Vaticano, SA

jp2_250.jpg

A Pepsi e a Mercedes são duas das 23 empresas que custearam a mais recente viagem do Papa ao continente americano. Não tanto por fé em Deus, mas no Mercado, omnipresente como Ele.

A notícia surgiu timidamente, diluída nos relatos da mais recente visita papal ao México, com passagem pelos EUA, como se os redactores e os editores dos diversos órgãos de comunicação não levassem muito a sério o facto em si e decidissem reduzi­-lo a um simples pormenor.

E, no entanto, este pormenor é que é verdadeiramente a notícia da visita de Karol Woytila ao México. Uma visita que (ficámos a sabê-lo pela Antena 1 e pelo Diário de Notícias, dos poucos que ousaram dar conta do sucedido) contou com "o patrocínio da Pepsi Cola, da Mercedes e de mais 23 empresas privadas". Assim mesmo.

Ficamos, portanto, a saber que, apesar dos apelos que repete em favor dos mais desfavorecidos, o Papa não se importa de ter como companheiros de viagem dois símbolos, por excelência, da sociedade de consumo responsável pela manutenção do statu quo económico e social vigente.

Ficamos, ainda, esclarecidos sobre o facto de, a partir de agora, o Papa deixar de ser apenas um mensageiro de Deus para ser também um ícone das virtudes milagrosas da Pepsi e do divino luxo da Mercedes.

O sucessor de São Pedro surpreendeu-nos com esta manifestação de involuntário sentido de humor, dando ao trocadilho da velha anedota (enquanto o Papa reza, a Mercedes Benz) a dimensão de uma realidade concreta. E ninguém se espante se, num golpe de fazer inveja ao seu principal rival, a Pepsi vier a criar latas da beberagem com a efígie de SS o Papa, deixando a Coca-Cola só para aqueles que ainda acreditam no Pai Natal.

Para muitos, católicos e não católicos, a notícia de uma viagem papal patrocinada por dois gigantes do mundo empresarial pode ser chocante. Mas a verdade é que a Igreja sempre teve dedo para o negócio (veja-se o mais incrível dos milagres de Fátima, que transformou a Cova da Iria num moderno hipermercado da fé) e foi sempre, com maior ou menor empenhamento, partidária da economia de mercado. Assim, descansem os crentes: os patrocínios do Papa estão devidamente abençoados.

Provavelmente, o Papa não está a fazer mais do que pôr em prática o pragmatismo que domina os gestos e as atitudes da maioria dos líderes mundiais. Ainda recentemente o ex-presidente da ex-União Soviética, Mikahil Gorbatchov, aceitou ser vedeta de um anúncio para uma cadeia internacional de pizzas, demonstrando ao mundo que um qualquer especialista em fast-food pode chegar a presidente.

O exemplo do Papa, a ser seguido, pode, aliás, ser de grande utilidade para a resolução dos gastos das viagens oficiais dos chefes de Estado. A partir daqui, Bill Clinton já não terá peias em ter como sponsor a McDonald's ou qualquer outro produtor de carne mastigada, e talvez assim não tenha que mandar bombardear o Iraque para distrair as atenções da opinião pública dos seus devaneios sexuais em local (im)próprio.

Fidel Castro, com o sentido patriótico que o caracteriza, poderá viajar com o patrocínio do rum Havana Club e dos charutos Cohiba, o rei Juan Carlos de Espanha a expensas dos caramelos Viúva Solaño, e até o nosso Presidente Jorge Sampaio poderá correr mundo à conta da Ferreirinha, das Porcelanas da Vista Alegre ou de um criador de leitões da Bairrada.

Por outro lado, por que não aproveitar o gesto de João Paulo II, claro sinal da abertura de Roma à sociedade civil, para rentabilizar os actos religiosos mais comuns? As paróquias passariam a negociar com os produtores de vinho e de pão o patrocínio da eucaristia - o que implicaria alguma boa vontade patriótica para que não nos calhassem os espanhóis da Panrico ou das Caves Pedro Domecq.

