Um homem de carácter

b_500_400_16777215_00_images_actual_vilhena400.jpg

O mais importante humorista português contemporâneo fez recentemente 85 anos [sábado, 7 de Julho]. Mas, com excepção da meia dúzia de amigos e admiradores que estiveram presentes numa pequena homenagem organizada em Lisboa pelo Museu da República e Resistência, quase ninguém se deu conta da efeméride.

O homem de que falo chama-se José Vilhena e produziu, nos vinte anos que antecederam a Revolução de Abril, algumas das mais notáveis peças paraliterárias de resistência à ditadura. Depois de 74, o seu humor mordaz continuou a incomodar os sucessivos poderes – tanto o poder revolucionário como o institucional que se lhe seguiria – mas isso não o impediu de manter, durante os trinta anos posteriores, uma actividade regular sem paralelo como autor e editor.

Com a Gaiola Aberta, primeiro, e depois com O Fala Barato, O Cavaco, ou O Moralista, Vilhena esteve sempre na primeira linha do humor, disparando sem dó nem piedade contra políticos e militares, padres e bispos, reis e princesas e demais figuras públicas e privadas que se pusessem a jeito.
As publicações periódicas foram o seu meio privilegiado de comunicação, no regime democrático. Antes disso, eram os livros, pela simples razão de que, sobre eles, não existia a obrigatoriedade de submissão à censura prévia. Em contrapartida havia sempre o risco da apreensão posterior, coisa que Vilhena conheceu bem: com cerca de 40 títulos capturados pelos esbirros do regime foi, seguramente, o autor mais perseguido pelo lusofascismo.

Ao longo dos anos, foram muitos e de vários quadrantes os que tentaram apoucar o seu trabalho, sob os mais diversos argumentos: que se trata de um autor obsceno, praticante de um humor estereotipado e sexista, desrespeitador de tudo e de todos. E nem a tese de doutoramento que Rui Zink produziu a seu respeito foi suficiente para desfazer estes (e outros) equívocos gerados em torno da sua obra singular.

A verdade, porém, é que na história do humor português do século XX não há quem se lhe compare – à excepção, talvez, de Raphael Bordalo Pinheiro, nos anos da primeira República. Iconoclasta militante e impenitente, Vilhena só na aparência se rendeu à facilidade que o seu traço por vezes sugeria. Pelo contrário, os seus escritos revelavam não raras vezes um nível cultural muito mais elevado do que a brejeirice de alguns temas faria supor. A sua História Universal da Pulhice Humana, por exemplo, não fica a dever nada, em erudição, aos manuais clássicos das escolas – com a vantagem de ter muito mais graça.

No entanto, para a maioria dos académicos, frequentemente mais dados à deformação do que à (in)formação, José Vilhena era – e é, ainda – uma companhia pouco recomendável. Na sessão do Museu da República, o poeta Alberto Pimenta contou o caso de um conhecido homem da cultura que, aquando da publicação do sublime Discurso Sobre o Filho-da-Puta, o alertou para os riscos de «vilhenização» da sua obra. Melhor seria, digo agora eu, que o intelectual em causa se preocupasse mais com a vilanização do país, mas isso são seguramente contas de outro rosário.

Aos 85 anos, afectado por uma doença impiedosa e particularmente injusta, José Vilhena já não escreve nem desenha e vive alheado do mundo cujas misérias e baixezas tão mordazmente retratou. Mesmo assim, continua a incomodar – e ainda bem. Só os homens de carácter conseguem fazê-lo. E Vilhena, José Vilhena, é seguramente um deles.

Jornal do Fundão | 19.Julho.2012

Mais sugestões de leitura

  • À flor das cidades Open or Close

    Viriato escreve como se estivesse de partida para mais um combate que vai perder. Como se interminavelmente esperasse a amada num bar da Havana velha sabendo que a amada não vai empurrar os batentes. Viriato sabe que a revolução é um lírio da Mesopotâmia. Na interminável espera, Viriato escreve, talvez em toalhas de papel. Mas não desespera.

    Ler Mais
  • Sentido de estrado Open or Close
    A modorra estival foi subitamente agitada, dias atrás, pelas declarações de Zita Seabra no programa do estulto Mário Crespo. Segundo a ex-deputada, o PCP utilizou a debelada Fábrica Nacional de Ar Condicionado como fachada para tenebrosas missões de espionagem, levadas a cabo em conluio com caliginosos agentes da STASI durante a Guerra-Fria.
    Jornal do Fundão | 16.Ago.2012
    Ler Mais
  • Skin look de A a Z Open or Close

    Ao vê-los em "actuação", nas claques de futebol, nas zaragatas dos bares ou nos confrontos de gangs, ninguém imagina que aqueles rapazes de cabelo rapado e ar frequentemente duro se preocupem com a composição da imagem exterior. Um olhar mais atento sobre a indumentária dos skinheads revela, porém, a extrema atenção que é dada a cada pormenor, cada peça de roupa, cada símbolo que se vai exibir. Desde as botas aos elementos decorativos do blusão, nada daquilo que um skinhead veste está ali por acaso. Este é, aliás, um tema sobre o qual os membros de vários grupos skin gostam de falar sem reservas. Quase poderia dizer-se que a opção pelo movimento começa sempre por ser uma questão estética. Com a preciosa ajuda de alguns skinheads bem documentados, ficámos a saber o essencial e boa parte do acessório sobre as peças que compõem a imagem skin.

    O Independente | 16.Abr.1999

    Ler Mais
  • Polícia de rosto humano Open or Close

    A Associação Profissional da Polícia revelou na semana passada que dez por cento dos mais de 20 mil agentes da PSP estão a ser alvo de processos disciplinares. Significa isto que um em cada dez agentes da autoridade não cumpre as leis de que, por definição, deveriam ser os guardiões.

    RCS | 6.Out.1998

    Ler Mais