Mais do que talento

Paco de Lucia (1947-2014)

Poucos saberão que, em meados da década de 80 do século passado, Paco de Lucia manifestou a alguns amigos o desejo de gravar um disco com Carlos Paredes. O mestre português da guitarra tinha publicado o Concerto em Frankfurt, e era uma das «jóias da coroa» da Polygram, tal como Paco – que já gravara, entre outras coisas maiores, Friday Night in San Francisco e Passion, Grace and Fire, ambos em conjunto com Al di Meola e John McLaughlin.

A ideia de Paco, admirador de Paredes, foi acolhida com entusiasmo pela editora, mas esbarrou na recusa definitiva do músico português: «Tocar com Paco de Lucia? Nem pensar. Ele esmagava-me, oh amigo!»

Podemos atribuir este receio à proverbial modéstia de Carlos Paredes, à forte personalidade artística de ambos, ou mesmo à manifesta dificuldade do criador de Verdes Anos em estabelecer parcerias criativas com outros músicos, mas a verdade é que o disco nunca aconteceu, e por isso nunca saberemos se os medos de Paredes tinham razão de ser ou se, à semelhança do que fez com Di Meola e McLaughlin, Paco de Lucia conseguiria estabelecer com o seu parceiro ibérico um diálogo perfeito de guitarras com diferentes sonoridades e memórias.

À margem deste episódio, porém, vislumbra-se o que julgo ser um dos traços distintivos do mestre do flamenco: uma vontade permanente de experimentar sons e partilhar sensações – o que conseguia sem retirar espaço aos outros, mas também sem nunca deixar de ser ele mesmo.

Foi um músico de talento transbordante. Mas foi mais do que isso. «Um bom homem, um grande instrumentista e um grande companheiro na partilha de palcos», disse, ontem, José Nuno Martins, que organizou e produziu o primeiro espectáculo de Paco de Lucia em Lisboa. Três razões que chegam para gostar dele. E ouvi-lo, agora e sempre.

Diário de Notícias | 27.Fev.2014

Mais sugestões de leitura

  • A terra e a memória Open or Close

    O passado é o espelho enevoado de tudo o que fomos. O futuro é a visão difusa daquilo que queremos. Entre os dois extremos do tempo, correm os dias, morrem os sonhos, cumprem-se os rituais. É assim em todas as terras. Até na minha, que é uma terra igual às outras, com a diferença que é a minha e por isso sou mais dela do que das outras, mesmo se muitas terras já os meus olhos viram e amaram.

    Prefácio a Da Minha Terra e de Seu Povo, de Joaquim Quintino | 1995

    Ler Mais
  • Amor sem palavras Open or Close

    (...) quando se converte num mito um homem que foi justo, honesto, valente, está-se a separá-lo das pessoas. E o meu pai era um homem, de carne e osso, com virtudes e defeitos como toda a gente. Era um homem muito completo, talvez um homem único, mas como homem que era pode ser imitado, pode ser igualado e pode ser superado. É difícil fazê-lo, reconheço, em algumas coisas será praticamente impossível. Mas, como é tão humano como eu, está ao meu nível e eu posso fazê-lo se a isso me propuser. Se se converte simplesmente em algo para adorar, já se afasta dos homens por quem ele viveu e morreu. E isso eu gostava que nunca acontecesse.

    Ler Mais
  • A partilha da água Open or Close

    «Para mim é sempre bom ter uma oportunidade de estar junto das pessoas, de passar com elas bons momentos. Quanto mais vezes estivermos juntos, mais poderemos falar uns com os outros, mais poderemos aprender. Uns com os outros e uns sobre os outros.»
    No terraço de um hotel de Lisboa, Richie Havens fala-me assim da sua segunda visita a Portugal, desta vez para participar no espectáculo de encerramento do Festival «Dêem Uma Oportunidade à Paz». Aos 42 anos, quinze decorridos após Woodstock, Richie continua a parecer-se com os velhos hippies da geração de 60, embora sem deixar transparecer qualquer ponta de saudosismo em relação ao que foi feito pelos homens e mulheres do seu tempo.

    Se7e | 3.Ago.1983

    Ler Mais
  • Tanto caminho andado... Open or Close

    Polémico, por vezes contraditório, mas sempre corajoso e firme nas suas opções, José Carlos Ary dos Santos deixou um espólio de muitas centenas de canções que fizeram um pouco de história na música portuguesa.

    Se7e | 25.Jan.1984

    Ler Mais