Sentido de estrado

© Sandra Bernardo

A modorra estival foi subitamente agitada, dias atrás, pelas declarações de Zita Seabra no programa do estulto Mário Crespo. Segundo a ex-deputada, o PCP utilizou a debelada Fábrica Nacional de Ar Condicionado como fachada para tenebrosas missões de espionagem, levadas a cabo em conluio com caliginosos agentes da STASI durante a Guerra-Fria.

Tudo indica que o gosto pela fábula acompanha a cândida senhora desde que, no final dos anos 80, viu «a luz» revelada por São Miguel Gorbátchov. Ao contrário do derradeiro presidente soviético, porém, que terminada a função se dedicou ao negócio das pizas, Zita ainda quis optar pelas artes, mas cada um é para o que nasce.

Ainda assim, a passagem pelo Instituto Português de Cinema, primeiro, e pelo universo editorial, depois, terão despertado a Agatha Christie que havia nela. Deste modo, vemos o «barão vermelho» da FNAC, Alexandre Alves, de gabardina e Trabant, cogitando a distribuição dos microfones a instalar nos ministérios, nas embaixadas e onde mais aprouvesse à procelosa actividade espiatória que os malandros dos comunistas levavam a efeito (Aqui para nós: foi com certeza trabalho vão, ou o país não teria chegado aonde chegou, mas isso agora pouco importa.)

O episódio vale pouco, é apenas um fogacho passageiro de tolice estival. Mas ainda assim elucidativo do estado de indigência mental a que chegaram alguns dos protagonistas actuais da política mediática. Três anos após a comovente novela dos emails presidenciais, com direito a comunicação solene, chegou a vez de o mundo deslindar, através da mente superior de Zita Seabra, o mistério do ar condicionado pelo dr. Cunhal a mando do dr. Honecker. Belo guião.

À classe política dominante falta em sentido de Estado o que lhe sobra em sentido de estrado, essencial à sociedade do espectáculo. O imenso reality show em que se converteu o dia-a-dia lusitano permite transformar um ministro numa anedota em menos de um fósforo. Mas, anedota ou não, ele continua ministro, essa é que é essa – o que não aconteceria se, em vez de ser uma anedota, tivesse contado uma, porque importante, na política como em qualquer palco, é o que parece, não o que é.

O aguçado sentido de estrado dos dirigentes indica-lhes que a diversão tem de continuar, haja o que houver. À comunista arrependida coube, este Verão, desempenhar o papel do tolo-da-terra que anima e distrai a urbe, em esforçada tentativa para pôr fim ao estafado anedotário ministerial. Foi azar, trazer escutas à conversa, pois há logo quem se lembre de que, meses atrás, se falou em outras, menos fantasiosas, ponta solta de uma teia maior em cujo seio – diz-se – se acolherão grandes interesses empresariais, um antigo alto responsável das secretas e até o ministro de maior visibilidade no governo actual – o das anedotas, nem menos. Tudo isto são factos sustentados em actos, mas que até hoje não tiveram consequências. O ministro continua a ministrar, o espião faz o que sempre fez, e se o governo não faz é só porque já não sabe o que fazer.

O país definha, perante a indiferença magna do poder, apostado em salvar bancos e banqueiros custe o que custar e a quem custar. Enquanto isso, noticia o Expresso que o montante das transacções ilícitas para «paraísos fiscais» ascende a 3.446.386.015 euros. Por extenso, para cima de três mil milhões de euros, uma insignificância detectada a troco de um súbito branqueamento de baixo custo, pois que o sacrossanto défice legitima todas as iniquidades.

Fim da crise não se vislumbra, mas o país começa a rir-se cada vez menos das anedotas de Relvas e não creio que a coisa se componha com a lufada de ar condicionado que Zita traz à liça. O Outono ameaça aquecer mais que o Verão, e em breve não restará mais por onde iludir a realidade: ou inventam um novo sentido, ou arriscam-se a perder o estrado. Porque até um povo paciente e manso se cansa de tão profundo sentido de estábulo que lhe é exigido.

Jornal do Fundão | 16.Ago.2012

Mais sugestões de leitura

  • O ano de (quase) todos os Zecas Open or Close

    Com a edição de “Com As Minhas Tamanquinhas”, neste final de 2012, ficam desde já disponíveis oito das onze edições que integram o plano de remasterizações em curso da obra de José Afonso. Um “lote” que abrange a totalidade dos álbuns gravados para a editora Orfeu, de Arnaldo Trindade, entre 1968 e 1981, ou seja: onze discos de originais num total de 14, o “essencial” da obra gravada do cantor. O trabalho de remasterização, assinado por António Pinheiro da Silva – não só um dos mais competentes engenheiros de som do nosso País, mas também um músico atento – é por vezes surpreendente.

    QI | Diário de Notícias | 15.Dez.2012

    Ler Mais
  • José Mário Branco Open or Close

    Poucos dias passados sobre o 25 de Abril, ele foi o primeiro a definir quais deviam ser os cânones da canção de intervenção, numa reunião de cantores que integraram o Colectivo de Acção Cultural, nascido no alvorar da revolução, e que eram quase todos os que vinham da canção de protesto que marcou os últimos anos da ditadura. O exemplo do que deveria ser feito, agora que o fascismo estava derrubado e a liberdade fora alcançada, apresentou-o José Mário Branco nesse dia. Chamava-se Alerta e marcou a estreia da canção-de-combate após a revolução.

    Ler Mais
  • O retrato de Che Guevara Open or Close

    Quem já visitou Cuba e ficou tocado pelo seu encanto sensual, pela alegria da sua música, dos seus ritmos tropicais, pela beleza tão singular da Habana Vieja, do canto do mar no Malecón, da arquitectura do Caribe, da abertura das suas gentes, seu trato familiar, tudo isso vai reencontrar neste livro, juntamente com informações rigorosas sobre o passado da Ilha, as lutas pela independência, a aventura épica do assalto ao quartel Moncada e da guerrilha na Sierra Mes­tra, com factos precisos, dados e evocações que resultam de muita leitura, muito inquérito e um trabalho de campo por vezes minucioso.

    Ler Mais
  • Cantata em azul Open or Close

    Lembro-me das casas e das flores silvestres, do canto recatado à beira-ria por onde fugíamos à cavalgada na noite, das mulheres jovens que sorriam envergonhadas aos nossos devaneios. Lembro-me de como éramos belos e tontos, convencidos de que o mundo só avançava porque nós assim o desejávamos, crentes de que poderíamos fazer parar o tempo com as palavras mágicas do amor. Lembro-me de ouvir o rugido do mar e não ter medo. ...

    Ler Mais