Vaticano, SA

jp2_250.jpg

A Pepsi e a Mercedes são duas das 23 empresas que custearam a mais recente viagem do Papa ao continente americano. Não tanto por fé em Deus, mas no Mercado, omnipresente como Ele.

A notícia surgiu timidamente, diluída nos relatos da mais recente visita papal ao México, com passagem pelos EUA, como se os redactores e os editores dos diversos órgãos de comunicação não levassem muito a sério o facto em si e decidissem reduzi­-lo a um simples pormenor.

E, no entanto, este pormenor é que é verdadeiramente a notícia da visita de Karol Woytila ao México. Uma visita que (ficámos a sabê-lo pela Antena 1 e pelo Diário de Notícias, dos poucos que ousaram dar conta do sucedido) contou com "o patrocínio da Pepsi Cola, da Mercedes e de mais 23 empresas privadas". Assim mesmo.

Ficamos, portanto, a saber que, apesar dos apelos que repete em favor dos mais desfavorecidos, o Papa não se importa de ter como companheiros de viagem dois símbolos, por excelência, da sociedade de consumo responsável pela manutenção do statu quo económico e social vigente.

Ficamos, ainda, esclarecidos sobre o facto de, a partir de agora, o Papa deixar de ser apenas um mensageiro de Deus para ser também um ícone das virtudes milagrosas da Pepsi e do divino luxo da Mercedes.

O sucessor de São Pedro surpreendeu-nos com esta manifestação de involuntário sentido de humor, dando ao trocadilho da velha anedota (enquanto o Papa reza, a Mercedes Benz) a dimensão de uma realidade concreta. E ninguém se espante se, num golpe de fazer inveja ao seu principal rival, a Pepsi vier a criar latas da beberagem com a efígie de SS o Papa, deixando a Coca-Cola só para aqueles que ainda acreditam no Pai Natal.

Para muitos, católicos e não católicos, a notícia de uma viagem papal patrocinada por dois gigantes do mundo empresarial pode ser chocante. Mas a verdade é que a Igreja sempre teve dedo para o negócio (veja-se o mais incrível dos milagres de Fátima, que transformou a Cova da Iria num moderno hipermercado da fé) e foi sempre, com maior ou menor empenhamento, partidária da economia de mercado. Assim, descansem os crentes: os patrocínios do Papa estão devidamente abençoados.

Provavelmente, o Papa não está a fazer mais do que pôr em prática o pragmatismo que domina os gestos e as atitudes da maioria dos líderes mundiais. Ainda recentemente o ex-presidente da ex-União Soviética, Mikahil Gorbatchov, aceitou ser vedeta de um anúncio para uma cadeia internacional de pizzas, demonstrando ao mundo que um qualquer especialista em fast-food pode chegar a presidente.

O exemplo do Papa, a ser seguido, pode, aliás, ser de grande utilidade para a resolução dos gastos das viagens oficiais dos chefes de Estado. A partir daqui, Bill Clinton já não terá peias em ter como sponsor a McDonald's ou qualquer outro produtor de carne mastigada, e talvez assim não tenha que mandar bombardear o Iraque para distrair as atenções da opinião pública dos seus devaneios sexuais em local (im)próprio.

Fidel Castro, com o sentido patriótico que o caracteriza, poderá viajar com o patrocínio do rum Havana Club e dos charutos Cohiba, o rei Juan Carlos de Espanha a expensas dos caramelos Viúva Solaño, e até o nosso Presidente Jorge Sampaio poderá correr mundo à conta da Ferreirinha, das Porcelanas da Vista Alegre ou de um criador de leitões da Bairrada.

Por outro lado, por que não aproveitar o gesto de João Paulo II, claro sinal da abertura de Roma à sociedade civil, para rentabilizar os actos religiosos mais comuns? As paróquias passariam a negociar com os produtores de vinho e de pão o patrocínio da eucaristia - o que implicaria alguma boa vontade patriótica para que não nos calhassem os espanhóis da Panrico ou das Caves Pedro Domecq.

