Terra à Vista

b_500_400_16777215_00_images_geral_tvisgre500.jpg

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de Paula Fonseca


Fui rainha, fui tirana
Feiticeira e aprendiz
Já fui santa, sou profana
Ai meu bem
Eu também quero descobrir
Uma estrela da manhã
O cheiro a cravo e a hortelã
Que caminho hei-de seguir

Passei tempos sem ter conta
Entre paixões e enganos
Namorei
Fiz-me de tonta
Sobraram perdas e danos
Fugi deles rumo à morte
Cavalguei os oceanos
Terra à vista!
Terra à vista!
Já se avista outro lugar

Foram tantas as certezas
São tão poucas as saudades
Na maré das incertezas
Palmilhei a liberdade
Fugi deles rumo à sorte
Descobri outras cidades
Terra à vista!
Terra à vista!
Já se avista outro lugar

Já vivi tanta aventura
Naufraguei e renasci
Provei a cor da ternura
Ai meu bem
Eu também quero descobrir
As voltas que o mundo dá
Mesmo que ande ao deus-dará
Que caminho hei-de seguir

Passei tempos sem ter conta
Entre paixões e enganos
etc.

 
1º prémio no II Festival da Canção dos Países da CEE realizado em Setembro de 1992 em Salónica (Grécia).
Teve edição comercial no disco oficial do festival, (mal) gravado ao vivo e editado na Grécia pela WEA.

{youtube}m_g-WLZxczo{/youtube}

Apresentação na RTP (mono) | Programa Sons ao Sol, de Júlio Isidro 1992
Paula Fonseca com Ani Fonseca, João Luís Lobo, Laura Ferreira e Messias Botelho
 

Terra à Vista
Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Interpretação de Paula Fonseca
Participações de Ani Fonseca e Laura Ferreira (coros), João Luís Lobo (bateria) e Messias Botelho (percussões).
Maquete áudio original | Arranjos e produção de Eduardo Paes Mamede © 1992
 

Mais sugestões de leitura

  • Sal e Pimenta Open or Close

    O homem que ainda não desistiu de encontrar «um triângulo de quatro lados» chegou exactamente ao meio-dia, conforme combinado. Alberto Pimenta é dono de uma pontualidade afrodisíaca, o que é apenas um dos seus muitos pontos de confronto aberto com a sociedade portuguesa. Nascido no Porto em 1937, viveu na Alemanha durante dezassete anos e só continua português porque, pelo meio, houve o 25 de Abril. Garrett, Bocage, Eça, Pessoa, Mário de Sá Carneiro são algumas das suas referências culturais. Fazem parte da lista dos seus prazeres pessoais, assim como o Cavaleiro de Oliveira, António Sérgio, Camões, Aquilino, António José da Silva, Cesário Verde. Pelo estilo e pelos temas, considera que a literatura portuguesa contemporânea é um deserto, com alguns oásis: Herberto Helder, Mário Cesariny, Eugénio de Andrade, Vergílio Ferreira, Luiz Pacheco, José-Emílio Nelson e poucos mais. De Saramago acha que «tem coisas muito boas, mas abusa dos truques de estilo».

    Epicur | Junho 2006

    Ler Mais
  • Silêncios sem preço Open or Close

    Agora, António Ferra propõe-nos estes Silêncios Comprados. São três histórias de subúrbios e de gente igual a toda a gente. Neste livro há personagens que vivem «entalada[s] entre marquises de alumínio» em bairros onde os passeios «estão cheios de carros mal intencionados», há imigrantes ucranianos e brasileiros e sãotomenses, uma mulher mal-casada com um tecnocrata (o que até é capaz de ser um bocado pleonástico...), um cão à chuva, gente à procura dos significados do amor nas escadas intermináveis de um prédio de Lisboa. São gente sem rosto, mas com nome, afinal gente igual a toda a gente, com as mesmas angústias, os mesmos medos, as mesmas dúvidas.

    Apresentação de Silêncios Comprados, de António Ferra | 2007

    Ler Mais
  • Um homem de carácter Open or Close
    José Vilhena, o mais importante humorista português contemporâneo, fez recentemente 85 anos. Mas, com excepção da meia dúzia de amigos e admiradores que estiveram presentes numa pequena homenagem organizada em Lisboa pelo Museu da República e Resistência, quase ninguém se deu conta da efeméride.
    Jornal do Fundão | 19.Jul.2012
    Ler Mais
  • Maria Teresa Horta Open or Close

    Uma mulher que gosta de ser mulher e por isso não se conforma com aquilo que dizem ser o destino das mulheres. E por isso luta, e por isso escreve, e por isso grita. Eis Maria Teresa Horta, mulher e escritora que a partir dos anos 60 se afirmou como uma voz central da poesia portuguesa, pela coragem de romper com estereótipos e tabus que pareciam inquestionáveis.
    O corpo, o prazer, o sexo, eram então coisas sobre as quais uma senhora não deveria falar, muito menos em público. E por isso quando, em 1972, se junta a Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa para a publicação das Novas Cartas Portuguesas, o escândalo foi tremendo: o livro foi apreendido e as autoras levadas a julgamento.

    Ler Mais