O general casernícola

tsf5.jpg

O candidato da coligação PSD-PP à Câmara Municipal do Porto, general Carlos Azeredo, está a revelar-se uma autêntica caixa de surpresas. Num país tão carecido de ideias, ele corre o risco de se tornar o estratego-mor da extrema-direita mais boçal e troglodita, órfã de pai e mãe desde que o professor Salazar entregou as botas ao Criador.

Primeiro foi o célebre artigo sobre o «ouro nazi», onde este militante da ordem unida se desdobrava em considerações sobre o carácter naturalmente agiota dos judeus – o qual, está-se mesmo a ver, esteve na origem do Holocausto. Entre aspas, na versão branqueadora de Azeredo.

Ao que parece, o estado-maior do PSD não viu nisto nada de mais, o que se compreende: afinal, Hitler limitou-se a exterminar seis milhões de judeus, uma insignificância. Se a «solução final» tivesse sido concluída (ou seja, se em vez de apenas seis milhões, tivessem morrido todos) não haveria hoje ninguém para reclamar a verdade sobre o ouro roubado, o que seria um descanso para os anti-semitas em geral e para Carlos Azeredo em particular.

Na passada sexta-feira, o vetusto militar voltou a abrir a boca, desta vez nas páginas d'«O Independente». Falou do 25 de Abril que, na sua perspectiva, não passou de um tempo em «os militares andavam todos descompostos» e onde havia «uma indisciplina que era uma coisa incrível». E remata, com um arremedo autocrítico que não se lhe conhecia, referindo que a «intervenção dos militares na política é sempre funesta». Como se pode ver pela amostra junta, acrescento eu.

Depois, com a sagacidade que o caracteriza, Carlos Azeredo lá foi dizendo que «só as pessoas ignorantes» chamam fascista ao regime de Salazar e Caetano onde, garante, «nunca houve grandes mortes». Acrescenta o general que Mussolini, tal como Hitler, ganhou democraticamente as eleições e «instaurou um regime que ainda hoje tem muitos adeptos em Itália e que deixou alguma obra feita».

Convenhamos que, aqui, o antigo camaraman de Mário Soares tem alguma razão: se não fosse Mussolini, nunca um cineasta como Pasolini poderia alguma vez ter filmado «Saló ou Os 120 Dias de Sodoma». E a verdade é que nunca como no tempo do ditador os cemitérios italianos registaram tanto movimento.

Entusiasmado com o seu inusitado perfil de ideólogo, o general continua a entrevista discorrendo sobre os pensadores da sua juventude e confessa que andou «muito encostado» aos teóricos do «integralismo lusitano». Tudo boas companhias, portanto. Daí que Azeredo afirme, sem complexos, que ainda gosta da trilogia «Deus, Pátria, Família». Da Autoridade não diz nada, nem é preciso. Há coisas que um general casernícola não discute. E muito menos perante o povo que não o vai eleger.

TSF | 29.Out.1997

Mais sugestões de leitura

  • Padre Mário de Oliveira Open or Close

    Era capelão das tropas portuguesas na Guiné-Bissau, e nessa condição ousou pregar a Paz. Mas o tempo era de guerra, ainda que esta fosse uma guerra particularmente injusta. E Mário de Oliveira, o capelão pacifista, acabou com guia de marcha para a «metrópole», como então se chamava a Portugal continental. Não esteve mais de quatro meses no teatro de operações, mas foi o suficiente para perceber que, se queria espalhar a palavra de Jesus Cristo, teria de, como Ele, sujeitar-se à raiva e à incompreensão dos poderosos.

    Ler Mais
  • Sentido de estrado Open or Close
    A modorra estival foi subitamente agitada, dias atrás, pelas declarações de Zita Seabra no programa do estulto Mário Crespo. Segundo a ex-deputada, o PCP utilizou a debelada Fábrica Nacional de Ar Condicionado como fachada para tenebrosas missões de espionagem, levadas a cabo em conluio com caliginosos agentes da STASI durante a Guerra-Fria.
    Jornal do Fundão | 16.Ago.2012
    Ler Mais
  • Pizza hurt Open or Close

    Afinal, a tão comentada publicidade do ex-líder soviético às pizzas norte-americanas tem também uma versão televisiva, revelando-nos desconhecidas capacidades cinematográficas de Gorbatchov (...) Vários cidadãos russos foram também chamados a dizer de sua justiça a propósito do referido anúncio e da actuação do seu ex-presidente. As opiniões eram muitas e divergentes, mas ficou-me sobretudo a daquela jovem que dizia acreditar que, da próxima vez, Gorbatchov deveria dedicar o seu talento publicitário a uma qualquer marca de pensos higiénicos.

    TSF | 31.Dez.1997

    Ler Mais
  • José Mário Branco Open or Close

    Poucos dias passados sobre o 25 de Abril, ele foi o primeiro a definir quais deviam ser os cânones da canção de intervenção, numa reunião de cantores que integraram o Colectivo de Acção Cultural, nascido no alvorar da revolução, e que eram quase todos os que vinham da canção de protesto que marcou os últimos anos da ditadura. O exemplo do que deveria ser feito, agora que o fascismo estava derrubado e a liberdade fora alcançada, apresentou-o José Mário Branco nesse dia. Chamava-se Alerta e marcou a estreia da canção-de-combate após a revolução.

    Ler Mais