O ano de (quase) todos os Zecas

tamank22.jpg

Com a edição de “Com As Minhas Tamanquinhas”, neste final de 2012, ficam desde já disponíveis oito das onze edições que integram o plano de remasterizações em curso da obra de José Afonso. Um “lote” que abrange a totalidade dos álbuns gravados para a editora Orfeu, de Arnaldo Trindade, entre 1968 e 1981, ou seja: onze discos de originais num total de 14, o “essencial” da obra gravada do cantor.

O trabalho de remasterização, assinado por António Pinheiro da Silva – não só um dos mais competentes engenheiros de som do nosso País, mas também um músico atento – é por vezes surpreendente. E permite alguns “reajustes” do som, aproximando-o mais do original e corrigindo erros de corte das matrizes e/ou de prensagem do vinil que marcaram algumas das edições originais de José Afonso – como, aliás, se percebe pelo “bilhete” cujo fac-simile é reproduzido nesta reedição de “Com As Minhas Tamanquinhas”, uma nota de Zeca dando indicações para «tentar nova matriz no Valentim [de Carvalho] ou em Espanha, paga por mim».

É do conhecimento geral que a relação de José Afonso com os seus próprios discos nunca foi pacífica, pelo menos nesta área. Até aos anos 70, pesem embora os esforços de músicos e de técnicos de reconhecida competência (como José Fortes, Moreno Pinto ou Hugo Ribeiro, que assinaram a captação de som de alguns discos de Zeca) os recursos dos estúdios de gravação existentes em Portugal estavam muito abaixo dos padrões da altura.

É esta razão que leva José Afonso, a partir de 1970, a optar pelas gravações no estrangeiro – em Londres, primeiro, onde faz “Traz Outro Amigo Também”, depois em Paris (“Cantigas do Maio”), Madrid (“Eu Vou Ser Como a Toupeira”), novamente Paris (“Venham Mais Cinco”) e outra vez Londres (“Coro dos Tribunais”). É só em 1976 que Zeca volta a gravar um disco seu em Portugal, nos estúdios Polysom, em Campolide: precisamente “Com As Minhas Tamanquinhas”, que também não foi isento de quid pro quos de carácter técnico.

De facto, é sobretudo a partir de finais dos anos 70 que começam a surgir, em Lisboa, estúdios alternativos aos da Valentim de Carvalho e da Rádio Triunfo, que até aí dominavam o mercado das gravações discográficas. No entanto, a prioridade, então, era a “acção directa” que os cantores desenvolviam no turbulento cenário político da época. E é desta realidade que José Afonso se faz eco em “Com As Minhas Tamanquinhas”, um registo esplendoroso dos anos do PREC e, na verdade, o primeiro disco inteiramente livre de José Afonso – pois que, sendo embora “Coro dos Tribunais” gravado já após a revolução, este incluía ainda apenas temas escritos anteriormente e nunca antes registados, embora alguns deles tivessem sido conhecidos ainda no tempo da ditadura, como “O Que Faz falta”, que terá tido a sua première em Aveiro, no III Congresso da Oposição Democrática, em Março de 1973.

O conjunto de reedições já disponibilizado – a que se seguirão, nos primeiros meses de 2013, “Enquanto Há Força”, “Fura Fura” e “Fados de Coimbra e Outras Canções”, a completar o conjunto de gravações de Zeca para a Orfeu – contou com o trabalho apurado do jornalista Gonçalo Frota, que, através dos depoimentos de vários dos intervenientes, traça o perfil minucioso das circunstâncias em que ocorreu cada um das gravações. Um pouco à semelhança do que, para assinalar estas reedições, tem acontecido com os “especiais” que a Antena 1 está a transmitir, e para os quais outro jornalista, António Macedo, foi ouvir muitos desses antigos companheiros de Zeca, incluindo Carlos Correia (Bóris) e Luís Filipe Colaço, os dois instrumentistas que acompanharam Zeca à viola em “Traz Outro Amigo Também” e que há muitos anos tinham desaparecido da vida pública.

