Sabor de Mar

vina94logo.jpg

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de António Leal


À procura pelo mundo inteiro
Entre o mar a dor e o nevoeiro
Encontrei-te num momento
Que não cabia em nós
Inventámos melodias
Navegámos noite e dia
Descobrimos outra forma de estar sós

Para sul da terra prometida
Aprendemos artes proibidas
Recriámos as estrelas
De outra noite qualquer
No teu corpo marinheiro
Esse barco feiticeiro
Descobri outro sentido p'ra viver

E quem souber sonhar
Quem quiser cantar
Pode descobrir o luar
Cada maré sem vento
Em cada momento
Do teu olhar

Seja o que tem de ser
Sem nada a perder
Faz de conta que vou ganhar
Vale o que se tentou
Tudo o que se amou
O sabor do mar

Não importa o porto de chegada
Qual de nós é cais ou madrugada
Que certezas nos esperam
Nesta forma de ser
Entraremos na cidade
Eu e tu e a liberdade
Inventando o rumo que nos dá prazer

E quem souber sonhar
Quem quiser cantar
etc.

 
Canção participante no XXXV Festival Internacional da Canção de Viña del Mar (Chile) realizado em Fevereiro de 1994 e transmitido pela rede pan-americana de televisão Megavisión para uma audiência calculada de 300 a 500 milhões de pessoas em três continentes (Américas, Europa e Ásia). Não teve edição comercial.

{youtube}bv1g7UE4pM8{/youtube}

Apresentação ao vivo no Festival de Viña del Mar 1994 | Emissão Galavisión (mono)
Arranjos, orquestração e direcção de orquestra de Eduardo Paes Mamede
 

Sabor de Mar
Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de António Leal
Maquete áudio original | Arranjos e produção de Eduardo Paes Mamede | © 1994
 

Mais sugestões de leitura

  • Cantigas de antes do Maio Open or Close

    «Quando se caminha para a frente ou para trás, ao longo dos dicionários, vai-se desembocar na palavra Terror», escrevia, então, Herberto Helder. Nesse tempo de silêncios são poucos os artistas que se erguem contra esta mansidão angustiada. (...) Fora de jogo, dispostos a arriscar e com vontade de abrir novos caminhos, meia dúzia de vozes isoladas fazem-se ouvir em lugares diferentes e de modos diversos: a poesia de Manuel Alegre e Fernando Assis Pacheco, a partir de Argel e Nambuangongo; as vozes claras de Adriano Correia de Oliveira e Manuel Freire, em Coimbra; José Mário Branco e Luís Cília, no exílio de Paris. E José Afonso, professor de liceu, cantor nas horas vagas e activista por conta própria.

    Introdução à reedição em CD de Baladas e Canções, de José Afonso | 1997

    Ler Mais
  • Em tempo de Natal Open or Close
    Em tempo de Natal, as leis e os tribunais ficam um pouco como os pombos: aceitam aquilo que lhes dão e procuram não ser muito severos com a aplicação da justiça. Além disso, como toda a gente sabe, é preciso ser-se complacente de vez em quando ...
    O Diário | 26.Dez.1980
    Ler Mais
  • Era uma vez uma Nina Open or Close

    Era uma vez uma menina nascida num país que já não existe. A história de Nina Govedarica poderia começar assim, mas a sua biografia está bem longe de ser um conto de fadas. Os olhos dela já viram mais do que à generalidade dos humanos costuma ser concedido, e nem tudo o que viu foram coisas belas.
    Nascida em Zagreb no início dos anos 70 do século passado, Nina Govedarica licenciou-se em Engenharia, mas seria na pintura que encontraria o caminho e a razão de ser da sua vida.

    Do catálogo de Contos sobre a floresta, ..., de Nina Govedarica | 2011

    Ler Mais
  • A partilha da água Open or Close

    «Para mim é sempre bom ter uma oportunidade de estar junto das pessoas, de passar com elas bons momentos. Quanto mais vezes estivermos juntos, mais poderemos falar uns com os outros, mais poderemos aprender. Uns com os outros e uns sobre os outros.»
    No terraço de um hotel de Lisboa, Richie Havens fala-me assim da sua segunda visita a Portugal, desta vez para participar no espectáculo de encerramento do Festival «Dêem Uma Oportunidade à Paz». Aos 42 anos, quinze decorridos após Woodstock, Richie continua a parecer-se com os velhos hippies da geração de 60, embora sem deixar transparecer qualquer ponta de saudosismo em relação ao que foi feito pelos homens e mulheres do seu tempo.

    Se7e | 3.Ago.1983

    Ler Mais