O senhor Lopes e o cantador

Enquanto Pedro Santana Lopes for presidente da município, Fausto Bordalo Dias não participará em espectáculos promovidos pela autarquia de Lisboa. «Não me interessa qualquer tipo de relação com esta Câmara», afirmou o músico à Focus, em comentário ao seu afastamento das comemorações do 25 de Abril, que noticiámos na última edição. «O que me espanta», acrescenta Fausto, «é que um indivíduo que já anunciou publicamente a intenção de se candidatar à Presidência da República não assuma desde já uma postura mais consensual e abrangente para atingir esse objectivo e, pelo contrário, adopte uma atitude própria de um aprendiz de candidato à ‘nova brigada dos coronéis de lápis azul’. Convenhamos que, trinta anos depois do 25 de Abril, é obra!» Um concerto de Fausto esteve agendado para a noite de 24 de Abril, no Terreiro do Paço, mas acabou por ser desmarcado por alegadas «indicações superiores».

Na origem do diferendo está a desmarcação do concerto de Fausto que esteve agendado para a noite de 24 de Abril, no Terreiro do Paço. A EGEAC, Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural, dependente do município, garante que «os critérios de escolha foram exclusivamente artísticos» e que «Fausto foi um entre vários nomes considerados no alinhamento inicial». Segundo a EGEAC, a programação do espectáculo comemorativo do 25 de Abril foi «da inteira responsabilidade do Conselho de Administração da empresa, não tendo sido apresentado para aprovação a qualquer instância».

Fausto, porém, contraria esta versão, tal como a agência responsável pela marcação dos seus espectáculos: «Depois de ter sido confirmado pela EGEAC, o espectáculo foi desmarcado através de um email onde era referido explicitamente que ‘o alinhamento foi alterado por decisões superiores’», confirmou à Focus uma fonte da agência do cantor. Dias antes, a EGEAC comunicara telefonicamente à agência que o alinhamento estava suspenso, a aguardar «a confirmação da presidência da Câmara».

A decisão ocorreu na altura em foi referida pelos círculos do poder a necessidade de «retirar qualquer conotação ideológica ao 25 de Abril» e não surpreendeu Fausto, que foi apoiante de João Soares nas duas vezes que este se candidatou à Câmara de Lisboa: «O que me surpreendeu foi o convite inicial, considerando a natureza da equipa que actualmente governa o município.» E acrescenta: «Bem sei que a Câmara não precisa de mim para nada, mas também é certo que eu não necessito desta gente para coisa nenhuma.»

«Devo dizer», sublinha, «que não me sinto minimamente prejudicado por ter sido retirado do cartaz do espectáculo de Lisboa: tinha um número significativo de convites para esse dia, e acabei por escolher uma cidade onde nunca tinha tocado». A 24 de Abril, Fausto actuou em Sines. E, na próxima sexta-feira, dia 14, à noite, estará na Aula Magna, para um concerto organizado pelo Sindicato dos Professores da Grande Lisboa. É o primeiro espectáculo que Fausto realiza em Lisboa desde o Centro Cultural de Belém, em 1999.

Focus | 12.Mai.2004

Mais sugestões de leitura

  • O pecado da inveja Open or Close

    Quando o Criador distribuiu os pecados pelo mundo, nem todos os povos tiveram a mesma sorte: aparentemente, a preguiça coube aos espanhóis, os franceses ficaram com a gula (apesar da nouvelle cuisine), os ingleses com a soberba, escoceses e judeus com a avareza; a ira foi para gregos e troianos, sérvios e macedónios, tártaros e mongóis, acabando por tornar-se um pecado transversal a quase todos os povos, ainda que – felizmente – nem sempre ao mesmo tempo; quanto à luxúria, ficou para as nórdicas, claro, mas também para os brasileiros, os italianos e outros mentirosos. Nesta repartição de defeitos calhou aos portugueses ficar com a inveja.

    Zoot | Primavera 2007

    Ler Mais
  • Factura exposta Open or Close

    Quisera que tudo fosse sempre deste modo
    e a revolução se fizesse
    um pouco mais que um sonho
    a despertar nos teus olhos livres.

    Ler Mais
  • Guerra santa contra o rock Open or Close

    «Satanás já não esconde as suas motivações. Os textos das canções condenam abertamente o cristianismo e apresentam a adoração do demónio como alternativa. A violência, o sexo, a rebelião e as drogas não são unicamente objecto de promoção, mas também são apresentados directamente ou encenados em palco. As canções fazem a apologia do suicídio e os telediscos levam a mensagem de Satã directamente a nossas casas...» Este discurso assustador não pertence à história da Santa Inquisição, nem tão pouco foi extrajdo de qualquer ritual exorcista da Idade Média. Trata-se, apenas, da expressão mais simples encontrada pelo padre norte-americano Fletcher A. Brothers para definir aquilo que considera ser o «rock satânico-teatral» dos anos 80.

    Se7e | 9.Jun.1986

    Ler Mais
  • Silêncio, que vai falar um homem Open or Close

    Venho duma época em que Portugal era, dizia-se, dominado por três éfes: Fátima, o futebol e o fado. Trinta anos passados sobre a manhã de todas as esperanças, a diferença é que o futebol se transformou numa nova religião, cujos deuses, mitos e interesses coabitam tranquilamente com os de Fátima. Ao fado, muitos querem que reste não mais que a função puramente recreativa. Não é esse, nunca foi, o caso de Carlos do Carmo, e por isso a sua música, sendo fado, é também uma música do mundo. E sendo universal, continua genuína e generosamente lusitana.

    Ler Mais