Espírito de Natal

tsf9.jpg

O Natal já não é o que era. Primeiro foi o 25 de Dezembro, usurpado pelos comunistas desde que, faz amanhã exactamente seis anos, o ex-presidente Mikahil Gorbatchov reconheceu oficialmente a extinção da União Soviética.

Depois apareceram as mega-lojas de brinquedos, que deixaram o Pai Natal à beira do desemprego. E agora até o ministro Ferro Rodrigues já se faz passar pelo venerando ancião pólo-nortista e desata a distribuir benesses sociais.

É certo que a tão esperada conversão da Rússia ultrapassou todas as expectativas. E é bem verdade que, ao contrário do que muitos pensavam, o fim da União acabou por revelar-se um bom negócio para o ex-presidente soviético, que, se perdeu um país, acabou por arranjar um rico emprego no ramo das pizzas.

De acordo com notícias recentes, Gorby deu início a uma nova carreira como animador de anúncios de uma conhecida marca de fast food e, por 180 mil contos, até se deixou fotografar distribuindo pedaços de pizza a uma multidão em delírio.

Ninguém dúvida de que oferecer pizzas ao povo é um acto politicamente correcto, tanto mais que a referida empresa é norte-americana, fabrica comida italiana e tem a mesma ementa para todos os países, independentemente de raça, credo e preferência sexual dos clientes.

Aliás, na mesma linha de actuação de Gorby esteve, há poucos meses, o português Otelo Saraiva de Carvalho, deixando-se fotografar, em pose, nas praias cubanas de Varadero, como se fora o próprio Mister Universo. Com um único senão, que é Otelo não ficar tão bem nas fotografias como o ex-presidente de todos os sovietes.

É tudo, portanto, uma questão de imagem. E tenho de reconhecer que, nesse aspecto, Gorbatchov, Otelo e Catarina Furtado tem um «look» mais apelativo que o da vaca e do burro que climatizaram o estábulo de Belém.

Mas, convenhamos, também não era preciso tanto. Já basta Lucky Luke ter deixado de fumar e a Barbie estar em pleno processo de transformação que ameaça fazer dela um misto de camponesa beirã e Sofia Aparício.

Propaganda por propaganda, mais vale fazer como o James Bond que, sem ameaça russa com que se entreter, optou no último filme pela carreira de vendedor ambulante: ele são telemóveis, ele é o relógio, ele é são os carros e a moto - tudo metodica e racionalmente pensado em função de diversas estratégias multi-publicitárias. Um dia destes, ainda o vamos ver a almoçar no McDonald's.

E o que é que tudo isto tem a ver com o Natal? Quase nada, é verdade, mas também é certo que, hoje em dia, até o Natal tem muito pouco a ver com o Natal. Vale-nos a certeza de que, indiferente a todas as mudanças, o Pai Natal continua vermelho. Pelo menos até ao dia em que decida romper com a Coca Cola e assinar um contrato com a Benetton.

TSF | 24.Dez.1997

Mais sugestões de leitura

  • Fausto Bordalo Dias Open or Close

    É um homem discreto e um artista exigente. Gosta de estar com os amigos e não volta costas a um arroz de lampreia nem a uma boa conversa. A música que faz situa-se num patamar superior do espectáculo, em Portugal e no resto do mundo, mas não é isso que o faz correr. (...) É assim o Fausto. Sereno, leal, intransigente em tudo aquilo que considera ser o essencial, tanto na vida como na arte – sendo que a arte é simplesmente uma forma superior de vida. É um homem de convicções – políticas, humanas, estéticas – mas nunca quis ser um homem de certezas. Amigo certo e adversário temível, mantém desde sempre uma relação de distância tanto com o poder político como com o poder mediático, e nunca se vergou perante nenhum. Porque há homens que não têm preço nem querem perder a honra: os homens dignos, como este.

    Ler Mais
  • Do lado esquerdo da América Open or Close


    Nascido em Nova York a 3 de Maio de 1919, Pete Seeger é desde há meio século muito mais do que um mito da história da “folk song”. Militante da música como forma de alertar as consciências adormecidas, Seeger permanece como um símbolo de várias gerações de “insatisfeitos”, acreditando firmemente que vale a pena resistir. Norte-americano por nascimento, ele é, no entanto, uma das vozes que mais lucidamente se ergueram contra a massificação cultural imposta pelo poder político e económico dos Estados Unidos.

    Ler Mais
  • Um homem de carácter Open or Close
    José Vilhena, o mais importante humorista português contemporâneo, fez recentemente 85 anos. Mas, com excepção da meia dúzia de amigos e admiradores que estiveram presentes numa pequena homenagem organizada em Lisboa pelo Museu da República e Resistência, quase ninguém se deu conta da efeméride.
    Jornal do Fundão | 19.Jul.2012
    Ler Mais
  • As sandálias do pecador Open or Close
    O que a seguir se oferece tem o mesmo sentido da partilha bíblica do pão e do vinho. Tinto corrente ou néctar do bom, de preferência com o conduto de uma morcela da Beira ou de um chouriço de Barrancos, que o Mário não se faz rogado. E movimenta-se com o mesmo à-vontade nos salões mais elegantes ou nas tascas mais ordinárias. Sempre com os amigos por perto, como se impõe. Os amigos "que são tristes com cinco dedos de cada lado", como diz Herberto. Os amigos que o Mário torna alegres e que cultiva como rosas delicadas, quer sejam poetas famosos ou bêbados anónimos, mulheres distintas ou putas de rua, actores de seis assoalhadas ou figurantes sem abrigo. À nossa!
    O IVAngelho II Mário Alberto
    Edições Sojorama 2002
    Ler Mais