A solução para a crise

© Sandra Bernardo

Para começo de ano mau, isto está bom. Em poucas semanas, o desgoverno dos comissários da troica conseguiu provar aos mais descrentes que não há mesmo limites para a criatividade. Se lhes desse para o bem, Portugal seria fantástico.

Começou por dar um precioso e inovador contributo para o novo aborto ortográfico*: a passagem de parte substancial da EDP das mãos do estado português para as do estado chinês concede uma nova abrangência ao conceito de privatização. E explica, finalmente, o que vai nos bolbos raquidianos do senhor que manda no dos passos, do propriamente dito e do secretário de estado anónimo que nos querem ver daqui para fora: a ideia deve ser fazermos como os chineses, mas ao contrário, isto é, vamos nós para a terra deles abrir lojas.

Mas que poderemos nós vender aos chineses que eles não tenham já inventado? A resposta deu-a ontem, com a sagacidade que o caracteriza, o álvaro ministro: pastéis de nata. Pastéis de nata, nem mais, que poderão, nestes tempos conturbados, desempenhar o papel que noutras eras coube aos gamas e aos cabrais. (NR: juro que é verdade: onde atrás escrevi eras, uma perturbadora gralha fez aparecer a palavra elas; será contágio chino por antecipação?)

A álvara ideia agrada-me tanto que me atrevo a sugerir também a internacionalização urgente do galo de Barcelos, da água de Fátima e dos bustos do dr. Sousa Martins. E, se houver por aí um potencial sócio disposto a arriscar, sou homem para me meter num franshising de caralhos das Caldas. A estratégia de marketing fica por minha conta, e dormirei com a certeza de estar a contribuir aceleradamente para eliminar a crise.

*Novo aborto ortográfico é uma expressão usada por empréstimo do José Xaviel Ezequiel.

13.1.2012

Mais sugestões de leitura

  • Factura exposta Open or Close

    Quisera que tudo fosse sempre deste modo
    e a revolução se fizesse
    um pouco mais que um sonho
    a despertar nos teus olhos livres.

    Ler Mais
  • Fantasias de filho de pide Open or Close

    O juiz espanhol Crespo Márquez, que em 1965 acompanhou as investigações, em Badajoz, do assassínio de Humberto Delgado, considera «pura fantasia» a tese apresentada no programa «Repórteres», da RTP, pelo filho do sub-inspector da PIDE, Casimiro Monteiro, autor material do homicídio. Segundo o filho do pide, Monteiro teria disparado contra o general «em legítima defesa», um argumento que o processo conduzido pelo Tribunal Militar português, desmontou há mais de dez anos. Crespo Márquez manifestou junto dos familiares de Delgado a sua «estranheza» pela forma «absurda» como, em edição posterior do mesmo programa, foram utilizadas as suas declarações, produzidas há dois anos [1990] para a tele-reportagem «Crime sem Castigo», com o intuito de «corroborar as teses do filho do assassino».

    O Jornal | 16.Out.1992

    Ler Mais
  • O sonhador de amigos Open or Close

    Um homem está debruçado sobre a cidade, sereno e tranquilo e atento a todas as imagens e às outras que não estão lá, e nos seus olhos há um sonho que se constrói com mãos e com alma, como é próprio das coisas belas. É um alguém urgente, de cabeça solta no delírio dos pássaros que estrebucham no rasto de loucos espalhado pela cidade à sua frente. Ali em volta rodopiam mulheres quase invisíveis de cabelos luminosos como nos poemas banais, e ouve-se um som ligeiro, definido apenas quanto baste para ilustrar as lembranças duradouras dos mundos todos que o homem traz dentro da cabeça.

    Movimentos Perpétuos
    Oficina do Livro 2003

    Ler Mais
  • Memórias de Santa Engrácia Open or Close
    De todos os templos portugueses nenhum demorou tanto tempo a construir como o de Santa Engrácia – hoje Panteão Nacional – no coração da Lisboa antiga, que Ramalho Ortigão considerou «o mais belo dos nossos monumentos do século XVII». A sua história está intimamente ligada às crenças populares nascidas após o célebre «desacato de Santa Engrácia», em 1630, e constituiu o fulcro das atenções do «passeio de domingo» que o Centro Nacional de Cultura ontem realizou.
    O Diário | 25.Mai.1981
    Ler Mais