Ler jornais é saber demais

tsf12.jpg

Cada vez me custa mais a entender aquela teimosa mania que o professor Cavaco tinha de não ler jornais. É verdade que os jornais, por regra, estão cada vez mais pardos e menos interessantes. E é um facto que certos jornalistas são tão vergonhosamente ignaros e tão desprovidos de sentido ético, que até já pensei requerer a nova carteira profissional na categoria de «artista de variedades».

Mas ainda assim, eu, que sou teimoso, continuo a ler jornais. Será um vício, talvez, mas o que hei-de fazer? Ontem mesmo, por exemplo, fiquei a saber pelo Diário de Notícias que a polícia não serve só para reprimir, de acordo com o terá dito o ministro Jorge Coelho. O que significa que, lá no fundo, a polícia deve ter alguma utilidade, ainda que ninguém, nem sequer o ministro, saiba dizer em rigor qual é.

A verdade, porém, é que o mundo está cheio de coisas que a razão pura e simples não consegue explicar. Deve ser por isso, aliás, que no mesmo Diário de Notícias de ontem, nem uma página inteira chegou para o ministro Pina Moura conseguir demonstrar, na prática, aquilo em que consiste o «governar à esquerda» do Partido Socialista. Ao longo de não sei quantos mil caracteres, o ministro da Economia falou do FMI, da «dimensão política e social dos mecanismos de integração económica e financeira», da «empregabilidade», da «competitividade», essas coisas. E ficámos a saber que o PS «governa à esquerda» porque «transformou num círculo virtuoso emprego e convergência nominal». Pois.

Se, em vez do Diário de Notícias, Pina Moura tivesse escolhido «Os Filhos da Nação», não tenho dúvidas de que o impacto da sua mensagem seria radicalmente diferente. Não que se percebesse melhor, mas seria pelo menos mais divertido.

Aliás, o recurso aos espaços televisivos poderia ser uma boa solução para explicar ao povo essa coisa da moeda única, que nos está a entrar no bolso não tarda nada.

O ministro das Finanças poderia muito bem utilizar o «Big Show Sic» ou «A Roda dos Milhões» para nos contar como é que vai ser a nossa vida quando o escudo passar à história. No entanto, Sousa Franco acha que os portugueses já sabem de cor e salteado a lição do Euro. E acha também que o Governo não tem obrigação de explicar essas coisas aos mortais comuns.

O pior é que o ministro das Finanças é bem capaz de ter razão. Assim como assim, o povo não ía entender nada. E, mesmo que entendesse, o mais provável era que mudasse de canal.

Às tantas, o melhor é Sousa Franco fazer como Pina Moura e passar tudo a escrito - neste caso, de preferência, num jornal de pouca circulação.

TSF | 21.Jan.1998

Mais sugestões de leitura

  • Saramago, autor do século XVIII Open or Close

    José Saramago, um romancista do século XVIII? Ninguém se lembraria de tal coisa, mas foi assim mesmo que ele foi inicialmente apresentado, em Bucareste, poucos meses antes do lançamento, pela Editora Univers, da tradução romena de «Memorial do Convento». Um truque para iludir a censura de Ceausescu. E resultou.

    Jornal de Letras | 12.Jun.1990

    Ler Mais
  • O grito de guerra dos genes Open or Close

    Ernesto Guevara, chamado o Che, era um homem complexo e dinâmico — diferente de outros, lineares, cinzentos, sempre iguais de tão monotemáticos. Não falo do revolucionário, nem do homem de Estado, nem do pai de família, nem do amante, nem do aventureiro; falo do homem que continha em si todos esses homens... Repito: era um homem complexo, profundo, crítico e sumamente vital. O Che morreu muito jovem, mas morreu obcecado com a vida que ainda poderia construir-se; Fidel agarra-se à vida com unhas e dentes, ainda que apenas fale de morte.

    Ler Mais
  • O fim do mundo Open or Close
    Infelizmente, ainda não foi desta. Apesar de anunciado com algumas centenas de anos de antecedência, o fim do mundo que muitos esperavam voltou a ser adiado. Pelos vistos, os maias são como a Maya e o sinistro Gaspar: não acertam uma. E como eu gostava que o mundo tivesse acabado. Não propriamente o meu, nem o dos caríssimos leitores, mas este mundo imundo de coelhos e relvas e cavacos e portas e borges e merkls e troikas, de todas as adultas e descompassadas bestas que tresmalham as nossas vidas e assassinam os nossos sonhos.
    Jornal do Fundão | 27.Dez.2012
    Ler Mais
  • Brancos costumes Open or Close

    Uma sondagem publicada na última edição do «Expresso» revela que a maioria dos portugueses é favorável à reciprocidade de direitos entre cidadãos nacionais e brasileiros, mas está contra a extensão do mesmo princípio aos africanos oriundos das antigas colónias.

    TSF | 8.Out.1997

    Ler Mais