Falando assédio

tsf13.jpg

É sabido que, quando não têm uma guerrazinha com que se entreter, os americanos são capazes de tudo. Já se sabe que a carne é fraca, sobretudo num país especializado em «fast food» como os Estados Unidos. Mas será que isso chega para transformar em notícia as possíveis aventuras extraconjugais de Bill Clinton?

Segundo uma sondagem recente da Time, mais de um terço dos norte-americanos acha que a vida privada do seu presidente lhes diz directamente respeito. Deve ser por isso que a mesma Time dedica nada menos que 30 das 72 páginas da sua última edição às alegadas incursões marialvas de Clinton.

Tudo começou, como se sabe, com uma vulgar acusação de assédio sexual - essa brilhante invenção norte-americana deste fim de milénio. Pessoalmente, devo dizer não tenho nada contra o assédio sexual - seja no local de trabalho, na rua ou mesmo em casa. Acredito até que, sem assédio, a humanidade acabaria por se extinguir por manifesta falta de assunto. Mas os americanos não pensam assim.

Clinton vê-se, pois, metido numa alhada monumental que faz as delícias do povo norte-americano em geral e dos advogados de Washington em particular. Paula Jones, a assediada original, aproveita para subir a parada indemnizatória que, de um milhão de dólares já passou para mais do dobro - e a procissão ainda vai só na sala oval da Casa Branca. É tudo, portanto, uma questão de preço.

Nos episódios mais recentes, esta curiosa novela começou a baixar de nível e a subir de interesse quando surgiu a notícia de que outra mulher, Monica Lewinsky, também terá tido um «affaire» com o presidente. Neste caso, porém, tudo se terá resumido a alguns telefonemas «picantes» e à prática do sexo oral - o que, segundo um alto funcionário da Casa Branca, não é o mesmo que sexo propriamente dito.

Ficamos assim a saber que Clinton não só é um viciado em telefonemas eróticos como se entrega a práticas sexuais que, vá lá saber-se porquê, estão proibidas por lei em muitos estados norte-americanos.

Resta decobrir, claro, se o presidente foi participante activo na prática sexoralista ou se, pelo contrário, se limitou a usufruir das eventuais habilidades da jovem Monica.

Confesso que não alimento particular simpatia por este ou por qualquer outro presidente dos Estados Unidos, mas nem por isso serei eu a atirar-lhe a primeira pedra. A não ser, eventualmente, por uma questão puramente estética. Um homem que, entre 120 milhões de norte-americanas, escolhe Paula Jones como objecto de assédio é, no mínimo, uma pessoa de gosto muito duvidoso.

TSF | 28.Jan.1998

Mais sugestões de leitura

  • Uma voz do mundo Open or Close

    «A importância de um país avalia-se pela sua capacidade de tirar partido e proveito dos seus valores, nomeadamente os culturais. (...) A única autêntica maneira de um português se realizar é considerar-se de alguma forma estrangeiro, é distanciar-se da Nação, é agarrar-se com todas as suas forças a conceitos superiores de universalidade. Carlos do Carmo é uma voz do mundo – e por isso salvou-se. (...) E, com ele, salvou-se também uma parte importante da música portuguesa – o fado – que passou a ser do mundo!» Testemunho de António Victorino d'Almeida

    Ler Mais
  • Uma espécie de poema, por ser hoje Open or Close

    Lembrança e afecto(a)ção de João do Rio Bizarro Teles, cidadão meu pai

    O dia em que nasci meu pai cantava
    versos que inventam os pastores do monte
    Fernando Assis Pacheco

    Do meu pai herdei uma tendência
    para os calos e as hérnias. O jeito
    para a inquietude, a miopia, memórias suaves,
    sinais nas costas, um nome capaz. Como todas
    as histórias, também esta poderia ser melhor (...)

    Ler Mais
  • Contas à Democracia Open or Close

    Não é filósofo, nem sociólogo, tampouco analista político. Viriato Teles é apenas um português embrenhado no seu tempo, que vive a vida interpelando-a, com o dom superior de saber ouvir vozes individuais para, registando-as na palavra escrita, as devolver, plenas e inquiridoras, ao colectivo a que pertencem. (...) São 20 conversas desatadas por entrevistas a personalidades de diversas áreas da sociedade nacional, que viveram a revolução com frémito e esperança; não lhes é perguntado onde estavam no 25 de Abril, mas onde está e para onde vai o 25 de Abril; são as parcelas da prova dos nove que nos desfralda uma verdade irrefutável: Abril está na prática quotidiana da denúncia da injustiça, no inconformismo e na luta pela felicidade, o combate que legitima o homem, agora e sempre.

    Ler Mais
  • Silêncio, que vai falar um homem Open or Close

    Venho duma época em que Portugal era, dizia-se, dominado por três éfes: Fátima, o futebol e o fado. Trinta anos passados sobre a manhã de todas as esperanças, a diferença é que o futebol se transformou numa nova religião, cujos deuses, mitos e interesses coabitam tranquilamente com os de Fátima. Ao fado, muitos querem que reste não mais que a função puramente recreativa. Não é esse, nunca foi, o caso de Carlos do Carmo, e por isso a sua música, sendo fado, é também uma música do mundo. E sendo universal, continua genuína e generosamente lusitana.

    Ler Mais