O fado das águias

tsf4.jpg

O Benfica está em crise e o país real acompanha, ansioso, as angústias, as dúvidas e o sofrimento das águias da Luz. Vão longe os dias em que «ser benfiquista era ter na alma a chama imensa», como cantava o incomparável Luís Piçarra. Mas isso era no tempo em que quem não era do Benfica, não era bom chefe de família. Agora, com a instituição familiar em notório declínio, como poderia o Benfica navegar noutras águas que não as do desencanto?

E não se pense que a crise do Benfica afecta apenas os benfiquistas. Veja-se o exemplo do presidente Jorge Sampaio, sportinguista confesso, que ainda há poucos dias veio a público manifestar a sua solidariedade activa com o clube da Luz. «O país precisa de um Benfica forte», garantiu o Presidente da República.

Pois precisa. Aliás, toda a gente sabe que se o Benfica não tiver força, um dia destes o país corre o risco de ser invadido pelos catalães do Barcelona, os castelhanos do Real Madrid ou mesmo os galegos do Deportivo da Coruña.

A angústia em torno do futuro próximo do clube das águias ficou, aliás, expressa de forma exemplar nas duas últimas edições d'«A Bola». Na segunda-feira, o popular diário desportivo publicou a opinião dos directores dos principais orgãos de comunicação a propósito dos desatinos do Glorioso. Ontem, terça-feira, «A Bola» retomou o tema, desta vez ouvindo nove personalidades da nossa vida pública. Uma prova, afinal, de que todos não somos de mais para opinar sobre o Benfica.

Na edição de ontem, houve um depoimento que me chamou particularmente a atenção - e só não compreendo como é que os telejornais da SIC e da RTP não pegaram no assunto que, noutros tempos, teria sido certamente motivo para notícia de abertura. Não me refiro às opiniões de Vitorino de Almeida, Júlio Machado Vaz ou Fernando Rosas, benfiquistas mais ou menos públicos e notórios. Nem tão pouco falo da ironia lúcida de Sérgio Godinho ou da consternação expressa de Barros Moura. Não. O que mais me fascinou foi a prosa curta de um advogado bigodudo, conhecido noutros tempos por ter ambicionado ser o «grande educador da classe operária». Esse mesmo, Arnaldo Matos, ex-grande líder e bem amado dirigente, que num momento de fraqueza o povo se encarregou de libertar.

Remetido ao silêncio durante quase 20 anos, Arnaldo regressou agora para reconduzir as massas à linha justa. Não veio falar da Europa, do desemprego ou de qualquer outra maleita da sociedade portuguesa. Não senhor. Desta vez, falou apenas da crise benfiquista que, diz ele, «não é mais que um dos aspectos graves por que passa o futebol português no seu todo». Uma prova de que, duas décadas depois de ter desistido de conduzir a classe operária ao paraíso, Arnaldo Matos continua tão ferozmente perspicaz como nos tempos do PREC. E afinal, tal como o 1º de Maio de outras eras, o Benfica também é vermelho.

TSF | 15.Out.1997

Mais sugestões de leitura

  • Cantigas de antes do Maio Open or Close

    «Quando se caminha para a frente ou para trás, ao longo dos dicionários, vai-se desembocar na palavra Terror», escrevia, então, Herberto Helder. Nesse tempo de silêncios são poucos os artistas que se erguem contra esta mansidão angustiada. (...) Fora de jogo, dispostos a arriscar e com vontade de abrir novos caminhos, meia dúzia de vozes isoladas fazem-se ouvir em lugares diferentes e de modos diversos: a poesia de Manuel Alegre e Fernando Assis Pacheco, a partir de Argel e Nambuangongo; as vozes claras de Adriano Correia de Oliveira e Manuel Freire, em Coimbra; José Mário Branco e Luís Cília, no exílio de Paris. E José Afonso, professor de liceu, cantor nas horas vagas e activista por conta própria.

    Introdução à reedição em CD de Baladas e Canções, de José Afonso | 1997

    Ler Mais
  • Uma vida de risco(s) Open or Close

    Agora, o Relvas já é mais do que lenda. Ele é uma referência – porventura a mais irreverente, com certeza das mais relevantes – fundamental para quem quiser conhecer a evolução da banda desenhada em Portugal nos últimos 50 anos. E se, apesar de tudo, é hoje mais fácil para um jovem artista criar e divulgar o seu trabalho, isso em muito boa parte se deve ao Relvas – ao talento dele, sim, mas sobretudo à sua persistência homérica e à intransigência perante a mediocridade que sempre o acompanhou.

    Catálogo de Retrospectiva/Outra Perspectiva, de Fernando Relvas | 2017

    Ler Mais
  • Na morte de Luís Pignatelli Open or Close

    «O Luís Pignatelli faz aqui muita falta», lamentava-se, uma destas tardes, o Armando Baptista-Bastos ao balcão do Expresso, um dos últimos lugares de convívio do largo a que deram o nome de Trindade Coelho, mas que há-de ser sempre da Misericórdia, por maioria de razão popular. Naquele espaço por onde os afectos ainda vão circulando, disfarçados de imperiais e cariocas de limão, a falta que o Luís faz é particularmente sentida. E o lamento do Bastos nem sequer precisa de ter resposta, todos sabem que é verdade. Sente-se nas conversas, quer sejam contra o Cavaco ou em glória de um soberbo frontispício feminino que vai passando pelo largo onde os pombos promoveram uma ocupação selvagem.

    Revista MPP | Julho 1994

    Ler Mais
  • O homem e as cidades Open or Close

    Era uma vez um homem que gostava de cidades. A biografia de Manuel Graça Dias, arquitecto nascido em Lisboa no ano de 1953, podia começar assim. E não apenas pelo livro que acabou de publicar, justamente intitulado O homem que gostava de cidades, onde reúne uma mão cheia de crónicas que fez para a TSF durante muitas dezenas de semanas.

    Status (Semanário Económico) | Out/Nov 2001

    Ler Mais