Chávez: alguns factos

b_500_400_16777215_00_images_actual_hugchav3.jpg

“Fez algumas coisas boas, mas destruiu a economia”. É este o tom de alguns comentários que podem ler-se um pouco por toda a parte a propósito do falecimento de Hugo Chávez. Como não gosto de falar de cór e guardo comigo algumas manias de velho repórter relativamente ao rigor informativo, sirvo-me da edição online do Expresso de hoje apenas para dar conta de alguns dados concretos sobre os 15 anos de “chavismo”. Vejamos:

O PIB per capita aumentou de 5.095 para 13.405 euros.
A dívida pública era de 56,4%, agora é 29%.
As exportações de petróleo subiram de 14 para 60 mil milhões de euros.
A taxa de desemprego caiu de 14,5 para 8,6 por cento.
A mortalidade infantil decresceu de 20 para 13 por mil nados vivos.
O índice de pobreza passou de 23,4 para 8,5 por cento e a taxa de analfabetismo desceu de 20 para 4 por cento.

Mesmo a ser verdade que a inflacção tenha passado de 23,6 para 31,6% e a criminalidade tenha aumentado (segundo esta fonte, os homicídios passaram de 25 para 45 por 100 mil habitantes), só o mais obtuso e preconceituoso sectarismo pode negar que a vida dos venezuelanos é, hoje, globalmente bastante melhor do que era antes de Chávez. De outro modo teria sido difícil alcançar o crescimento populacional verificado nestes 15 anos (de 23.870.000 para 29.287.000 habitantes) a que os progressos sociais que o novo sistema de saúde permitiu não são com certeza alheios.

(fonte dos dados: Expresso, Venezuela Antes e Depois de Chávez)
[Nota: a ligação acima para a página do Expresso foi desactivada alguns meses após esta publicação, sem explicações]

Mais sugestões de leitura

  • Mais do que talento Open or Close

    Poucos saberão que, em meados da década de 80 do século passado, Paco de Lucia manifestou a alguns amigos o desejo de gravar um disco com Carlos Paredes. (...) A ideia de Paco, admirador de Paredes, foi acolhida com entusiasmo pela editora, mas esbarrou na recusa definitiva do músico português: «Tocar com Paco de Lucia? Nem pensar. Ele esmagava-me, oh amigo!»

    Diário de Notícias | 27.Fev.2014

    Ler Mais
  • A quinta dimensão Open or Close

    Era o mês de Outubro, em Lisboa e no resto do mundo. Nessa manhã de pouco sol, Aristides acordou com vaga sensação de que a Terra inteira estava a enlouquecer à sua volta.

    Se7e | 1988

    Ler Mais
  • A coisa Open or Close

    Já aqui o disse, e não estou só nesta convicção: a criatura é o que o regime democrático gerou de mais semelhante, em forma e conteúdo, à sinistriste figura de Américo Tomás. Na debilidade intelectual, na vacuidade do discurso, no bolor das palavras, mas também na hipocrisia, no rancor, na perversidade.

    Ler Mais
  • Na morte de Luís Pignatelli Open or Close

    «O Luís Pignatelli faz aqui muita falta», lamentava-se, uma destas tardes, o Armando Baptista-Bastos ao balcão do Expresso, um dos últimos lugares de convívio do largo a que deram o nome de Trindade Coelho, mas que há-de ser sempre da Misericórdia, por maioria de razão popular. Naquele espaço por onde os afectos ainda vão circulando, disfarçados de imperiais e cariocas de limão, a falta que o Luís faz é particularmente sentida. E o lamento do Bastos nem sequer precisa de ter resposta, todos sabem que é verdade. Sente-se nas conversas, quer sejam contra o Cavaco ou em glória de um soberbo frontispício feminino que vai passando pelo largo onde os pombos promoveram uma ocupação selvagem.

    Revista MPP | Julho 1994

    Ler Mais