O fado das águias

tsf4.jpg

O Benfica está em crise e o país real acompanha, ansioso, as angústias, as dúvidas e o sofrimento das águias da Luz. Vão longe os dias em que «ser benfiquista era ter na alma a chama imensa», como cantava o incomparável Luís Piçarra. Mas isso era no tempo em que quem não era do Benfica, não era bom chefe de família. Agora, com a instituição familiar em notório declínio, como poderia o Benfica navegar noutras águas que não as do desencanto?

E não se pense que a crise do Benfica afecta apenas os benfiquistas. Veja-se o exemplo do presidente Jorge Sampaio, sportinguista confesso, que ainda há poucos dias veio a público manifestar a sua solidariedade activa com o clube da Luz. «O país precisa de um Benfica forte», garantiu o Presidente da República.

Pois precisa. Aliás, toda a gente sabe que se o Benfica não tiver força, um dia destes o país corre o risco de ser invadido pelos catalães do Barcelona, os castelhanos do Real Madrid ou mesmo os galegos do Deportivo da Coruña.

A angústia em torno do futuro próximo do clube das águias ficou, aliás, expressa de forma exemplar nas duas últimas edições d'«A Bola». Na segunda-feira, o popular diário desportivo publicou a opinião dos directores dos principais orgãos de comunicação a propósito dos desatinos do Glorioso. Ontem, terça-feira, «A Bola» retomou o tema, desta vez ouvindo nove personalidades da nossa vida pública. Uma prova, afinal, de que todos não somos de mais para opinar sobre o Benfica.

Na edição de ontem, houve um depoimento que me chamou particularmente a atenção - e só não compreendo como é que os telejornais da SIC e da RTP não pegaram no assunto que, noutros tempos, teria sido certamente motivo para notícia de abertura. Não me refiro às opiniões de Vitorino de Almeida, Júlio Machado Vaz ou Fernando Rosas, benfiquistas mais ou menos públicos e notórios. Nem tão pouco falo da ironia lúcida de Sérgio Godinho ou da consternação expressa de Barros Moura. Não. O que mais me fascinou foi a prosa curta de um advogado bigodudo, conhecido noutros tempos por ter ambicionado ser o «grande educador da classe operária». Esse mesmo, Arnaldo Matos, ex-grande líder e bem amado dirigente, que num momento de fraqueza o povo se encarregou de libertar.

Remetido ao silêncio durante quase 20 anos, Arnaldo regressou agora para reconduzir as massas à linha justa. Não veio falar da Europa, do desemprego ou de qualquer outra maleita da sociedade portuguesa. Não senhor. Desta vez, falou apenas da crise benfiquista que, diz ele, «não é mais que um dos aspectos graves por que passa o futebol português no seu todo». Uma prova de que, duas décadas depois de ter desistido de conduzir a classe operária ao paraíso, Arnaldo Matos continua tão ferozmente perspicaz como nos tempos do PREC. E afinal, tal como o 1º de Maio de outras eras, o Benfica também é vermelho.

TSF | 15.Out.1997

Mais sugestões de leitura

  • Um empresário de sucessos Open or Close

    «A minha profissão não existe», diz o road manager do grupo português de maior sucesso no estrangeiro, o Madredeus. Pioneiro da produção profissional de espectáculos no nosso país, Fernando Marrucho, de 38 anos, tem ideias muito claras sobre o que caracteriza este sector de actividade. Que, embora próspero, continua a não ter enquadramento legal satisfatório.

    Status (Semanário Económico) | Nov/Dez.2001

    Ler Mais
  • Um velho espírito de Natal Open or Close
    No Natal, o Rossio transforma-se numa espécie de presépio gigante (...) onde os reis magos foram substituídos pelos agentes da Casa da Sorte e os pastores ganharam a forma de polícias sem rosto. Os meninos do presépio do Rossio andam pelas ruas do Metro a vender pensos rápidos, alimentando-se na esperança de uma estrela qualquer que os guie a novo destino. E São José, na encosta do Martim Moniz, aguarda pacientemente a chegada dos bêbados e das putas ...
    Se7e | 30.Dez.1981
    Ler Mais
  • À descoberta do Arco Open or Close
    Quem sabia, por exemplo, que a Sala do Arco – ocupando todo o interior do único piso ali existente, ao cimo de algumas dezenas de degraus – esteve em tempos para ser um museu? Ou que o seu monumental relógio foi construído por Manoel Francisco Gousinha, relojoeiro mecânico de Almada?
    O Diário | 29.Dez.1980
    Ler Mais
  • Que homem é este? Open or Close

    A campanha eleitoral foi marcada pela recusa de Cavaco em responder a quaisquer questões de algum modo melindrosas para a sua imagem. Interrogado pelos jornalistas sobre as dúvidas levantadas por alguns dos seus negócios, limitou-se a dizer que eram «calúnias». Tanta aparente cobardia só pode ter uma razão: a criatura tem mesmo telhados de vidro, e está com medo que os portugueses descubram a tempo de correr com ele de Belém. Mas esta campanha foi também reveladora quanto aos traços de carácter deste homem que se acha acima de todos os outros.

    Ler Mais