Silly season

Dizem-me que a culpa é do tempo instável que se tem feito sentir. Talvez seja. Mas este mês de Agosto tem sido pródigo em novos conceitos e frases espirituosas de alguns actores da grande comédia que é o mundo actual. Não, não falo de George Bush nem da sua mais recente alarvidade - até porque, ao contrário do que sustentam os jornais, não foi uma gaffe: o presidente dos EUA quis mesmo dizer o que disse quando afirmou que «os nossos inimigos não param de pensar em formas de prejudicar o nosso país e o nosso povo, e nós também não». É o que se chama sinceridade.

Mas Bush é um homem simples. Não tem as subtilezas do pensamento de um Manuel Falcão ou de um José Manuel Fernandes, por exemplo,que no passado fim de semana deram mais um importante contributo para que a ciência política se aproxime dos actos de variedades, como é de bom tom na sociedade do espectáculo em que vivemos. Na revista Pública de domingo, estes dois antigos maoístas revelam finalmente ao povo o seu posicionamento político actual.

Falcão é, diz, «um anarquista de direita com preocupações sociais». Eu nunca conheci nenhum anarquista de direita, e ainda por cima com preocupações sociais, mas suponho que seja algo muito parecido com um benfiquista do Porto com preocupações sportinguistas: soa bem e não quer dizer rigorosamente nada, como convém nos dias que correm. Parabéns, Manel! Se continuas assim, não há-de faltar muito para seres ministro.

No entanto, o must da temporada cabe, até ver, ao director do Público. Diz Fernandes que, passados todos estes anos, já não é de esquerda nem de direita. Que «a esquerda privilegia mais a igualdade e a direita a liberdade» e, para ele, «a liberdade é um bem mais essencial». E assim, hoje, considera-se mais um homem do centro, mas não de um centro qualquer. O dele é o «centro radical», «reformista, mas não revolucionário». Onde fica tão insólito lugar, não sei, nem o Zé Manel explica. Mas suspeito que deve ter algo a ver com a «árvore ginecológica» de que falava há tempos, na Televisão, um louro comentador social...

Para Consumo da Causa | 18.Ago.2004

Mais sugestões de leitura

  • O cherne da questão Open or Close

    Quando a mulher do ora primeiro-ministro tomou à letra o apelo do poeta e lançou a única frase que teve eco na campanha (à parte as considerações anatómicas em volta da "mão de Ferro" do PS e do "braço direito" do CDS) não faltou quem achasse que meter o Cherne ao barulho era coisa típica da peixeirada em que se converteram não apenas as campanhas eleitorais mas a generalidade dos episódios que dão cor à vida política portuguesa. Aliás, só com muito boa vontade é que alguém pode ver no líder do PSD algo mais do que uma simples boga, mas já se sabe: o amor é cego.

    Alface Voadora | Abril 2002
    Ler Mais
  • Saudades de Zeca Open or Close

    E vão 26 anos sem Zeca, mas sempre com ele - e hoje mais do que nunca. Um pretexto tão bom como qualquer outro para retomar uma prosa incluída na edição mais recente d'As Voltas de um Andarilho:

    A minha memória mais antiga de Zeca Afonso vem do início dos anos 60 do século passado quando, ainda miúdo, ouvia na rádio o «Menino d’Oiro». A televisão era um luxo a que as gentes da classe média desse tempo não podiam dar-se – e, fosse como fosse, ele não frequentava os saraus de variedades que o electrodoméstico transmitia por esses tempos. (...)

    Ler Mais
  • O direito à preguiça Open or Close

    «Face aos meios de produção modernos e à sua ilimitada potência reprodutiva, há que moderar a paixão extravagante dos operários pelo trabalho e obrigá-los a consumir as mercadorias que produzem.» Esta frase foi escrita há 125 anos por Paul Lafargue, revolucionário francês e genro de Karl Marx, num manifesto que fez furor e causou escândalo, tanto entre a burguesia como entre a classe operária desse tempo. Chamava-se O Direito à Preguiça e exaltava as virtudes do ócio e do lazer contra os malefícios do trabalho.

    Zoot | Outono 2009

    Ler Mais
  • 25 anos com Zeca Open or Close

    Nestes dias em que tanto se fala de José Afonso e do seu génio, gosto sobretudo de recordar que, para além da música, o Zeca era acima de tudo um homem. Um homem empenhado nas grandes lutas do seu tempo, com certeza, que procurou viver de modo integral – o que só se alcança quando se assume viver com as fragilidades, as virtudes, os defeitos, as grandezas e as contradições comuns a todos os homens.

    Ler Mais