Para as confissões não seria dificil encontrar um apoio: a Telecel, a TMN ou a novíssima Optimus por certo que dariam ouvidos à iniciativa. Os casamentos, esses, poderiam contar com o suporte dos preservativos Harmony (o Viagra está fora de causa, por necessitar de receita médica) e aos baptizados ficavam bem a Chicco, a Fisher Prize ou a Toys'R'Us.

O único problema seria encontrar quem estivesse disposto a apostar no patrocínio dos funerais. Extinto o Programa do Além de Teresa Guilherme e afastada a hipótese de ter como sponsor um dos bancos de Jardim Gonçalves (eles gostam mais de dinheiro vivo) não restará senão tentar recorrer a um desses jovens gestores de elevado potencial que, todos os dias, nos prometem coisas do outro mundo...

Grande Amadora | 28.Jan.1999

Mais sugestões de leitura

  • Cântico de alegria e raiva Open or Close

    Em 2005, o Chile ainda tinha cinco presos políticos: Hardy Peña Trujillo, Claudio Melgarejo Chávez, Fedor Sánchez Piderit e Pablo Vargas López, encarcerados na vigência do primeiro governo democrático... por terem atentado, anos antes, contra a ditadura militar. Ao mesmo tempo, apesar de já não estar no poder, Augusto Pinochet ainda se passeava pelo mundo. Foi assim que, a partir de Santiago, o poeta Luís Ariasmanzo lançou um apelo à solidariedade de escritores de vários países. O resultado foi o manifesto poético El Verbo Descerrajado, uma antologia que contou com a participação de oito dezenas de poetas das Américas e da Europa.

    El Verbo Descerrajado
    Ediciones Apostrophes 2005

    Ler Mais
  • 25 anos com Zeca Open or Close

    Nestes dias em que tanto se fala de José Afonso e do seu génio, gosto sobretudo de recordar que, para além da música, o Zeca era acima de tudo um homem. Um homem empenhado nas grandes lutas do seu tempo, com certeza, que procurou viver de modo integral – o que só se alcança quando se assume viver com as fragilidades, as virtudes, os defeitos, as grandezas e as contradições comuns a todos os homens.

    Ler Mais
  • Alberto Pimenta Open or Close

    Nasceu no Porto, viveu na Alemanha e está em Lisboa. Em 1977 deu-se em exposição numa jaula da aldeia dos macacos no Jardim Zoológico de Lisboa. Catorze anos depois colocou-se à venda, no Chiado, por conta de uma «divisão de recursos humanos do Estado». E catorze dias mais tarde fez um auto-de-fé de O Silêncio dos Poetas na Feira do Livro de Lisboa. De todos os seus livros, esse é aquele que os intelectuais dominantes mais levam a sério, e fazem mal. Deveriam ler também Labirintodonte, Os Entes e os Contraentes, Ascensão de Dez Gostos à Boca, Discurso Sobre o Filho-da-Puta, Terno Feminino, A Visita do Papa, Deusas Ex-Machina. E os outros, todos, que publica com a regularidade possível desde 1970.

    Ler Mais
  • Guerra santa contra o rock Open or Close

    «Satanás já não esconde as suas motivações. Os textos das canções condenam abertamente o cristianismo e apresentam a adoração do demónio como alternativa. A violência, o sexo, a rebelião e as drogas não são unicamente objecto de promoção, mas também são apresentados directamente ou encenados em palco. As canções fazem a apologia do suicídio e os telediscos levam a mensagem de Satã directamente a nossas casas...» Este discurso assustador não pertence à história da Santa Inquisição, nem tão pouco foi extrajdo de qualquer ritual exorcista da Idade Média. Trata-se, apenas, da expressão mais simples encontrada pelo padre norte-americano Fletcher A. Brothers para definir aquilo que considera ser o «rock satânico-teatral» dos anos 80.

    Se7e | 9.Jun.1986

    Ler Mais