O fado das águias

tsf4.jpg

O Benfica está em crise e o país real acompanha, ansioso, as angústias, as dúvidas e o sofrimento das águias da Luz. Vão longe os dias em que «ser benfiquista era ter na alma a chama imensa», como cantava o incomparável Luís Piçarra. Mas isso era no tempo em que quem não era do Benfica, não era bom chefe de família. Agora, com a instituição familiar em notório declínio, como poderia o Benfica navegar noutras águas que não as do desencanto?

E não se pense que a crise do Benfica afecta apenas os benfiquistas. Veja-se o exemplo do presidente Jorge Sampaio, sportinguista confesso, que ainda há poucos dias veio a público manifestar a sua solidariedade activa com o clube da Luz. «O país precisa de um Benfica forte», garantiu o Presidente da República.

Pois precisa. Aliás, toda a gente sabe que se o Benfica não tiver força, um dia destes o país corre o risco de ser invadido pelos catalães do Barcelona, os castelhanos do Real Madrid ou mesmo os galegos do Deportivo da Coruña.

A angústia em torno do futuro próximo do clube das águias ficou, aliás, expressa de forma exemplar nas duas últimas edições d'«A Bola». Na segunda-feira, o popular diário desportivo publicou a opinião dos directores dos principais orgãos de comunicação a propósito dos desatinos do Glorioso. Ontem, terça-feira, «A Bola» retomou o tema, desta vez ouvindo nove personalidades da nossa vida pública. Uma prova, afinal, de que todos não somos de mais para opinar sobre o Benfica.

Na edição de ontem, houve um depoimento que me chamou particularmente a atenção - e só não compreendo como é que os telejornais da SIC e da RTP não pegaram no assunto que, noutros tempos, teria sido certamente motivo para notícia de abertura. Não me refiro às opiniões de Vitorino de Almeida, Júlio Machado Vaz ou Fernando Rosas, benfiquistas mais ou menos públicos e notórios. Nem tão pouco falo da ironia lúcida de Sérgio Godinho ou da consternação expressa de Barros Moura. Não. O que mais me fascinou foi a prosa curta de um advogado bigodudo, conhecido noutros tempos por ter ambicionado ser o «grande educador da classe operária». Esse mesmo, Arnaldo Matos, ex-grande líder e bem amado dirigente, que num momento de fraqueza o povo se encarregou de libertar.

Remetido ao silêncio durante quase 20 anos, Arnaldo regressou agora para reconduzir as massas à linha justa. Não veio falar da Europa, do desemprego ou de qualquer outra maleita da sociedade portuguesa. Não senhor. Desta vez, falou apenas da crise benfiquista que, diz ele, «não é mais que um dos aspectos graves por que passa o futebol português no seu todo». Uma prova de que, duas décadas depois de ter desistido de conduzir a classe operária ao paraíso, Arnaldo Matos continua tão ferozmente perspicaz como nos tempos do PREC. E afinal, tal como o 1º de Maio de outras eras, o Benfica também é vermelho.

TSF | 15.Out.1997

Mais sugestões de leitura

  • Animais nossos amigos Open or Close

    A pacatez da vida política portuguesa foi abalada há poucos dias com um curioso debate parlamentar em torno dos escalões do IVA a aplicar às comidas de cães e gatos, bem como a certas espécies de moluscos como as ostras.
    Na origem da interessante discussão esteve uma proposta, apresentada pela parlamentar socialista Rosa Albernaz (...) no sentido de descer de 17 para 12 por cento a taxa do IVA a aplicar aos "produtos alimentares para alguns animais da classe dos vertebrados", segundo explicou a deputada.

    TSF | 19.Nov.1997

    Ler Mais
  • Nós, os que voámos Open or Close

    Éramos jovens e pensávamos. Lembro-me: a cidade ainda não existia, Ílhavo era apenas Ílhavo, heróico poema das canções do Professor Guilhermino, vila maruja dada a devaneios de aquém e de além mar, traduzidos em histórias que o tempo transformou em lendas. Lembro-me dos doidos e dos outros, dos temores e das dúvidas, dos silêncios, dos beijos tímidos. Lembro-me também que por vezes era de noite e levavam-nos os amigos ou a família, para a guerra ou para a prisão. Havia medo, apesar da inocência que exibíamos nesses tempos. Mas havia também outra gente e outra ainda, muita gente. E foi assim que se chegou ao tempo da revolução, o tempo da revelação.

    Prefácio a Marginal - Poemas breves e cantigas, de Vieira da Silva | 2002

    Ler Mais
  • O fumo e o fogo Open or Close

    Acabo de ler esta história, e apetece-me acender um cigarro. Não é politicamente correcto dizê-lo, e menos ainda fazê-lo: o higienismo e a lei, ou vice-versa, dizem que fumar mata. Claro que a vida também mata, e em meio século de existência ainda não conheci ninguém que lhe conseguisse sobreviver. Mas isso não é preocupação dos legisladores, empenhados que estão em conseguir que morramos todos cheios de saúde.
    Pouco importa. Este aparente desacerto da prosa vem a propósito de mais uma ficção que Nuno Gomes dos Santos agora dá a conhecer em forma de livro.

    Prefácio a Reserva de Fumo, de Nuno Gomes dos Santos | 2009

    Ler Mais
  • Sexto andamento: do medo Open or Close

    – Qual foi o teu pior momento em cima de um palco?

    – Foi em Vilar de Mouros, no segundo Festival de Vilar de Mouros. É uma história engraçada. (...) Quando cheguei ao palco... Só te digo que dificilmente a minha família terá sido mais insultada em toda a minha vida do que naquela noite! Mãe, pai, filhos – tudo o que era família minha foi insultada! Já para não falar dos insultos directos, mandarem-me com objectos estranhos... (...) Então passou-me uma coisa pela cabeça, olhei para os meus músicos e disse: «Vamos cantar uma canção, vamos cantar a Pedra Filosofal, vamos fazer aqui uma inversão.» Comecei a cantar, fez-se um silêncio enorme, calaram-se completamente, trautearam o final comigo e aplaudiram freneticamente. Aí, cheguei ao microfone e disse: «Vão bardamerda!». E fui-me embora.

    Ler Mais