mina. Naquela altura ainda não havia aqueles prédios e, dali, via-se a Amadora inteira. Mas isto agora está tudo diferente...»

Grande Amadora | 1999

Mais sugestões de leitura

  • Por favor, leiam estes discos Open or Close

    Quando editou «Por Este Rio Acima», no já longínquo ano de 1982, Fausto Bordalo Dias estaria longe de imaginar a verdadeira revolução que esse seu disco iria causar no universo da música portuguesa. (...) Falo da música, mas também da poesia (ao nível da melhor que em terras lusas se tem publicado) e, ainda, de um conceito estético que, na realidade, só depois de «Por Este Rio Acima» tomou forma definitiva: a Música Popular Portuguesa, entendida como uma forma de identidade cultural multi-expressiva e não, como pretendiam os seus detractores, como um modelo de uniformização formal.

    Grande Amadora | 2.Dez.1994

    Ler Mais
  • Três contos de reis Open or Close

    Quando lhe disseram que o trono era seu, nem queria acreditar. Havia tantos anos que sonhava com aquele momento, e agora que ele ali estava, sentia-se infinitamente pequeno, tanto que por instantes pensou que ia fraquejar. Então levantou os olhos na direcção de seu velho pai, e perguntou:
    – Senhor, será que eu posso sentar-me sem medo nesse espaldar de tanta responsabilidade? ...

    Ler Mais
  • Uma vida de risco(s) Open or Close

    Agora, o Relvas já é mais do que lenda. Ele é uma referência – porventura a mais irreverente, com certeza das mais relevantes – fundamental para quem quiser conhecer a evolução da banda desenhada em Portugal nos últimos 50 anos. E se, apesar de tudo, é hoje mais fácil para um jovem artista criar e divulgar o seu trabalho, isso em muito boa parte se deve ao Relvas – ao talento dele, sim, mas sobretudo à sua persistência homérica e à intransigência perante a mediocridade que sempre o acompanhou.

    Catálogo de Retrospectiva/Outra Perspectiva, de Fernando Relvas | 2017

    Ler Mais
  • Um violino sem telhado Open or Close

    «Somos um povo demasiado sério e que não acredita em si próprio.» Palavras de Carlos Zíngaro, músico e autor de banda desenhada, em vésperas de um concerto em Lisboa, em meados de Março de 1985. Afinal, parece que há coisas que nunca mudam.

    O Jornal | 15.Mar.1985
    Ler Mais