Sabor de Mar

vina94logo.jpg

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de António Leal


À procura pelo mundo inteiro
Entre o mar a dor e o nevoeiro
Encontrei-te num momento
Que não cabia em nós
Inventámos melodias
Navegámos noite e dia
Descobrimos outra forma de estar sós

Para sul da terra prometida
Aprendemos artes proibidas
Recriámos as estrelas
De outra noite qualquer
No teu corpo marinheiro
Esse barco feiticeiro
Descobri outro sentido p'ra viver

E quem souber sonhar
Quem quiser cantar
Pode descobrir o luar
Cada maré sem vento
Em cada momento
Do teu olhar

Seja o que tem de ser
Sem nada a perder
Faz de conta que vou ganhar
Vale o que se tentou
Tudo o que se amou
O sabor do mar

Não importa o porto de chegada
Qual de nós é cais ou madrugada
Que certezas nos esperam
Nesta forma de ser
Entraremos na cidade
Eu e tu e a liberdade
Inventando o rumo que nos dá prazer

E quem souber sonhar
Quem quiser cantar
etc.

 
Canção participante no XXXV Festival Internacional da Canção de Viña del Mar (Chile) realizado em Fevereiro de 1994 e transmitido pela rede pan-americana de televisão Megavisión para uma audiência calculada de 300 a 500 milhões de pessoas em três continentes (Américas, Europa e Ásia). Não teve edição comercial.

{youtube}bv1g7UE4pM8{/youtube}

Apresentação ao vivo no Festival de Viña del Mar 1994 | Emissão Galavisión (mono)
Arranjos, orquestração e direcção de orquestra de Eduardo Paes Mamede
 

Sabor de Mar
Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de António Leal
Maquete áudio original | Arranjos e produção de Eduardo Paes Mamede | © 1994
 

Mais sugestões de leitura

  • O Parque da ilusão Open or Close

    Ainda não há muitos anos, qualquer forasteiro de passagem por Lisboa não conseguia divertir-se a sério sem passar pelo Parque Mayer. Durante décadas, este lugar vizinho da central Avenida da Liberdade foi a alma da boémia lisboeta. Actores e fadistas, coristas e intelectuais, jornalistas e vadios misturavam-se em doses desiguais nos teatros, bares e cabarets que davam cor àquele espaço.

    Mini International | Março 2007

    Ler Mais
  • Alberto Pimenta Open or Close

    Nasceu no Porto, viveu na Alemanha e está em Lisboa. Em 1977 deu-se em exposição numa jaula da aldeia dos macacos no Jardim Zoológico de Lisboa. Catorze anos depois colocou-se à venda, no Chiado, por conta de uma «divisão de recursos humanos do Estado». E catorze dias mais tarde fez um auto-de-fé de O Silêncio dos Poetas na Feira do Livro de Lisboa. De todos os seus livros, esse é aquele que os intelectuais dominantes mais levam a sério, e fazem mal. Deveriam ler também Labirintodonte, Os Entes e os Contraentes, Ascensão de Dez Gostos à Boca, Discurso Sobre o Filho-da-Puta, Terno Feminino, A Visita do Papa, Deusas Ex-Machina. E os outros, todos, que publica com a regularidade possível desde 1970.

    Ler Mais
  • A vida por um traço Open or Close

    Boémio incurável, amante fiel mas inconstante, apreciador de bons vinhos e petisqueiro afamado, Fernando Relvas reparte o seu tempo de forma desigual entre uma casa em Almoçageme, bares diversos da capital e o Raven, «um corvo atracado no Tejo» ...

    Expresso | 1997

    Ler Mais
  • Perompomperos e outros olés Open or Close

    Há um ano, uma centena de auto-intitulados «patriotas anti-espanhóis» manifestaram-se, no dia 1 de Dezembro, contra o iberismo, Miguel de Vasconcelos e a Volta a Espanha em Bicileta. «Antes morto que espanhol», apregoavam então os manifestantes, entre os quais se encontravam alguns africanos, presume-se que de língua oficial portuguesa.

    RCS | 2.Dez.1998

    Ler Mais