Isabel e a medalha

icarmo1.jpg

Nasceu no Barreiro, numa família marcada pelos valores da liberdade e do antifascismo. O pai, João do Carmo, era poeta e activista dos círculos locais de combate à ditadura. Dele herdou, talvez, o amor pelo sonho e o sabor da utopia, que a acompanham desde sempre. Tal como a vontade de ser útil, e participante activa nas lutas sociais e políticas do seu tempo.

Salazar eternizava-se no poder, e Portugal atrofiava na pequenez opressiva desses tempos. Muito cedo, Isabel do Carmo compreendeu que era tempo de agir: aos 17 anos já lutava contra a ditadura, e a Crise Académica de 1962 deu-lhe as primeiras notas de protagonismo.

Mas as formas de resistência que então se praticavam eram-lhe insuficientes. O alinhamento pró-soviético do PCP não lhe agrada, mas também não se revê nas correntes maoístas e trotskistas que começam a surgir. E é assim que, em 1970, ela está na primeira linha da criação das Brigadas Revolucionárias, ao lado de Carlos Antunes, que mais tarde há-de tornar-se o seu companheiro de muitos anos.

Depois veio Abril, e abriu-se a porta de todos os desejos. A poesia está na rua, e Isabel está com ela. Faz parte da direcção do PRP, força política que aposta nas organizações de base, nos movimentos de trabalhadores e de soldados, nas ocupações de fábricas e de casas.

Anos depois, vai pagar o preço desse empenhamento, cumprindo quatro anos de prisão no primeiro grande processo político em tempo de democracia. Acabou por ser absolvida de todas as acusações, mas pelo caminho ficaram as marcas de um período doloroso: o filho, Sérgio, passa os primeiros anos de vida em Custóias, ao lado da mãe; a filha, Isabel como ela, está na escola primária e assiste, impotente, à odisseia do cárcere, das greves de fome e do julgamento.

A família volta a reunir-se após a libertação de Isabel do Carmo e Carlos Antunes, em 1982. O processo arrasta-se em tribunal por mais alguns anos, mas Isabel não desiste de lutar por aquilo em que acredita. Envolve-se com movimentos alternativos, ecologistas e pacifistas. Escreve livros, relata as suas experiências. Completa o doutoramento e torna-se uma voz respeitada e escutada no meio científico.

Nos últimos anos, Isabel do Carmo dedicou-se sobretudo à Medicina, mas continua a estar atenta e a participar na vida social e política do país. Hoje, como nos anos quentes, acredita que mais vale lutar por uma causa perdida do que não ter causa nenhuma.

Trinta anos depois de Abril, o país está em paz com o passado, pelo menos o suficiente para reconhecer o contributo de pessoas como Isabel do Carmo na conquista da democracia. O Presidente da República distingue-a com a Ordem da Liberdade, numa cerimónia onde volta a ser protagonista sem querer. Porque, afinal, as vozes insubmissas nunca deixam de ser incómodas.

Sic 10 Horas | 5.Mai.2004

Mais sugestões de leitura

  • O fado das águias Open or Close

    O Benfica está em crise e o país real acompanha, ansioso, as angústias, as dúvidas e o sofrimento das águias da Luz. Vão longe os dias em que «ser benfiquista era ter na alma a chama imensa», como cantava o incomparável Luís Piçarra. Mas isso era no tempo em que quem não era do Benfica, não era bom chefe de família. Agora, com a instituição familiar em notório declínio, como poderia o Benfica navegar noutras águas que não as do desencanto?

    TSF | 15.Out.1997

    Ler Mais
  • Falando assédio Open or Close

    Quando não têm uma guerrazinha com que se entreter, os americanos são capazes de tudo. Até de transformar em notícia as possíveis aventuras extraconjugais de Bill Clinton. Tudo começou com uma vulgar acusação de assédio sexual - essa brilhante invenção norte-americana deste fim de milénio. Pessoalmente, devo dizer não tenho nada contra o assédio sexual - seja no local de trabalho, na rua ou mesmo em casa. Acredito até que, sem assédio, a humanidade acabaria por se extinguir, por manifesta falta de assunto.

    TSF | 28.Jan.1998

    Ler Mais
  • Cântico de alegria e raiva Open or Close

    Em 2005, o Chile ainda tinha cinco presos políticos: Hardy Peña Trujillo, Claudio Melgarejo Chávez, Fedor Sánchez Piderit e Pablo Vargas López, encarcerados na vigência do primeiro governo democrático... por terem atentado, anos antes, contra a ditadura militar. Ao mesmo tempo, apesar de já não estar no poder, Augusto Pinochet ainda se passeava pelo mundo. Foi assim que, a partir de Santiago, o poeta Luís Ariasmanzo lançou um apelo à solidariedade de escritores de vários países. O resultado foi o manifesto poético El Verbo Descerrajado, uma antologia que contou com a participação de oito dezenas de poetas das Américas e da Europa.

    El Verbo Descerrajado
    Ediciones Apostrophes 2005

    Ler Mais
  • O pecado da inveja Open or Close

    Quando o Criador distribuiu os pecados pelo mundo, nem todos os povos tiveram a mesma sorte: aparentemente, a preguiça coube aos espanhóis, os franceses ficaram com a gula (apesar da nouvelle cuisine), os ingleses com a soberba, escoceses e judeus com a avareza; a ira foi para gregos e troianos, sérvios e macedónios, tártaros e mongóis, acabando por tornar-se um pecado transversal a quase todos os povos, ainda que – felizmente – nem sempre ao mesmo tempo; quanto à luxúria, ficou para as nórdicas, claro, mas também para os brasileiros, os italianos e outros mentirosos. Nesta repartição de defeitos calhou aos portugueses ficar com a inveja.

    Zoot | Primavera 2007

    Ler Mais