Coisas que me chateiam

coisask350x250.jpg

Chateiam-me os ricos que não se cansam de roubar e os pobres que já desistiram de lutar.

Chateiam-me os jornalistas-pé-de-microfone e os assessores-pó-de-microfilme.

Chateia-me a merda dos cães-de-caca que invadiu as ruas de Lisboa.

Chateia-me a videovigilância, a audiovigilância e a vigilância em geral, mesmo à vista desarmada.

Chateia-me ter nascido no país que tem a mais antiga identidade cultural da Europa, para nada.

Chateiam-me os toscos do pensamento, mas ainda me chateiam mais os que produzem os pensamentos toscos que nos tosquiam.

Chateiam-me os desgovernantes que acham que a melhor solução para tapar um buraco é continuar a cavar.

Chateia-me viver entre gente que opta por substituir uma merda por outra de pior calibre só para poder dizer que isto é tudo a mesma merda.

Chateia-me a azia das noites eleitorais.

Chateiam-me as artimanhas dos fângios-de-aviário ao volante pelos caminhos de Portugal e dos algarves.

Chateia-me o buraco das Estradas de Portugal, mas muito mais me chateiam as estradas de Portugal com buracos.

Chateiam-me as noites vazias dos portugueses vazios.

Chateia-me que os bancos paguem menos impostos do que eu.

Chateiam-me as mulheres lindas com cabeça-de-periquito.

Chateiam-me os discursos do presidente-da-travessa-do-possolo. E dão-me sono.

Chateia-me o regresso da lei-barreto.

Chateiam-me as merdalhas do 10 de Junho.

Chateia-me que já tão pouca gente se chateie com estas coisas.

 

Há mais, mas para hoje já me chateei o suficiente.

Mais sugestões de leitura

  • Uma espécie de poema, por ser hoje Open or Close

    Lembrança e afecto(a)ção de João do Rio Bizarro Teles, cidadão meu pai

    O dia em que nasci meu pai cantava
    versos que inventam os pastores do monte
    Fernando Assis Pacheco

    Do meu pai herdei uma tendência
    para os calos e as hérnias. O jeito
    para a inquietude, a miopia, memórias suaves,
    sinais nas costas, um nome capaz. Como todas
    as histórias, também esta poderia ser melhor (...)

    Ler Mais
  • Um golpe de mestre Open or Close

    Não há melhor meio de desvalorizar uma mensagem do que descredibilizar o mensageiro. E é isso, em primeiro lugar, que sobressai do triste folhetim natalício desenvolvido a partir do alegado currículo inventado do não menos alegado professor Artur Baptista da Silva.

    Jornal do Fundão | 10.Jan.2013

    Ler Mais
  • 25 anos com Zeca Open or Close

    Nestes dias em que tanto se fala de José Afonso e do seu génio, gosto sobretudo de recordar que, para além da música, o Zeca era acima de tudo um homem. Um homem empenhado nas grandes lutas do seu tempo, com certeza, que procurou viver de modo integral – o que só se alcança quando se assume viver com as fragilidades, as virtudes, os defeitos, as grandezas e as contradições comuns a todos os homens.

    Ler Mais
  • Falando assédio Open or Close

    Quando não têm uma guerrazinha com que se entreter, os americanos são capazes de tudo. Até de transformar em notícia as possíveis aventuras extraconjugais de Bill Clinton. Tudo começou com uma vulgar acusação de assédio sexual - essa brilhante invenção norte-americana deste fim de milénio. Pessoalmente, devo dizer não tenho nada contra o assédio sexual - seja no local de trabalho, na rua ou mesmo em casa. Acredito até que, sem assédio, a humanidade acabaria por se extinguir, por manifesta falta de assunto.

    TSF | 28.Jan.1998

    Ler Mais