Portugal dos pequeninos

b_500_400_16777215_00_images_actual_oscarlopes_0.jpg

No dia em que morreu Óscar Lopes, a preocupação maior de parte significativa dos portugueses foi o fait-divers da contratação de José Sócrates como comentador político da RTP. Na «mensagem de pesar» enviada à família do filólogo e mestre maior da língua pátria, o dr. Cavaco Silva refere-se-lhe como «historiador», relegando para segundo plano a sua obra maior como linguista, professor e crítico literário. Compreende-se: Óscar Lopes foi autor, com António José Saraiva, da mais importante História da Literatura Portuguesa. Cavaco, com o seu saber wikipédico de leitor de badanas, limitou-se a somar dois mais dois.

O país real, tão inculto como quem o dirige, não deu por nada, é claro. A populaça mais simples, tal como boa parte da restante, anda demasiadamente ocupada a exorcizar os fantasmas dos natais passados e entretém-se a subscrever «petições» e a organizar autos-de-fé contra a presença do ex-primeiro ministro na pantalha da televisão pública.

Enquanto isso, Passos, Relvas e Gaspar prosseguem alegremente na senda da destruição metódica dos direitos conquistados nas últimas quatro décadas. É mais fácil culpar o passado do que lutar pela transformação do presente. Mesmo que, para isso, se contrariem os princípios básicos da convivência democrática e se atropelem os direitos elementares dos cidadãos – todos os cidadãos, mesmo aqueles de que não gostamos – como é o caso do direito à livre expressão. Porque, ironicamente, é disso mesmo que se trata. E Sócrates fará decerto menos mal ao país como comentador da actualidade política do que como seu protagonista. Mas isso, pelos vistos, importa pouco.

A mobilização popular contra a presença do antigo primeiro-ministro na televisão só encontra paralelo no sururu gerado, semanas atrás, em defesa do cão Zico. Entretanto, uma petição contra a privatização da água não conseguiu, em vários meses, mais do que 25 mil assinaturas. E uma outra, exigindo a demissão do governo de Passos, não chegou sequer às 1500 subscrições. Se isto não é um sinal evidente de enfermidade democrática, não sei o que será.

23.Mar.2013

Mais sugestões de leitura

  • Versos na margem da folha Open or Close

    Quem abra o livro e leia o prefácio afectuoso de Fernando Alves, não está preparado para um murro no estômago. Que não é um murro anónimo, tem título: Três Olhares sobre Manágua, um elogio à loucura nas noites claras de outro continente. (...) Mas neste livro de quase um cento de páginas, Viriato Teles visita a noite de muitas cidades, reencontra amigos enquanto desencontra revoluções e outros sonhos transgressores.

    Ler Mais
  • Crime e castigo Open or Close

    A notícia da detenção, em Londres, do antigo ditador chileno Augusto Pinochet tornou-se no principal acontecimento deste fim-de-semana – e por pouco não conseguiu secundarizar o discurso de duas horas e meia de Fidel Castro no comício de solidariedade com Cuba, em Matosinhos.

    RCS | 19.Out.1998

    Ler Mais
  • Cantando e Rindo - O humor na MPP Open or Close

    Está comprovado cientificamente que o sentido de humor tem numerosos benefícios para a saúde física e mental dos humanos: «Quando rimos, há uma reacção química no nosso cérebro que proporciona uma sensação de bem-estar, clareza de ideias e uma atenuação da dor», explicam os médicos. O humor também reduz o stress e provou-se que dez minutos de gargalhadas têm sobre o nosso corpo o efeito de cem voltas numa máquina de exercícios de ginásio. Os cientistas afirmam ainda que algumas células do sistema imunitário são activadas com o riso, que também ajuda à sua reprodução mais rápida.

    Cantando e Rindo - O Humor na MPP
    CMA 2002

    Ler Mais
  • Contas sem ajuste Open or Close

    Contas à vida sem ajuste. Mais cansaço do que desalento. Mais sonho adiado do que utopias erradas. Mais que documentos são testemunhos estas vinte entrevistas: uns, mais intimistas; outros, mais interventivos. Encontramos neste livro um universo multifacetado, mas que tem uma matriz política, ética, estética e cultural, o 25 da nossa memória, como que pequenos afluentes que vão desaguar no grande rio.

    Ler Mais