Brancos costumes

tsf3.jpg

Uma sondagem publicada na última edição do «Expresso» revela que a maioria dos portugueses é favorável à reciprocidade de direitos entre cidadãos nacionais e brasileiros, mas está contra a extensão do mesmo princípio aos africanos oriundos das antigas colónias.

Ou seja: a maior parte dos meus concidadãos não se importaria de ter um brasileiro como ministro, deputado ou juiz, mas já não veria com bons olhos o desempenho das mesmas funções por um caboverdiano, guineense ou angolano.

Ao contrário do que os meus caros ouvintes poderão pensar, esta atitude de mais de metade dos portugueses não tem nada a ver com racismo. Trata-se antes de uma muito compreensível preocupação com o futuro, não só o nosso, mas também o dos nossos irmãos de São Tomé, Angola, Moçambique, Guiné e Cabo Verde.

Na verdade, a aplicação do princípio da reciprocidade a todos os luso-falantes, só iria causar chatices, tanto em Portugal como nos Palops. Se não vejamos: alguém consegue imaginar por exemplo, o dr. Savimbi no lugar do presidente Jorge Sampaio?

Além disso, para quê dar aos africanos a possibilidade de morrerem de tédio como deputados ou juízes, se podem ter uma vida recheada de emoções como trabalhadores das obras? Não sabemos todos, pelo menos desde Aushwitz, que «o trabalho liberta»?

Por outro lado, quem foi que disse que é melhor ser membro do governo do que participar na construção do ponte Vasco da Gama ou na edificação da Expo? «Se soubesses o que custa mandar gostarias de obedecer toda a vida», não era assim que dizia o extinto professor Salazar?

Deixemo-nos portanto de coisas e os africanos que fiquem como estão, que estão muito bem. Até porque alguém tem que construir as nossas casas, varrer as nossas estradas e cavar os túneis do nosso metropolitano. E já se sabe que se não forem eles, teremos que ser nós, o que seria bastante desagradável...

Não se diga, portanto, que é por preconceito racial que os portugueses não querem a reciprocidade para os africanos. Até porque, se é verdade que os africanos são geralmente pretos, os brasileiros também não são maioritariamente brancos: que me lembre, há pelo menos os mulatos, os índios e os dentistas, para já não falar dos actores de novela, que como toda a gente sabe são uma raça à parte. Ah!, e os futebolistas, claro, mas esses tanto servem vindos do Brasil, de Angola ou do Burkina-Faso, desde que saibam marcar golos.

Não, definitivamente os portugueses não são racistas. Apenas de quando em quando fazem lembrar aquele sujeito de raça branca que costumava dizer: «Racista, eu? Só não gosto é dos alemães, que prometeram acabar com os judeus e fizeram um trabalho de preto...»

TSF | 8.Out.1997

Mais sugestões de leitura

  • Viagem à Utopia do Che Open or Close

    (...) um livro singular escrito por um português raro: o jornalista Viriato Teles é o repórter que vai ao interior da utopia para dela nos dar conta no portentoso A Utopia segundo Che Guevara, editado pela Campo das Letras. (...) E Viriato Teles está em todo o lado, com o melhor que isso tem: em Havana, captando, para nos oferecer, as cores e os sons seculares; na Sierra Maestra, interpretando o berço e a mística da revolução mais romântica da História; junto dos que privaram com Che, ouvindo-os para nos dar a ouvir o que têm a dizer; na garupa de todos os ecos do guerrilheiro para nos convidar à reflexão; (...) na elegância das palavras, a um mesmo tempo objectivas e apaixonadas, que enformam uma prosa ardente para fazerem deste livro um objecto de culto.

    Ler Mais
  • É preciso é criar desassossego Open or Close

    «(...) Como é que da política se chega à música e da música à consciência? Eh, pá, eu acho que as coisas podem estar ou não ligadas, depende do lado para onde estivermos virados. Mas o que é preciso é criar desassossego. Quando começamos a procurar álibis para justificar o nosso conformismo, então está tudo lixado! (...) Acho que, acima de tudo, é preciso agitar, não ficar parado, ter coragem, quer se trate de música ou de política. E nós, neste país, somos tão pouco corajosos que, qualquer dia, estamos reduzidos à condição de ‘homenzinhos’ e ‘mulherezinhas’. Temos é que ser gente, pá! (...)»

    Ler Mais
  • Amor sem palavras Open or Close

    (...) quando se converte num mito um homem que foi justo, honesto, valente, está-se a separá-lo das pessoas. E o meu pai era um homem, de carne e osso, com virtudes e defeitos como toda a gente. Era um homem muito completo, talvez um homem único, mas como homem que era pode ser imitado, pode ser igualado e pode ser superado. É difícil fazê-lo, reconheço, em algumas coisas será praticamente impossível. Mas, como é tão humano como eu, está ao meu nível e eu posso fazê-lo se a isso me propuser. Se se converte simplesmente em algo para adorar, já se afasta dos homens por quem ele viveu e morreu. E isso eu gostava que nunca acontecesse.

    Ler Mais
  • Animais nossos amigos Open or Close

    A pacatez da vida política portuguesa foi abalada há poucos dias com um curioso debate parlamentar em torno dos escalões do IVA a aplicar às comidas de cães e gatos, bem como a certas espécies de moluscos como as ostras.
    Na origem da interessante discussão esteve uma proposta, apresentada pela parlamentar socialista Rosa Albernaz (...) no sentido de descer de 17 para 12 por cento a taxa do IVA a aplicar aos "produtos alimentares para alguns animais da classe dos vertebrados", segundo explicou a deputada.

    TSF | 19.Nov.1997

    Ler Mais