Filhos da pide

Que em Portugal se passam coisas estranhas, difíceis de entender por qualquer cidadão de inteligência média, não é novidade para ninguém.
Mesmo assim, de vez em quando não consigo deixar de me surpreender com alguns dos insondáveis desígnios com que a Divina Providência ou alguém por ela nos brindou.

Só no curto espaço de um século tivémos, entre outras curiosidades, um milagre de Fátima, um ditador que criava galinhas no quintal, um primeiro ministro que não lia jornais e até um Alberto João para quem a Madeira mais do que um jardim, é uma autêntica coutada.

Talvez pelo hábito da convivência com estas e outras personagens da nossa história recente, os portugueses têm demonstrado uma curiosa capacidade de co-habitação mais do que pacífica com alguns fenómenos da realidade virtual.

Só assim se pode entender a ausência generalizada de indignação perante o conjunto de acções que alguns antigos agentes da Pide protagonizam ultimamente, com vista à reabilitação da polícia de Salazar.

Tudo começou há um par de anos, com a célebre entrevista do ex-inspector Óscar Cardoso à SIC, onde pouco faltou para que a Pide fosse transformada num simples grupo de escuteiros.

O mesmo Cardoso voltou recentemente a atacar, desta vez num livro escrito a meias com um antigo preso, onde torturador e torturado se envolvem num taco a taco frequentemente cordial, provando aos mais incrédulos que, em democracia, somos todos iguais aos olhos de Deus e do povo.

Agora foi a vez de Rosa Casaco, o chefe do bando que há 33 anos assassinou Humberto Delgado. A sua versão do crime, publicada na última edição do «Expresso», é um relato a todos os títulos exemplar.

Ao longo do seu depoimento, o pide Casaco assume o papel do polícia enganado, que só tinha ido a Badajoz para comprar caramelos e dar milho aos pombos.

Vejam lá que eles, os pides, nem sequer queriam matar o general: a ideia era só levá-lo a dar uma volta e, de caminho, trazê-lo para Lisboa. Só que tiveram azar e um dos rapazes resolveu (à revelia do chefe, que era Rosa Casaco), tratar do assunto ali mesmo. Chamava-se o assassino Casimiro Monteiro e o próprio Casaco o define como «um facínora» que «matava a torto e a direito. Mas era um patriota exacerbado». Diz o pide.

Foi tudo um equívoco, portanto. Pela leitura das palavras do pide, fica-se mesmo com a sensação de que só lhe faltou pedir desculpas a Humberto Delgado pelo incómodo de o terem assassinado.

Um dia destes, ainda alguém nos vai tentar demonstrar que a Pide era uma espécie de Santa Casa que nunca prendeu, nem torturou, nem perseguiu ninguém. E se há quem duvide do holocausto, porque razão não poderá um pide comum pôr em causa a história da instituição a que pertenceu?

Cá para mim, do que os pides gostavam mesmo era de ajudar velhinhas a atravessar a rua e salvar gatinhos empoleirados na copa das árvores.

Com um pouco de jeito, e aproveitando o revivalismo em voga neste fim de milénio, ainda há-de aparecer alguém a propôr a reconstituição da Pide.

É que, pelos vistos, ainda há quem tenha saudades dos "safanões dados a tempo", daquele jeito manso que é só deles e que Rosa Casaco e Óscar Cardoso conhecem como mais ninguém.

TSF | 18.Fev.1998

Mais sugestões de leitura

  • Cantata em azul Open or Close

    Lembro-me das casas e das flores silvestres, do canto recatado à beira-ria por onde fugíamos à cavalgada na noite, das mulheres jovens que sorriam envergonhadas aos nossos devaneios. Lembro-me de como éramos belos e tontos, convencidos de que o mundo só avançava porque nós assim o desejávamos, crentes de que poderíamos fazer parar o tempo com as palavras mágicas do amor. Lembro-me de ouvir o rugido do mar e não ter medo. ...

    Ler Mais
  • A que distância está o Zeca? Open or Close

    Mais uma vez, a luz. Mas aqui, desta vez, sem misticismo. Para o Viriato tratou-se só de erguer a lâmpada sobre as extraordinárias funções do Zeca, e nisso encontrar quem nós temos saudades de ser. De facto, não somos ainda uma nação de biografados. Às vezes é um bem; mas muitas outras é pena. Porque parte da riqueza do objecto biográfico é a sua simples dimensão romanesca. É certamente o caso do Zeca, material ficcional por excelência, porque uma vida singular, e a obra que lhe veio compor o caos, é certamente matéria-de-ouro para um livro que nunca-jamais em Portugal se escreverá.

    Ler Mais
  • As voltas do professor Open or Close

    Há uns bons vinte anos, ele era o símbolo de tudo aquilo que não queríamos ver no poder. A candidatura de Freitas do Amaral à Presidência da Repúbica foi, sejamos claros, a última esperança dos velhos fascistas que ainda não se tinham adaptado à democracia. Na verdade, o confronto entre Mário Soares e Professor nas eleições presidenciais de 1986 foi marcado pela clarificação dos campos políticos que, bem ou mal, se afirmavam no terreno. E Soares, que começou a campanha apenas com o apoio de uma íntima fracção do PS, acabou por se sagrar Presidente, eleito pela Esquerda; ao passo que Freitas, apoiado em massa pelas forças da Direita, não conseguiu evitar a derrota na segunda volta.

    Para Consumo da Causa | 10.Mar.2005

    Ler Mais
  • Guerra santa contra o rock Open or Close

    «Satanás já não esconde as suas motivações. Os textos das canções condenam abertamente o cristianismo e apresentam a adoração do demónio como alternativa. A violência, o sexo, a rebelião e as drogas não são unicamente objecto de promoção, mas também são apresentados directamente ou encenados em palco. As canções fazem a apologia do suicídio e os telediscos levam a mensagem de Satã directamente a nossas casas...» Este discurso assustador não pertence à história da Santa Inquisição, nem tão pouco foi extrajdo de qualquer ritual exorcista da Idade Média. Trata-se, apenas, da expressão mais simples encontrada pelo padre norte-americano Fletcher A. Brothers para definir aquilo que considera ser o «rock satânico-teatral» dos anos 80.

    Se7e | 9.Jun.1986

    Ler Mais