Pena é que o grande rigor do trabalho de Gonçalo Frota no sentido de enquadrar cada um dos discos não tenha sido levado até às últimas consequências pela editora para o conjunto fac-similado de documentos que igualmente acompanha estes CDs, e sobre os quais pouco ou nada é dito. Entre estes papéis agora recuperados para a história, podemos ver a cópia de um contrato, notas soltas, cartas, uma folha de produção, bilhetes avulso de Zeca. Mas também, por exemplo, uma informação sobre o cantor passada à PIDE por um zeloso “chefe de posto” (da GNR, presume-se) denominado Fernando José Waldeman do Canto e Silva, que dá conta das “inúmeras reuniões clandestinas” convividas por José Afonso (que “actua provocando sempre extraordinário clima de agitação e ódio”, dizia o delator), dos seus hábitos e das suas “frequentes viagens ao estrangeiro, principalmente a Espanha, onde diz ir gravar discos”. Um mimo.

Tudo isto acrescenta alguma coisa a tudo o que já se sabe sobre Zeca, a época em que viveu e o modo como viveu. Esta reedição, depurada e quase integral, da discografia de José Afonso é, assim, não apenas uma revisitação em grande da sua obra, mas também um serviço prestado à preservação da memória – da repressão, da resistência e da libertação. Quem foi que disse que a história não se aprende a cantar?

QI | Diário de Notícias | 15.Dez.2012

Mais sugestões de leitura

  • Ler, ouvir e contar Open or Close

    De todos os registos discográficos editados este ano em Portugal, poucos terão suscitado tão grande expectativa como «A Ópera Mágica do Cantor Maldito». Desde logo pelos nove anos que o separam do anterior disco de originais de Fausto, «Crónicas da Terra Ardente», mas também pelo sigilo que rodeou a sua preparação. Na verdade, só mesmo os amigos mais próximos do compositor sabiam há muito que havia um novo trabalho na forja, mas mesmo entre estes poucos saberiam do que realmente se tratava.

    Jornal de Letras | 24.Dez.2003

    Ler Mais
  • O Parque da ilusão Open or Close

    Ainda não há muitos anos, qualquer forasteiro de passagem por Lisboa não conseguia divertir-se a sério sem passar pelo Parque Mayer. Durante décadas, este lugar vizinho da central Avenida da Liberdade foi a alma da boémia lisboeta. Actores e fadistas, coristas e intelectuais, jornalistas e vadios misturavam-se em doses desiguais nos teatros, bares e cabarets que davam cor àquele espaço.

    Mini International | Março 2007

    Ler Mais
  • O fado das águias Open or Close

    O Benfica está em crise e o país real acompanha, ansioso, as angústias, as dúvidas e o sofrimento das águias da Luz. Vão longe os dias em que «ser benfiquista era ter na alma a chama imensa», como cantava o incomparável Luís Piçarra. Mas isso era no tempo em que quem não era do Benfica, não era bom chefe de família. Agora, com a instituição familiar em notório declínio, como poderia o Benfica navegar noutras águas que não as do desencanto?

    TSF | 15.Out.1997

    Ler Mais
  • Era uma vez uma Nina Open or Close

    Era uma vez uma menina nascida num país que já não existe. A história de Nina Govedarica poderia começar assim, mas a sua biografia está bem longe de ser um conto de fadas. Os olhos dela já viram mais do que à generalidade dos humanos costuma ser concedido, e nem tudo o que viu foram coisas belas.
    Nascida em Zagreb no início dos anos 70 do século passado, Nina Govedarica licenciou-se em Engenharia, mas seria na pintura que encontraria o caminho e a razão de ser da sua vida.

    Do catálogo de Contos sobre a floresta, ..., de Nina Govedarica | 2011

    Ler Mais