Brancos costumes

tsf3.jpg

Uma sondagem publicada na última edição do «Expresso» revela que a maioria dos portugueses é favorável à reciprocidade de direitos entre cidadãos nacionais e brasileiros, mas está contra a extensão do mesmo princípio aos africanos oriundos das antigas colónias.

Ou seja: a maior parte dos meus concidadãos não se importaria de ter um brasileiro como ministro, deputado ou juiz, mas já não veria com bons olhos o desempenho das mesmas funções por um caboverdiano, guineense ou angolano.

Ao contrário do que os meus caros ouvintes poderão pensar, esta atitude de mais de metade dos portugueses não tem nada a ver com racismo. Trata-se antes de uma muito compreensível preocupação com o futuro, não só o nosso, mas também o dos nossos irmãos de São Tomé, Angola, Moçambique, Guiné e Cabo Verde.

Na verdade, a aplicação do princípio da reciprocidade a todos os luso-falantes, só iria causar chatices, tanto em Portugal como nos Palops. Se não vejamos: alguém consegue imaginar por exemplo, o dr. Savimbi no lugar do presidente Jorge Sampaio?

Além disso, para quê dar aos africanos a possibilidade de morrerem de tédio como deputados ou juízes, se podem ter uma vida recheada de emoções como trabalhadores das obras? Não sabemos todos, pelo menos desde Aushwitz, que «o trabalho liberta»?

Por outro lado, quem foi que disse que é melhor ser membro do governo do que participar na construção do ponte Vasco da Gama ou na edificação da Expo? «Se soubesses o que custa mandar gostarias de obedecer toda a vida», não era assim que dizia o extinto professor Salazar?

Deixemo-nos portanto de coisas e os africanos que fiquem como estão, que estão muito bem. Até porque alguém tem que construir as nossas casas, varrer as nossas estradas e cavar os túneis do nosso metropolitano. E já se sabe que se não forem eles, teremos que ser nós, o que seria bastante desagradável...

Não se diga, portanto, que é por preconceito racial que os portugueses não querem a reciprocidade para os africanos. Até porque, se é verdade que os africanos são geralmente pretos, os brasileiros também não são maioritariamente brancos: que me lembre, há pelo menos os mulatos, os índios e os dentistas, para já não falar dos actores de novela, que como toda a gente sabe são uma raça à parte. Ah!, e os futebolistas, claro, mas esses tanto servem vindos do Brasil, de Angola ou do Burkina-Faso, desde que saibam marcar golos.

Não, definitivamente os portugueses não são racistas. Apenas de quando em quando fazem lembrar aquele sujeito de raça branca que costumava dizer: «Racista, eu? Só não gosto é dos alemães, que prometeram acabar com os judeus e fizeram um trabalho de preto...»

TSF | 8.Out.1997

Mais sugestões de leitura

  • Zeca de corpo e alma Open or Close

    Tenho para mim que o mais difícil de cada vez que alguém pretende fazer novas versões de temas antigos – sobretudo de canções tão marcantes como são, por regra, todas os de Zeca – é que não basta ser fiel à forma e ao conteúdo dos originais, mas é sobretudo importante manter intacto o seu espírito. Porque cada canção tem uma alma própria, que é preciso respeitar e manter intacta, por maiores que sejam as transformações, legítimas, que o corpo possa sofrer. E é isso que se sente neste disco ..

    Introdução ao CD Abril, de Cristina Branco | 2007

    Ler Mais
  • Entrevista ao Portugal Rebelde Open or Close

    "O Zeca morreu há 22 anos, mas de certo modo está hoje mais vivo do que nunca. Creio que a nova geração já o descobriu, pelo menos em parte, e a prova disso está em que nos últimos dez anos foram gravadas tantas versões de músicas dele como as que foram feitas ao longo das duas últimas décadas do século passado."

    Ler Mais
  • Um pássaro igual a ti Open or Close

    Com Zeca e os seus companheiros aprendemos, ainda, que é muito menos fácil formular perguntas que encontrar respostas. Que as veleidades da ‘vida artística’, na qual ele nunca se encaixou, são como os foguetes de romaria, que desaparecem no ar após um instante de brilho e que, portanto, o importante é estar vivo, ter como única certeza a inquietação permanente. Há coisas assim, que parecem impossíveis. Depois vêm as inevitáveis cortesias-de-velórios, mas quanto a isso estamos conversados. Afinal somos um país de homenagens póstumas, não é? Que o digam o Adriano, Jorge de Sena, Fernando Pessoa. Que o diga agora o Zeca, ele que foi sempre tão dado a encolerizar-se com estas coisas.

    Ler Mais
  • Isabel e a medalha Open or Close

    Nasceu no Barreiro, numa família marcada pelos valores da liberdade e do antifascismo. O pai, João do Carmo, era poeta e activista dos círculos locais de combate à ditadura. Dele herdou, talvez, o amor pelo sonho e o sabor da utopia, que a acompanham desde sempre. Tal como a vontade de ser útil, e participante activa nas lutas sociais e políticas do seu tempo.

    Sic 10 Horas | 5.Mai.2004

    Ler Mais