O grande poeta menor

b_500_400_16777215_00_images_geral_ary02.jpg

Torrencial, apaixonado, firme, exuberante, truculento, corajoso. Qualquer destes adjectivos cabe em José Carlos Ary dos Santos, mas nenhum deles chega para qualificar plenamente o homem, o poeta, o militante. Em Ary, o todo é sempre mais do que a soma das partes, e estas nunca são estanques entre si: Ary foi o poeta que foi por ser o militante que era, e não poderia ser uma pessoa diferente sem trair tudo aquilo que constituía a sua própria razão de ser.

Nascido no seio da alta burguesia lisboeta, Ary decidiu muito cedo que esse não era o lado da vida onde queria estar. Os primeiros livros revelam um poeta inconformado, mas foi através das canções que se destacou como o mais profícuo autor do seu tempo, com mais de 600 letras escritas.

Evidenciou-se sobretudo pelo papel activo que desempenhou no movimento de renovação da música portuguesa desde finais dos anos 60 do século passado. Portugal era, não o esqueçamos, um país bisonho, e um par de versos simples como «quem faz um filho / fá-lo por gosto» eram suficientes para perturbar as almas pudendas do regime. Para o espírito rebelde e provocador de Ary, esse era um desafio aliciante.

Depois de Abril, Ary assumiu de corpo inteiro a militância comunista. Mas, a par de poemas inflamados e marcados pelo tom aceso do período revolucionário («As Portas Que Abril Abriu» ou «Bandeira Comunista», por exemplo), escreve alguns dos mais belos textos da música portuguesa. Temas como «Estrela da Tarde», «Namorados de Lisboa», «Os Putos», «O Cacilheiro» ou «Quando um Homem Quiser» são já obras essenciais do nosso património colectivo.

Letrista de excepção e «grande poeta menor» (parafraseando Fernando Assis Pacheco a propósito de Vinícius), Ary dos Santos foi também – ou sobretudo – um homem empenhado, um militante afectivo e efectivo, sem nunca deixar de ser um espírito livre. «Poeta castrado, não» – sublinhava. E assim foi até morrer. Essa rebeldia libertária, expressa nas canções que escreveu e presente na memória dos que o conheceram, é afinal o melhor do seu legado.

Diário de Notícias | 18.Jan.2014

Mais sugestões de leitura

  • Um coração sobre o mundo Open or Close

    (...) E no entanto Carlos Paredes foi, sempre, um ser atento à realidade. Basta ouvir-lhe as músicas, que são o maior e mais autêntico reflexo da alma lusitana. Ou ler os seus textos (e como escrevia bem, este Paredes!) em que, detalhada e apaixonadamente, reflectia sobre as mais diversas questões da vida. Ou tê-lo visto alguma vez em palco, onde construía um permanente diálogo com quem o escutava, com a humildade de que só os grandes génios são capazes.
    Quando, há uns anos, foi condecorado pelo então Presidente da República, Mário Soares, por ocasião de um 10 de Junho, fui encontrá-lo, discreto, no foyer do São Carlos, depois da cerimónia, distribuindo abraços, daquela forma sincera que o caracterizava. «Isto é bom: sempre se encontram uns amigos», disse-me então, alheio à snobeira bacoca que sempre rodeia estes momentos.

    A Capital | 24.Jul.2004

    Ler Mais
  • Ler jornais é saber demais Open or Close

    Cada vez me custa mais a entender aquela teimosa mania que o professor Cavaco tinha de não ler jornais. É verdade que os jornais, por regra, estão cada vez mais pardos e menos interessantes. E é um facto que certos jornalistas são tão vergonhosamente ignaros e tão desprovidos de sentido ético, que até já pensei requerer a nova carteira profissional na categoria de «artista de variedades».
    Mas ainda assim, eu, que sou teimoso, continuo a ler jornais. Será um vício, talvez, mas o que hei-de fazer? Ontem mesmo, por exemplo, fiquei a saber pelo Diário de Notícias que a polícia não serve só para reprimir, de acordo com o terá dito o ministro Jorge Coelho. O que significa que, lá no fundo, a polícia deve ter alguma utilidade, ainda que ninguém, nem sequer o ministro, saiba dizer em rigor qual é.

    TSF | 21.Jan.1998

    Ler Mais
  • A última vontade Open or Close

    Já passa da uma da manhã. A minha mulher continua sem aparecer e a gata Genoveva não pára de me lamber os calcanhares como se fossem gelado de limão. Dantes, as coisas e as pessoas eram muito mais simples, mas a tecnologia transformou tudo. Até as gatas. Escureço aos poucos na calma idílica dos subúrbios enquanto Ian Dury, preso nas ondas da telefonia, continua a sussurrar o seu convite: «Walk up and make love to me.» Não entendi ainda se será uma alusão discreta à minha mulher ou à gata mas, bem vistas as coisas, vai dar ao mesmo.

    Se7e | 15.Jun.1983

    Ler Mais
  • As voltas do professor Open or Close

    Há uns bons vinte anos, ele era o símbolo de tudo aquilo que não queríamos ver no poder. A candidatura de Freitas do Amaral à Presidência da Repúbica foi, sejamos claros, a última esperança dos velhos fascistas que ainda não se tinham adaptado à democracia. Na verdade, o confronto entre Mário Soares e Professor nas eleições presidenciais de 1986 foi marcado pela clarificação dos campos políticos que, bem ou mal, se afirmavam no terreno. E Soares, que começou a campanha apenas com o apoio de uma íntima fracção do PS, acabou por se sagrar Presidente, eleito pela Esquerda; ao passo que Freitas, apoiado em massa pelas forças da Direita, não conseguiu evitar a derrota na segunda volta.

    Para Consumo da Causa | 10.Mar.2005

    Ler Mais