O ovo da serpente

© Sandra Bernardo

Notícia recente ouvida na TSF dava conta do peculiar «aconselhamento» que a polícia grega está fazer junto de cidadãos vítimas da crescente criminalidade produzida pelo agravamento generalizado das condições de vida da população.

De acordo com a notícia, que cita uma reportagem do jornal britânico Guardian, agentes policiais helénicos estão a encaminhar queixas e queixosos para o partido neo-nazi que elegeu vários deputados nas últimas eleições, apresentando-se como «defensor do povo contra a escumalha imigrante».

Testemunhas citam «o caso de uma mulher que teve um problema com imigrantes albaneses no bairro onde vive e, ao ligar para a polícia, o agente disse-lhe para telefonar para o partido da Aurora Dourada» que, segundo relatos ouvidos pelo Guardian, «está cada vez mais a assumir o papel da polícia».

Ao mesmo tempo, imigrantes contam que «nas últimas semanas têm sido atacados por homens que à noite circulam de mota vestidos de preto». E acrescenta o jornal que «nos bairros mais pobres de Atenas, o partido neo-nazi parece estar a ganhar adeptos usando uma política de apoio à população grega com roupas e comida».

Num célebre filme de há 35 anos, que uso para titular esta crónica, Ingmar Bergman retratou, com objectiva e dilacerante frieza, a escalada da degradação humana e social que permitiu a ascensão do nazismo na Alemanha de Weimar. O que acontece hoje na Grécia tem assustadoras semelhanças com esse passado e deixa à vista de todos esse «ovo da serpente» através de cuja membrana se consegue distinguir com clareza o réptil em processo acelerado de formação, quase pronto para nascer.

Dizia Hegel que os grandes factos da história universal parecem repetir-se e Marx acrescentou: «uma vez como tragédia e a outra como farsa.» No caso da história europeia, ainda assim preferia que, apesar de todas as aparências em contrário, estivéssemos em maré de farsa.

É nesse sentido que aponta o circo de Bruxelas e Frankfurt, avalizado pelos governos de uma cada vez mais débil Europa, cujo sonho fundador parece já irremediavelmente esboroado na poeira voraz do ultra-economicismo dominante.

Portugal ainda não chegou aos níveis de indigência institucional da Grécia, mas, a continuar na rota por onde vai, temo que não tarde muito a alcançá-los. Os sinais estão aí, bem à vista de todos, e só não se preocupa com eles quem desconhece o mundo que existe para lá dos números.

O dr. Borges é uma dessas criaturas. O homem até hoje não acertou uma. As propostas que apresenta oscilam entre o risível e a obscenidade, mas têm o condão de conseguir a verdadeira unidade nacional: nem ricos, nem pobres, nem patrões, nem empregados, nem cultos, nem incultos – não há voz que se erga em seu apoio. Pelo menos em público, pois que em privado, já se sabe, a realidade nem sempre condiz consigo mesma.

E em privado, nessas reuniões entediantes capazes de envolver «redes de polícia secreta, exércitos inteiros, congressos universitários, eu sei lá!» (salut, José Mário Branco!), nesses ajuntamentos de cérebros (mal) formatados que Borges deve achar tão prazenteiros, é natural que ninguém se preocupe com minudências. Quem lida com tão altos valores não pode conceber que existam valores mais altos.

Este parece, aliás, ser o ponto de vista de um sr. Miguel Oliveira da Silva, presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, para quem é aceitável fazer o racionamento dos medicamentos mais caros para doenças como a sida ou o cancro. «Não só é legítimo como, mais do que isso, desejável», diz, convicto, este sr. Silva. Porque, acrescenta, «vivemos numa sociedade em que, independentemente das restrições orçamentais, não é possível, em termos de cuidados de saúde, todos terem acesso a tudo».

Sublinho uma frase: «independentemente das restrições orçamentais». Porquê? O éti(li)co-presidente responde, interrogando: «Será que mais dois meses de vida, independentemente dessa qualidade de vida, justifica uma terapêutica de 50 mil, 100 mil ou 200 mil euros?» Pelas contas deste pequeno borges, a resposta é óbvia. Pelas minhas, também, mas eu fui um péssimo aluno em Contabilidade.

Perante gente desta, não tenho dúvidas de que, a repetir-se a história, desta vez será, de novo e com toda a certeza, na modalidade de tragédia. O ovo está aí, já foi chocado, só espera um ninho. Está na hora de matar a serpente que tem dentro. Antes que seja tarde.

Jornal do Fundão | 11.Out.2012

Mais sugestões de leitura

  • Elogio da inocência Open or Close

    Naquele tempo éramos todos imortais. Havia mais mundos para lá do mundo que nos era dado conhecer e onde nos era permitido viver. E nós sabíamos. Era o tempo das coisas inevitáveis, como a realidade imaginada, a noite a descobrir, o sonho, a urgência das coisas para viver. E nós vivíamos. E inventávamos sons e momentos, da mesma forma rigorosa e apaixonada com que fazíamos crescer os silêncios até o seu clamor invadir tudo. Foi nesse tempo e dessa forma que o Geraldo se tornou meu irmão. Ele era imortal, como eu, e os imortais sabem sempre reconhecer os da sua laia.

    Prefácio a Cravos com Espinhos, de Geraldo Alves | 2003

    Ler Mais
  • Um golpe de mestre Open or Close

    Não há melhor meio de desvalorizar uma mensagem do que descredibilizar o mensageiro. E é isso, em primeiro lugar, que sobressai do triste folhetim natalício desenvolvido a partir do alegado currículo inventado do não menos alegado professor Artur Baptista da Silva.

    Jornal do Fundão | 10.Jan.2013

    Ler Mais
  • Entrevista a A Capital Open or Close

    Um autor português de 47 anos já não sabia muito bem onde estava o 25 de Abril e resolveu fazer «contas à vida». À sua e à de nós todos. Juntou pontos - e não só de interrogação -, fez cálculos, recuperou memórias, e, após ser desafiado por uma editora, pôs mãos à obra. O livro está desde hoje nas livrarias com o título Contas à Vida - histórias do tempo que passa. São vinte conversas com vinte personalidades da vida pública portuguesa que têm algo a dizer - e dizem! - sobre o 25 de Abril.

    Ler Mais
  • Esquecer Abril Open or Close

    Ao escolher os seus entrevistados, é nítido que o autor teceu uma teia de afectos que nos enreda à medida que vamos mergulhando neste livro com o vagar das coisas que realmente dão prazer. Mais do que o papel do entrevistador, Viriato Teles encarna o mestre de cerimónias de uma festa que já só acontece na memória de quem aceitou sentar-se a falar. Como num encontro de velhos amigos, há ternuras e rancores antigos, confissões, relatos do que se passou desde o último encontro. E percebemos que os entrevistados, muitos deles protagonistas da revolução, formam um caleidoscópio de palavras que é também a memória que o perguntador quer pintar da «sua revolução». Jornalista e poeta de generosidades, Viriato Teles só pode relatar o seu 25 de Abril nas palavras dos outros e fá-lo com arte e minúcia próprias de mestre ourives. Se vamos esquecer Abril, que seja com este livro.

    Ler Mais