Para as confissões não seria dificil encontrar um apoio: a Telecel, a TMN ou a novíssima Optimus por certo que dariam ouvidos à iniciativa. Os casamentos, esses, poderiam contar com o suporte dos preservativos Harmony (o Viagra está fora de causa, por necessitar de receita médica) e aos baptizados ficavam bem a Chicco, a Fisher Prize ou a Toys'R'Us.

O único problema seria encontrar quem estivesse disposto a apostar no patrocínio dos funerais. Extinto o Programa do Além de Teresa Guilherme e afastada a hipótese de ter como sponsor um dos bancos de Jardim Gonçalves (eles gostam mais de dinheiro vivo) não restará senão tentar recorrer a um desses jovens gestores de elevado potencial que, todos os dias, nos prometem coisas do outro mundo...

Grande Amadora | 28.Jan.1999

Mais sugestões de leitura

  • O regresso de Karlos Starkiller Open or Close

    Fernando Carlos Nunes de Melo Relvas e Karlos Pombo Capador Starkiller voltam a encontrar-se, mais de uma dúzia de anos depois de se terem cruzado pela primeira vez numa rua estreita do Bairro Alto. Nessa altura, Starkiller estava de partida para o outro lado do mundo, fugido à modorra chata de Lisboa, atrás de aventuras alucinantes que iria viver na companhia de malta tão curiosa como a Olga Punk, o irmão Lince, Chiquita, o Ianqui Louco, D. Juanito e o mais coerente super-herói que me foi dado conhecer, o Capitão Latino-América.

    Prefácio a Karlos Starkiller, de Fernando Relvas | 1997

    Ler Mais
  • Sexto andamento: do medo Open or Close

    – Qual foi o teu pior momento em cima de um palco?

    – Foi em Vilar de Mouros, no segundo Festival de Vilar de Mouros. É uma história engraçada. (...) Quando cheguei ao palco... Só te digo que dificilmente a minha família terá sido mais insultada em toda a minha vida do que naquela noite! Mãe, pai, filhos – tudo o que era família minha foi insultada! Já para não falar dos insultos directos, mandarem-me com objectos estranhos... (...) Então passou-me uma coisa pela cabeça, olhei para os meus músicos e disse: «Vamos cantar uma canção, vamos cantar a Pedra Filosofal, vamos fazer aqui uma inversão.» Comecei a cantar, fez-se um silêncio enorme, calaram-se completamente, trautearam o final comigo e aplaudiram freneticamente. Aí, cheguei ao microfone e disse: «Vão bardamerda!». E fui-me embora.

    Ler Mais
  • Cantigas de antes e depois de Abril Open or Close

    «Grândola, vila morena / Terra da fraternidade / O povo é quem mais ordena / Dentro de ti, ó cidade...» Vinte minutos passados sobre a meia-noite, os versos iniciais da canção de José Afonso fizeram-se ouvir por todo o país. Através do programa Limite, a Rádio Renascença entrava para a história como a estação de rádio que transmitia a confirmação para a saída dos quartéis dos militares que se preparavam para derrubar a mais velha ditadura da Europa. Era o princípio do fim de 48 anos de um regime político obtuso, nascido entre gritos e lágrimas, mas destinado a terminar no meio de uma grande festa.

    Introdução a E Depois do Adeus, antologia de canções | 2007

    Ler Mais
  • É preciso é criar desassossego Open or Close

    «(...) Como é que da política se chega à música e da música à consciência? Eh, pá, eu acho que as coisas podem estar ou não ligadas, depende do lado para onde estivermos virados. Mas o que é preciso é criar desassossego. Quando começamos a procurar álibis para justificar o nosso conformismo, então está tudo lixado! (...) Acho que, acima de tudo, é preciso agitar, não ficar parado, ter coragem, quer se trate de música ou de política. E nós, neste país, somos tão pouco corajosos que, qualquer dia, estamos reduzidos à condição de ‘homenzinhos’ e ‘mulherezinhas’. Temos é que ser gente, pá! (...)»

    Ler Mais