Pipi de camarão

Mais de 15 toneladas de supostas moelas de galinha estão, desde a passada segunda-feira, retidas no porto de Leixões por suspeita de serem oriundas de Hong Kong, segundo noticiou ontem o Público.

De acordo com a notícia, um total de 15 mil 447 quilos de miúdos de frango terão sido descarregados de um navio vindo de Roterdão e foram retidas pelas autoridades portuguesas por suspeita de estarem contaminados com o virus H5 N1, responsável pelo recente surto da chamada «gripe das aves» que provocou vários mortos em Hong Kong.

Notícia posterior, divulgada ontem à tarde por algumas estações de rádio, revelava que, afinal, as moelas eram camarões e a sua origem era a Améria do Sul e não a antiga colónia britânica na China.
Mesmo admitindo que houve um erro inicial de apreciação que levou os técnicos a confundir as populares vísceras de frango com camarões de Espinho e a China com a América do Sul, esta não deixa de ser uma notícia alarmante.

Preocupa-me sobretudo a possibilidade implícita de um prato tão genuinamente lusitano como os pipis ser confeccionado a partir de aves nascidas e criadas no outro lado do mundo. Se é possível alguém importar moelas de Hong Kong, quem nos garante que, um dia destes, não estaremos a comer leitão da Bairrada produzido na Tailândia, tripas à moda do Porto feitas na Malásia ou alheiras de Mirandela fabricadas no Brasil?

Perante este cenário, deixa de ser possível acreditar que a mioleira que celebrizou o ministro Gomes da Silva fosse oriunda da Europa. Na verdade, é bem mais provável que se tratasse da massa cinzenta de uma vaca sagrada indiana do que de uma qualquer vaca louca europeia.

Depois de o strogonoff ex-soviético ter sido derrotado pelo hamburguer norte-americano e de a saborosa mas mal parecida fruta lusitana ter perdido terreno em favor das insípidas maçãs insufladas de Espanha, só faltava mesmo acabarem-nos com os pipis.

Por este andar, dentro de pouco tempo estaremos todos a beber vinho do Dão feito na Alemanha, água das pedras engarrafada na Sibéria e bagaço caseiro produzido na Argentina. Às tantas, sem nos darmos conta, hão-de servir-nos vitela de Lafões vinda directamente dos Alpes, queijo de Serpa fabricado em Marrocos e sopa de cação feita no Luxemburgo.

E, o que é o pior de tudo, há-de haver alguém a querer convencer-nos de que a pizza é um prato tipicamente transmontano e a coca-cola uma bebida inventada pelos monges de Singeverga.

Razão tinha o professor Salazar, que criava as suas próprias galinhas nos quintais de São Bento e só comia as batatas e as couves que D. Maria lhe trazia da praça. Pelo sim pelo não, acho que vou dedicar-me ao cultivo de espécies simples de vegetais e de uns quantos galináceos na varanda do meu prédio. Pode não ser muito prático, mas pelo menos fico com a certeza de que ninguém me vai servir moela chinesa por pipi lusitano.

TSF | 7.Jan.1998

Mais sugestões de leitura

  • A alma da música Open or Close

    E alguém me pede: canta.
    Alguém diz, tocando-me com seu livre delírio:
    canta até te mudares em cão azul,
    ou estrela electrocutada, ou em homem
    nocturno.


    Porque todos os pretextos são bons para trazer Herberto à conversa. E porque Mário Laginha criou um disco muito belo, idealizado e concretizado em visita à alma da música de Chopin na companhia de Alexandre Frazão e Bernardo Moreira. «Mongrel», o disco, teve o Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores, e ainda bem. Partilhemos uma valsa.

    Ler Mais
  • Alípio ou O milagre da vida Open or Close

    Alípio Cristiano de Freitas era um homem vulgar que se entregou ao destino invulgar de proclamar a fé em Deus como inseparável da fé nos homens. Que são deuses, também, assim o queiram – mas poucos se atrevem. Alípio atreveu-se. Viveu, sentiu, sofreu e sonhou em grau superlativo, esteve nos lugares onde era preciso sempre que era preciso, e nos outros também. Não consta que se tenha arrependido.

    Palavras de Amigos para Alípio de Freitas
    Edições Pangeia, 2017

    Ler Mais
  • Ler jornais é saber demais Open or Close

    Cada vez me custa mais a entender aquela teimosa mania que o professor Cavaco tinha de não ler jornais. É verdade que os jornais, por regra, estão cada vez mais pardos e menos interessantes. E é um facto que certos jornalistas são tão vergonhosamente ignaros e tão desprovidos de sentido ético, que até já pensei requerer a nova carteira profissional na categoria de «artista de variedades».
    Mas ainda assim, eu, que sou teimoso, continuo a ler jornais. Será um vício, talvez, mas o que hei-de fazer? Ontem mesmo, por exemplo, fiquei a saber pelo Diário de Notícias que a polícia não serve só para reprimir, de acordo com o terá dito o ministro Jorge Coelho. O que significa que, lá no fundo, a polícia deve ter alguma utilidade, ainda que ninguém, nem sequer o ministro, saiba dizer em rigor qual é.

    TSF | 21.Jan.1998

    Ler Mais
  • Cantigas de antes e depois de Abril Open or Close

    «Grândola, vila morena / Terra da fraternidade / O povo é quem mais ordena / Dentro de ti, ó cidade...» Vinte minutos passados sobre a meia-noite, os versos iniciais da canção de José Afonso fizeram-se ouvir por todo o país. Através do programa Limite, a Rádio Renascença entrava para a história como a estação de rádio que transmitia a confirmação para a saída dos quartéis dos militares que se preparavam para derrubar a mais velha ditadura da Europa. Era o princípio do fim de 48 anos de um regime político obtuso, nascido entre gritos e lágrimas, mas destinado a terminar no meio de uma grande festa.

    Introdução a E Depois do Adeus, antologia de canções | 2007

    Ler Mais