Luta de clics

b_500_400_16777215_00_images_actual_telemus1.jpg

O ministro Sousa Franco anunciou esta semana ao mundo que o elevado nível de vida dos portugueses é uma realidade estimável pela quantidade de telemóveis em circulação.

A revelação é sem dúvida surpreendente e arrisca-se mesmo a pôr em causa os conceitos de bem estar definidos, uns por Marx, outros por Adam Smith, mas todos eles vulgarmente aceites como verdadeiros pelos economistas de todas as tendências.

Com Sousa Franco, ficámos a saber que o mundo não se divide  em classes, mas em redes telefónicas.
No entanto, com o fim anunciado da História e, sobretudo, com o avanço imparável da tecnologia,  levantam-se algumas questões que podem obstar à aplicação do novo paradigma do progresso social defendido pelo ministro das Finanças.

Segundo este conceito, os utentes da rede fixa corresponderão à outrora chamada classe operária?
Mas, a ser assim, qual o papel das modernas e dispendiosas centrais digitais, manifesto sinal exterior de riqueza de uma certa burguesia intemporal? Não será mais correcto reduzir o proletariado aos utilizadores exclusivos de cabines telefónicas?

E então, se o uso e posse de telemóvel são sinal de boa qualidade de vida, será correcto comparar o explorado utente de um pré-pago – desses que dão por nomes tão curiosos como Mimo, Boomerang ou Vitamina T – ao privilegiado assinante de classe executiva?

Definitivamente, as telecomunicações não parecem ser o forte da sabedoria de Sousa Franco. E, a menos que marque outro indicativo, o mais certo é que acabe como as chamadas de valor acrescentado: só no fim, na hora das contas, é que se percebe o que custou.

RCS | 17.Nov.1998

Mais sugestões de leitura

  • Eleições, mentiras e algum vídeo Open or Close

    O putativo futuro primeiro-ministro, Santana Lopes, foi à Televisão defender a evolução na continuidade que seria a sua nomeação, se o PR seguisse os conselhos do PSD e do CDS e não convocasse eleições antecipadas. Diz Lopes que Sampaio deve deixar governar a maioria parlamentar, nomeando-o para o cargo deixado vago por Durão Barroso. E apresenta como razão maior o facto de também Sampaio ter desistido a meio do mandato de presidente da Câmara de Lisboa, sem que tal obrigasse a novas eleições.

    Para Consumo da Causa | 7.Jul.2004

    Ler Mais
  • Um velho espírito de Natal Open or Close
    No Natal, o Rossio transforma-se numa espécie de presépio gigante (...) onde os reis magos foram substituídos pelos agentes da Casa da Sorte e os pastores ganharam a forma de polícias sem rosto. Os meninos do presépio do Rossio andam pelas ruas do Metro a vender pensos rápidos, alimentando-se na esperança de uma estrela qualquer que os guie a novo destino. E São José, na encosta do Martim Moniz, aguarda pacientemente a chegada dos bêbados e das putas ...
    Se7e | 30.Dez.1981
    Ler Mais
  • António Pinho Vargas Open or Close

    Um homem que fala através de um piano. Foi assim que há muitos anos conheci o António, éramos os dois algo mais jovens e talvez menos intranquilos. Tenho ideia de que na altura ele tocava na banda do então recém-descoberto Rui Veloso, mas já tinha vivido uma mão-cheia de experiências noutros grupos de diferentes tendências. Era, como é, um tipo discreto e já um nome conceituado da música que se fazia em Portugal. Do jazz fazia, nesse tempo, o seu meio de expressão mais comum, mas nunca o único, e a sua marca fez-se sentir muito cedo. Com ele passou a haver uma maneira portuguesa de fazer e sentir o jazz, de fazer e sentir a música. A maneira de António Pinho Vargas.

    Ler Mais
  • A história incrível de Matías Perez Open or Close

    Há 150 anos, um comerciante português a viver em Havana subiu aos céus num balão e (...) deu origem a uma expressão popular que ainda hoje se utiliza em Cuba: «Voou como Matías Pérez».

    O Independente | 2000

    Ler Mais