In-seguranças

As discussões em volta da cada vez mais premente questão da segurança – ou da falta dela – deram origem, na última semana, a mais um episódio da cada vez mais divertida guerra de comadres entre o PS e o PSD.

Desta vez foi em Oeiras, com os moradores de um bairro de classe média a ameaçarem criar milícias populares se continuar a verificar-se o surto de assaltos que têm ocorrido nos últimos tempos.

O presidente da Câmara de Oeiras, Isaltino de Morais, aproveitou a deixa para exigir um maior policiamento do seu concelho, acusando o Governo e a polícia de não saberem lidar com estes problemas.

E porque não se sente não é filho de boa gente, o ministro Jorge Coelho veio imediatamente a terreiro afirmar que iria enviar de imediato mais polícias para Oeiras. Concretamente, mais nove elementos do Corpo de Intervenção, enviados na última segunda-feira para Oeiras, para patrulhar a zona do Bairro de Pombal e do Bairro Augusto de Castro.

O PS, obviamente, aplaudiu e contra-atacou, fazendo publicitar um comunicado em que acusava os social-democratas de estarem a "criar um facto político" – o que se compreende, se pensarmos que o PSD é liderado pelo maior criador de factos políticos de que há memória entre nós.

Não deixa de ser curioso este empenho zeloso da generalidade dos partidos políticos,  defensores da ideia de que a insegurança se resolve colocando mais polícias na rua. Não resolve, como se sabe.

Na prática, esta política de combate às consequências sem tomar em consideração as causas, acaba por resultar como um sucedâneo das medidas dos sucessivos  governos na chamada luta contra a droga – que é, aliás, a razão de ser de 90 por cento da marginalidade a que assistimos.

Acentua-se a repressão, mas o problema continua exactamente como dantes. Prendem-se uns quantos traficantes menores, esbofeteiam-se uns drogadinhos, apreendem-se meia dúzia de quilos de haxixe e faz-se de conta que estamos no melhor dos mundos.

Mas ninguém chega aos grandes dealers, os agarrados continuam a roubar por vício e desespero, e as verdadeiras drogas, como a heroína ou a cocaína, continuam a circular por aí, à vista dos polícias e das pessoas.

Enquanto isso, aos políticos continua a faltar a coragem necessária para enfrentar o problema de frente. Porque, para o fazer, iriam correr riscos que nenhum político gosta de correr, sobretudo em ano de eleições.
Afinal, é muito mais cómodo pegar em meia dúzia de polícias e enviá-los para onde a má consciência manda.

RCS | 19.Jan.1999

Mais sugestões de leitura

  • A formiga que canta Open or Close

    Lisboa, 25 de Março de 1982. Faltam dez minutos para as onze da manhã e Léo Ferré espera-me no átrio do hotel onde combinámos encontrar-nos. Uma vez perguntaram-lhe: «Então tu dizes que és anarquista, mas cumpres horários e páras nos sinais vermelhos?» E ele: «Precisamente porque sou anarquista.» Apenas outra forma de dizer o que já tinha escrito: «Le désordre c’est l’ordre moins le pouvoir.» Pois é.

    Ler Mais
  • Que grande pedra Open or Close

    Pela leitura da última edição do Expresso, ficámos a saber que «o Presidente Jorge Sampaio propôs na última semana aos líderes dos quatro maiores partidos a realização de um almoço comum contra a droga.»
    Confesso que a notícia me encheu de curiosidade, quanto mais não seja porque, apesar de já ter assistido a corridas contra o racismo, manifestações contra as propinas, e até a marchas contra os canhões, nunca tinha imaginado que fosse possível fazer almoços contra a droga.

    TSF | 14.Jan.1998

    Ler Mais
  • Silêncio, que vai falar um homem Open or Close

    Venho duma época em que Portugal era, dizia-se, dominado por três éfes: Fátima, o futebol e o fado. Trinta anos passados sobre a manhã de todas as esperanças, a diferença é que o futebol se transformou numa nova religião, cujos deuses, mitos e interesses coabitam tranquilamente com os de Fátima. Ao fado, muitos querem que reste não mais que a função puramente recreativa. Não é esse, nunca foi, o caso de Carlos do Carmo, e por isso a sua música, sendo fado, é também uma música do mundo. E sendo universal, continua genuína e generosamente lusitana.

    Ler Mais
  • Uma esperança na escuridão Open or Close

    Há quem diga que é um prenúncio do fim do mundo, há quem pense que se trata de castigo divino, há quem ache que a culpa é da crise económica global. Não, não estou a falar do terramoto do Chile, nem dos massacres da Nigéria, nem da interminável guerra do Iraque, nem sequer dos sucessivos escândalos que ameaçam transformar Berlusconi no mais hilariante sucessor de Boris Yeltsin no anedotário europeu. Refiro-me antes a essa espécie de loucura branda que parece ter tomado conta do mundo e faz com que a humanidade aceite como naturais as mais incríveis aberrações sociais, políticas e económicas.

    Zoot | Primavera-Verão 2010

    Ler Mais