O estado do sítio

© Sandra Bernardo

Com o País no estado em que está e a Europa no ponto aonde chegou, não vejo como é que alguém de bom senso consegue manter o optimismo. No entanto é isso que o (des)governo da nação continua a exibir, perante a impavidez de parte significativa dos cidadãos, a raiva (ainda) mansa dos outros e a aquiescência dos multiespecialistas, econocomentaristas, políticofantasistas e outros patuscos que animam o nosso triste quotidiano.

Sem capacidade nem querença de acautelar o pão, Passos garante-nos o circo, ultimamente coisificado no anedotário relvas que, de tão extenuadamente repetido e tão singelamente risível, se tornou numa eficaz manobra de diversão para os problemas realmente importantes das nossas vidas.

O País vai a pique, por muito que o ministro principal garanta que vai cumprir “os objectivos” e honrar os “compromissos nacionais”. Mas nem todos vão ao fundo, e a cada dia que passa multiplicam-se as evidências de que a minoria do costume permanece desobrigada dos “sacrifícios” exigidos à maioria. E logo vêm os mestres-escola habituais explicar que não há nada imoral nesta imoralidade, uma vez que é “a Lei” que assim o determina.

A Lei. Era o fundamento do estado de direito, um pilar central do sistema democrático. Mas também isso já mudou, desde que os mais altos dignitários do País passaram a encarar com naturalidade o desrespeito sistemático do contrato social por parte das instituições a que compete zelar pelo seu cumprimento. Pois se até o suposto presidente do sítio prefere ignorar a Constituição que jurou cumprir e fazer cumprir a pôr em causa um orçamento de Estado que faz tábua rasa de elementares direitos consagrados na Lei a que, não por acaso, se chama Fundamental.

O discurso dos governantes refere um país diferente do nosso, e tirando alguns exaltados pontuais, poucos realmente se sentem incomodados com o faz-de-conta instituído. Se Passos Coelho e o seu gabinete são como a orquestra do Titanic que ilude o afundamento iminente, José (ex-Durão) Barroso é o pequeno comandante do navio que ainda não percebeu o iceberg que tem pela frente e de que Angela Merkl é apenas a parte imediatamente visível. Neste jogo de interesses, a chanceler alemã não passa de um marechal-de-campo da imensa teia de poderes económicos e financeiros que, discreta mas eficazmente, modelou a política monetária comum de modo a tornar esta “crise” inevitável.

De modo que, neste Verão, ir a banhos só se for de semicúpios, pois até um licenciado instantâneo consegue adivinhar difíceis os tempos que nos esperam. Para dar a volta a isto, não chegam os discursos politicamente polidos ou polidamente políticos. Os que conduziram Portugal e a Europa e o resto a este lindo estado não estão dispostos a mudar apenas porque os cidadãos dos seus países gostariam que o fizessem. Só sairão à força e, muito provavelmente, pela força.

Dir-me-ão que esta não é uma atitude democrática. Pois não. Mas facto é que nunca os europeus foram chamados a pronunciar-se sobre as mais importantes transformações operadas no espaço da União. O desenvolvimento da Europa, sobretudo após a queda do Muro de Berlim, foi feito em regra por métodos antidemocráticos e pouco transparentes. Pelos burocratas de Bruxelas em estreita cumplicidade com os governos nacionais de serviço. E o resultado está à vista.

José Afonso, que faria hoje 83 anos, diria que «o que faz falta é animar a malta, agitar a malta, libertar a malta, dar poder à malta». Chamaram-lhe cigano, utópico e coisas ainda piores. Pois. Mas que faz falta, faz. E se calhar é mesmo a única maneira.

Jornal do Fundão | 2.Agosto.2012

Mais sugestões de leitura

  • O Parque e a gente Open or Close

    As pessoas são sempre aquilo que de mais importante nos fica dos lugares por onde passamos. Quando ancorei em Lisboa, há mais de vinte e cinco anos, o Parque Mayer já não ocupava o lugar central da boémia artística de Lisboa que fora seu, por direito conquistado, durante várias décadas. Mas continuava a ser um espaço de encontro de gentes diversas, palco de histórias umas mais amorais do que outras, lugar de sonhos de todas as cores.

    Do programa de A Revista é Linda | Teatro Maria Vitória | 2005

    Ler Mais
  • Alberto Pimenta Open or Close

    Nasceu no Porto, viveu na Alemanha e está em Lisboa. Em 1977 deu-se em exposição numa jaula da aldeia dos macacos no Jardim Zoológico de Lisboa. Catorze anos depois colocou-se à venda, no Chiado, por conta de uma «divisão de recursos humanos do Estado». E catorze dias mais tarde fez um auto-de-fé de O Silêncio dos Poetas na Feira do Livro de Lisboa. De todos os seus livros, esse é aquele que os intelectuais dominantes mais levam a sério, e fazem mal. Deveriam ler também Labirintodonte, Os Entes e os Contraentes, Ascensão de Dez Gostos à Boca, Discurso Sobre o Filho-da-Puta, Terno Feminino, A Visita do Papa, Deusas Ex-Machina. E os outros, todos, que publica com a regularidade possível desde 1970.

    Ler Mais
  • Que homem é este? Open or Close

    A campanha eleitoral foi marcada pela recusa de Cavaco em responder a quaisquer questões de algum modo melindrosas para a sua imagem. Interrogado pelos jornalistas sobre as dúvidas levantadas por alguns dos seus negócios, limitou-se a dizer que eram «calúnias». Tanta aparente cobardia só pode ter uma razão: a criatura tem mesmo telhados de vidro, e está com medo que os portugueses descubram a tempo de correr com ele de Belém. Mas esta campanha foi também reveladora quanto aos traços de carácter deste homem que se acha acima de todos os outros.

    Ler Mais
  • Um homem de carácter Open or Close
    José Vilhena, o mais importante humorista português contemporâneo, fez recentemente 85 anos. Mas, com excepção da meia dúzia de amigos e admiradores que estiveram presentes numa pequena homenagem organizada em Lisboa pelo Museu da República e Resistência, quase ninguém se deu conta da efeméride.
    Jornal do Fundão | 19.Jul.2012
    Ler Mais