Outro Fado

b_500_400_16777215_00_images_actual_tardio1_500.jpg

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Música de Ricardo Fino | Letra de Viriato Teles | Vozes de Ana Laíns e Ricardo Fino


Dizem que é nosso fado
Crescer devagarinho
Ficar calado
Não canto nesse tom
Que eu sei de um outro som
Parece mas não é desafinado

Havia de ter um dia
Uma festa anunciada
Uma alegria
Quem dera o que senti
Quem dera o que esqueci
Nos dias em que acordei deslumbrado

Quero outra vez
É de vez
Esse teu gosto
Quero as rosas de Maio
No mês de Agosto
Ai quem dera ter-te à espera
Tanto mais do que eu soubera
E um fado novo fizesse
Quem me dera

Seja outro canto
Um encanto
Seja feitiço
Que eu vivo bem
É no meio do rebuliço
Devagar não se vai longe
E eu nasci não p’ra ser monge
Tanta espera desespera

E é por isso que este fado
Vai cantar para outro lado
Está na hora de acordar
A primavera

Dizem que este meu fado
Passou de tempo e agora
Já está estafado
Só canto p’ra lembrar
Não tem como enganar:
Em frente
Vai-se dar a outro lado

Havia de já ser dia
De festa prometida
E era magia
Eu canto o dó maior
Da vida em tom menor
Feita de tanto sonho acordado

Quero outra vez
É de vez
etc.

 
 
Outro Fado
Música de Ricardo Fino | Letra de Viriato Teles | Vozes de Ana Laíns e Ricardo Fino
Participações de Alfredo Teixeira (rebeca e guitarra portuguesa), Jorge Loura (guitarras), Miguel Calhaz (contrabaixo), Pedro Martins (violino), Quiné (bateria, shaker, caixa portuguesa, bombo) | Gravado, editado e misturado por Quiné Teles no Estúdio do Sótão | Misturas adicionais e masterização por Toni Lourenço no Loudstudio
Arranjos, direcção musical e produção de Quiné Teles

CD "Tardio" | Ricardo Fino | © 2014
 

Mais sugestões de leitura

  • O primeiro dia Open or Close

    A manifestação que no último fim-de-semana terá juntado para cima de um milhão de portugueses, metade deles em Lisboa, num gigantesco protesto espontâneo e generalizado contra as comprovadamente ineficazes medidas de austeridade do governo (e) da Troika, devolve-nos uma parte da esperança. A partir de agora deixa de haver álibis para a cegueira do governo que, a coberto da tradicional ilusão dos «brandos costumes» lusitanos, o conduz ao maior servilismo perante todas as imposições do FMI, do BCE e da Comissão Europeia – a ponto de insistirem em «ir para além» daquilo que é prescrito por estes mandatários da agiotagem internacional, mesmo que já toda a gente tenha percebido que, para além disto, só há o abismo.

    Jornal do Fundão | 20.Set.2012

    Ler Mais
  • Crise? Qual crise? Open or Close

    Para além do disco de 1975 dos Supertramp, a interrogação que dá título a esta crónica remete-nos também para o episódio que constituiu a gota de água para a demissão, há 30 anos, do primeiro-ministro britânico James Callaghan. A Grã-Bretanha vivia então o seu “inverno do descontentamento” e a frase, utilizada em título de primeira página pelo The Sun e atribuída a Callaghan, provocou a ira de milhares de ingleses que sentiam na pele os efeitos da crise económica que se arrastava desde os primeiros anos da década de 70. Dois meses depois, o governo de Big Jim sucumbia a uma moção de censura no parlamento, e os trabalhistas teriam de esperar quase duas décadas para regressarem ao poder.

    Zoot | Verão 2009

    Ler Mais
  • Francisco Louçã Open or Close

    Os amigos gabam-lhe a afabilidade, o sentido de humor, a clareza do discurso, a boa educação. Os adversários vêem nele um político frio e calculista. Mas todos lhe reconhecem a inteligência superior, a competência política, a combatividade. É o único dirigente político a quem os correlegionários tratam pelo diminutivo: o Chico, o camarada que dirige sem precisar de ser secretário-geral ou presidente. Um entre iguais, porém diferente de todos os outros. (...) Há 30 anos, acreditava que o mundo podia mudar num instante. Hoje, sabe que o mundo muda a cada instante. E tenta fazer a sua parte.

    Ler Mais
  • A grande telha de Kowlasky Open or Close

    É suposto este ser um texto sério, dado que de seriedade (humana e artística) se trata quando falamos desta dupla imparável. De um lado, Avelino do Carmo, lisboeta de Alcântara desde 1952, pintor de sombras intimistas; do outro lado, Mário Alberto, alentejano nascido no Verão de 1925 na cidade de Lubango, quando Angola ainda era a soit disant colónia portuga e que aprendeu há muito a arte de pegar nas cores e transformá-las como um alquimista.

    Apresentação de Díptico Kowalsky, de Avelino Carmo e Mário Alberto | 2000

    Ler Mais