O poder e o local

tsf8.jpg

Os portugueses foram a votos, desta vez para eleger os representantes do chamado «poder local» – designação que só se compreende se aceitarmos que há poderes não localizáveis, o que é tanto mais verdade quanto maior é a sua dimensão.

Por exemplo: alguém sabe onde fica o FMI? E o Banco Mundial, alguém lhe conhece uma agência que seja, ou mesmo uma simples caixa de multibanco? E no entanto ninguém duvida de que são eles, os donos do dinheiro, quem realmente manda no nosso destino colectivo, deixando para gente simples como António Guterres e Pinto da Costa a ilusão de uma autoridade que já não existe sequer nas super-esquadras.

Durante anos ouvi dizer que as eleições autárquicas são diferentes das outras, que o que conta aqui são as pessoas, mais do que os partidos. Não é verdade, como o demonstra a tendência bipolarizante do último domingo. O país dividiu-se, PS para um lado, PSD para o outro, deixando a CDU e o PP nas franjas do sistema.

Os comunistas, apesar da fama de bons gestores municipais, deixaram-se adormecer à sombra de umas quantas vitórias que, de tão anunciadas, pareciam inevitáveis. E foi o que se viu na Amadora, em Vila Franca ou no Montijo.

Os populares, por seu lado, viram-se reduzidos à ínfima expressão autárquica – e até o seu principal baluarte dos últimos 23 anos, a Câmara de Aveiro, passou para as mãos de um socialista.

É certo que o PS e o PSD também tiveram as suas derrotas, como aconteceu com a neo-liberal Zita Seabra, que, depois de um ambíguo «rumo à vitória», acabou por revelar-se uma  verdadeira candidata com paredes de vidro.

Mas nada disto representa uma verdadeira novidade eleitoral. Não houve um único presidente eleito pelo MRPP, pelo PSR ou mesmo pelo PSN – o que teria piada e seria uma prova radical de que os portugueses estão fartos dos políticos tradicionais. Em vez disso, decidiram agir de acordo com o «politicamente correcto» e distribuiram a generalidade dos municípios pelo PS e pelo PSD. Um verdadeiro bodo aos ricos, foi o que foi. De tal modo que até Macário Correia conseguiu ser eleito em Tavira.

O povo, já se sabe, gosta da estabilidade. Revoluções, crises políticas, vazios de poder, são coisas que não animam particularmente os portugueses, mais dados à manutenção da vidinha, como diria o O'Neill, do que a qualquer reviravolta digna desse nome.

Os 40 por cento de abstencionistas que se verificaram este ano são a prova disso mesmo. Podiam votar em branco ou contestar o sistema desenhando no boletim de voto um artefacto das Caldas. Em vez disso, porém, quase metade dos eleitores preferiram ficar a ver o Buereré e os jogos de futebol da liga espanhola. Afinal, a política é para os políticos e a nossa política é o trabalho, não foi assim que nos ensinaram?

Foi por estas e por outras do mesmo género que o professor Salazar ficou 40 anos no poder, de onde só saiu quando deixou de haver cadeiras disponíveis.

E é por estas e por outras que o poder autárquico, durante anos olhado como algo que podia marcar a diferença relativamente ao poder geral, corre o risco de se tornar, na prática, um poder ausente em parte incerta, tal e qual o FMI. Que é como quem diz: um poder rendido aos quartéis generais dos partidos. Que, como se sabe, estão todos em Lisboa.

TSF | 17.Dez.1997

Mais sugestões de leitura

  • Segundo andamento: dos fados Open or Close

    – Tens noção da importância que tiveste para as pessoas que não gostavam de fado e que acabaram por lá chegar através de ti?

    – Não terei essa noção plena, mas chegam-me regularmente comentários muito simpáticos. O que é que acontece? Eu tenho feito isto de uma forma muito serena, a minha conduta em termos do mundo do espectáculo é uma conduta serena. Eu não sou propriamente aquele cidadão que gosta de dizer a si próprio: «Ah, se eu não fosse português, teria feito isto e aquilo.» É mentira. Tenho feito aquilo que tenho podido, não me sinto mal com aquilo que tenho feito, não me sinto mal por ser português, bem pelo contrário. Mas eu acho que a gente, na vida, colhe muito do que semeia. E eu estou numa fase de colher o que semeei. E como, ao longo da minha vida, isto foi sempre uma permuta que fiz com as pessoas, e é uma coisa muito afectiva, as pessoas também sentem necessidade de conversar comigo.

    Ler Mais
  • A partilha da água Open or Close

    «Para mim é sempre bom ter uma oportunidade de estar junto das pessoas, de passar com elas bons momentos. Quanto mais vezes estivermos juntos, mais poderemos falar uns com os outros, mais poderemos aprender. Uns com os outros e uns sobre os outros.»
    No terraço de um hotel de Lisboa, Richie Havens fala-me assim da sua segunda visita a Portugal, desta vez para participar no espectáculo de encerramento do Festival «Dêem Uma Oportunidade à Paz». Aos 42 anos, quinze decorridos após Woodstock, Richie continua a parecer-se com os velhos hippies da geração de 60, embora sem deixar transparecer qualquer ponta de saudosismo em relação ao que foi feito pelos homens e mulheres do seu tempo.

    Se7e | 3.Ago.1983

    Ler Mais
  • O mundo segundo Carlos Paredes Open or Close

    Tenham a bondade, senhoras e senhores. Instalem-se bem. Depurem os tímpanos e afaguem a alma, para que não percam uma só nota daquilo que vão ouvir. Estes sons raros e delicados vêm de uma antiquíssima galáxia povoada de gente boa, onde o mais importante são os Amigos e as infinitas formas de partilhar com eles os sentimentos, os afectos, as emoções. Os Amigos, então. São eles, mais do que a própria guitarra que tanto venera, aquilo que acima de tudo importa no universo de Carlos Paredes. À volta da música surge a conversa, sempre em busca de um superior conhecimento do mundo. Para Mestre Paredes, as coisas são tão simples como respirar: «As pessoas gostam de me ouvir tocar guitarra, a coisa agrada-lhes e eles aderem. Não há mais nada.»

    Introdução ao CD O melhor de Carlos Paredes | 1998

    Ler Mais
  • Dos copos até à ponta Open or Close

    Portugal, que como país de poetas já é o que se sabe, corre o risco de se tornar também num país de pensadores: Santana Lopes pensa no estrangeiro, Manuel Monteiro pensa devagar, José Magalhães pensa via internet, enquanto Vasco Graça Moura pensa que voltará e Carlos Carvalhas continua apenso.

    Catálogo da exposição Filosofia de Ponta, de Júlio Pinto e Nuno Saraiva | 1996

    Ler Mais