As palavras e os números

evchoc1_400.jpg

A celebração do cinquentenário da Declaração Universal dos Direitos Humanos foi, como era de esperar, motivo para as mais diversas intervenções de figuras mais ou menos públicas.

O Prémio Nobel José Saramago não deixou passar a oportunidade e, como era de esperar de um humanista atento, aproveitou o discurso perante a Academia Sueca para lembrar que quase metade da riqueza do mundo está nas mãos de 225 impérios financeiros, enquanto mais de metade da população do planeta vive com carências elementares.

Esta verdade tão simples, mas tão incómoda, não agradou a Vasco Pulido Valente que, na sua coluna dominical do Diário de Notícias, desatou a questionar Saramago sobre os números. Porquê 225 e não 226?, interrogava-se Pulido Valente. E por que diz o Nobel que esses 225 detém 47 por cento da riqueza? Quem foi que lhe disse?, questiona a Valente criatura.

Não deixa de ser curioso que o Prémio Nobel da Literatura seja questionado não pelas palavras que diz e escreve, mas pelos números que apresenta.

É verdade que os números incomodam. Sobretudo estes números, a que Saramago poderia ter juntado outros, igualmente reais e terríveis.

Poderia ter dito, por exemplo, que todos os anos, morrem de fome e de carência de cuidados médicos mais de 50 milhões de pessoas, na sua maioria crianças. Ou que mais de mil milhões comem apenas o indispensável para não morrer de fome, porque mais de metade da população do planeta vive com menos de 2 dólares por dia.

Saramago poderia ter acrescentado que dezenas de milhões de crianças e jovens vivem, comem e dormem nas ruas, 300 milhões de crianças nunca terão da infância outra recordação que não seja o não seja o trabalho precoce. E que mais de 1200 milhões de homens e mulheres estão desempregados.

Saramago poderia ter dito tudo isto e falaria tão claramente verdade como quando referiu os 225 detentores de 47 por cento da riqueza do mundo.

O espanto de Pulido Valente é, obviamente, o espanto de quem tem do mundo a ideia fluorescente de Beverly Hills e de Wall Street. “Onde é que Saramago leu isto?”, interroga, embasbacado, o ex-deputado. O mesmo que, ainda há bem pouco tempo, confessava perante o parlamento não fazer a mínima ideia de quanto é o salário mínimo nacional.

RCS | 16.Dez.1998

Mais sugestões de leitura

  • O fumo e o fogo Open or Close

    Acabo de ler esta história, e apetece-me acender um cigarro. Não é politicamente correcto dizê-lo, e menos ainda fazê-lo: o higienismo e a lei, ou vice-versa, dizem que fumar mata. Claro que a vida também mata, e em meio século de existência ainda não conheci ninguém que lhe conseguisse sobreviver. Mas isso não é preocupação dos legisladores, empenhados que estão em conseguir que morramos todos cheios de saúde.
    Pouco importa. Este aparente desacerto da prosa vem a propósito de mais uma ficção que Nuno Gomes dos Santos agora dá a conhecer em forma de livro.

    Prefácio a Reserva de Fumo, de Nuno Gomes dos Santos | 2009

    Ler Mais
  • Um empresário de sucessos Open or Close

    «A minha profissão não existe», diz o road manager do grupo português de maior sucesso no estrangeiro, o Madredeus. Pioneiro da produção profissional de espectáculos no nosso país, Fernando Marrucho, de 38 anos, tem ideias muito claras sobre o que caracteriza este sector de actividade. Que, embora próspero, continua a não ter enquadramento legal satisfatório.

    Status (Semanário Económico) | Nov/Dez.2001

    Ler Mais
  • O tempo, à esquina Open or Close

    O que vão ler é obra de um poeta que tem um percurso singular: nascido e criado em Lisboa passou pelas mais importantes tertúlias artísticas dos anos 60 e 70, escreveu canções, pintou quadros, viveu e deu corpo a muitas lutas ao longo das últimas décadas. Ainda assim, leva mais de trinta anos que não se faz publicar em livro, sem que para tal haja explicação coerente. Aconteceu, é a vida. E a vida de João Videira Santos já leva muito que contar: da poesia, claro está, mas também dos encontros, dos empenhamentos, das viagens.

    Prefácio a Esquinas do Tempo, de João Videira Santos | 2005

    Ler Mais
  • Um disco, um estúdio, uma história Open or Close
    A imagem é um retrato quase banal: um homem e uma caixa de viola numa estação de comboios, um relógio onde ainda não são duas horas, um cartaz na parede com o mesmo homem e a mesma viola, gente normal em volta. O homem da viola é Sérgio Godinho, a estação, lê-se no painel de azulejo sobre a porta, é Campolide. Há 35 anos, o homem, a viola e a estação tornaram-se num disco com dez canções sem tempo.
    Notícias de Campolide | Set.2014
    Ler Mais