Insondáveis designíos

tsf2.jpg

O Papa foi ver um espectáculo de Bob Dylan. Poucos anos atrás, uma notícia deste tipo seria, no mínimo, uma brincadeira de gosto duvidoso. Na melhor das hipóteses (isto é, se a notícia fosse verdadeira) seria motivo de manchete em quase todos os jornais do planeta.

O Papa? Num espectáculo de Bob Dylan?

Eu sei que o mundo está a mudar e que as verdades absolutas de ontem deixaram de o ser às primeiras horas da manhã de hoje. Eu sei que a Rússia já se converteu e que o big show do julgamento final não deve tardar a aparecer por aí, certamente patrocinado por um banco ou uma seguradora. Eu sei, enfim, que a  realidade, tal como a tradição, já não é o que era.

Mas, ainda assim, não deixo de sentir um estremecimento ao ver Sua Santidade ouvindo «Knockin' On Heaven's Door» como se escutasse «Queremos Deus Homens Ingratos» ou o clássico «Miraculosa, Rainha dos Céus». Está certo que o Papa é polaco e Bob Dylan nasceu nos Estados Unidos, mas isso não justifica tudo.

Não quero insinuar que Karol Woytila esteja a perder as capacidades e a firmeza que lhe conhecíamos e se deixe comover por uma vozinha desafinada que lhe pergunta «how many times must a man turn his face pretending he just does'nt see». Mas reconheço que é difícil entender a razão que levou o Papa a estrear-se no rock com Bob Dylan. Logo com Bob Dylan. Seria lógico que o Sumo Pontífice desejasse ouvir Roberto Carlos cantar «Jesus Cristo Eu Estou Aqui» e ninguém se incomodaria se os serviços do Vaticano telefonassem para o Coliseu a reservar bilhetes para o próximo espectáculo de Frei Hermano da Câmara.

Agora, Bob Dylan? O mesmo a quem os serviços secretos norte-americanos ainda há pouco mais de 20 anos chamavam comunista? O mesmo que reivindicava para si o estatuto de anarco-sindicalista enquanto cantava as canções que mais incomodavam todos os poderes - incluindo, naturalmente, o poder da Igreja?

A explicação é simples. Dos pecados da juventude, já Bob Dylan se redimiu há uma boa dúzia de anos, quando gravou o disco da sua conversão ao catolicismio. Chamava-se «Saved» e, se não garantiu a Dylan um lugar no céu, foi pelos vistos suficiente para proporcionar ao Papa um lugar de honra na plateia.

A verdade é que, juntos e ao vivo, Dylan e Woityla estão apenas a dar um cristianíssimo exemplo de reconciliação. Um exemplo que foi já seguido pelo português Carlos Antunes que, segundo foi noticiado esta semana, trocou definitivamente a guerrilha urbana pelo fato e gravata e é hoje um dos sócios da empresa de construção civil Euro-Amer, ao lado de Artur Albarran e do ex-director da CIA Frank Carlucci.

A isto, segundo a moderna linguagem, não se chama incoerência, mas sim evolução. Um dia destes, não há-de faltar muito, ainda hei-de ver Zita Seabra ir a Fátima a pé.

TSF | 1.Out.1997

Mais sugestões de leitura

  • Elogio e memória do Parque Mayer Open or Close

    Isto que aqui vedes já foi um lugar sagrado. Não que aqui se adorasse uma divindade qualquer, ou que houvesse neste intramuros espaço para o sacrifício de que os deuses, todos, parecem sempre tão sequiosos. Não. Por aqui passaram gerações inteiras, aqui se viveram muitos momentos de ilusão e de glória, que são, como se sabe, faces irmãs da mesma moeda. A casa que, teimosa, insiste em manter-se de pé no meio deste quase-nada em que o Parque Mayer se transformou é um símbolo vivo desse tempo. Aqui mora ainda hoje o Mário Alberto, pintor e cenógrafo, anarquista e lutador, militante do prazer e sumo-sacerdote da vida. Com sorte poderíamos cruzar-nos com ele numa qualquer tarde – nunca de manhã, que essa fez-se para aplacar o corpo e preparar a alma para a noite que se seguirá – subindo ou descendo a Avenida, em passo lento mas firme e determinado, olhando as mulheres que passam.

    Zoot | Primavera 2006

    Ler Mais
  • Uma vida de risco(s) Open or Close

    Agora, o Relvas já é mais do que lenda. Ele é uma referência – porventura a mais irreverente, com certeza das mais relevantes – fundamental para quem quiser conhecer a evolução da banda desenhada em Portugal nos últimos 50 anos. E se, apesar de tudo, é hoje mais fácil para um jovem artista criar e divulgar o seu trabalho, isso em muito boa parte se deve ao Relvas – ao talento dele, sim, mas sobretudo à sua persistência homérica e à intransigência perante a mediocridade que sempre o acompanhou.

    Catálogo de Retrospectiva/Outra Perspectiva, de Fernando Relvas | 2017

    Ler Mais
  • Fernando Relvas Open or Close

    Vai, de certeza, implicar comigo porque lhe chamei «autor de banda desenhada», e se calhar tem razão. Porque a arte de Relvas não se limita às histórias aos quadradinhos que durante anos iluminaram algumas páginas da imprensa portuguesa. Mas ainda não se leva a sério o suficiente para se julgar pintor – e faz mal, porque é isso que realmente é. Pronto, digamos então artista plástico. Mas nunca de plástico. Fernando Relvas é também, ou sobretudo, um contador de histórias. Com meia dúzia de traços consegue fazer-nos viajar pelas rotas das caravelas ou pelos subúrbios da grande cidade, sempre com um humor acidulado onde se cruzam ora um hiper-realismo estonteante, ora uma forte carga erótica, ora ainda a mais pura crónica de actualidades.

    Ler Mais
  • Eleições, mentiras e algum vídeo Open or Close

    O putativo futuro primeiro-ministro, Santana Lopes, foi à Televisão defender a evolução na continuidade que seria a sua nomeação, se o PR seguisse os conselhos do PSD e do CDS e não convocasse eleições antecipadas. Diz Lopes que Sampaio deve deixar governar a maioria parlamentar, nomeando-o para o cargo deixado vago por Durão Barroso. E apresenta como razão maior o facto de também Sampaio ter desistido a meio do mandato de presidente da Câmara de Lisboa, sem que tal obrigasse a novas eleições.

    Para Consumo da Causa | 7.Jul.2004

    Ler Mais