Que grande pedra

tsf11.jpg

Pela leitura da última edição do Expresso, ficámos a saber que «o Presidente Jorge Sampaio propôs na última semana aos líderes dos quatro maiores partidos a realização de um almoço comum contra a droga.»

Confesso que a notícia me encheu de curiosidade, quanto mais não seja porque, apesar de já ter assistido a corridas contra o racismo, manifestações contra as propinas, e até a marchas contra os canhões, nunca tinha imaginado que fosse possível fazer almoços contra a droga.

Espero que o repasto de Sampaio com António Guterres, Marcelo Rebelo de Sousa, Carlos Carvalhas e Manuel Monteiro se realize no Casal Ventoso - onde os convivas poderão mais facilmente discorrer sobre o assunto que irá juntá-los à mesa.

Na verdade, não creio que o restaurante panorâmico de Monsanto ou a sala de jantar do Palácio de Belém sejam lugares indicados para o mais alto dignitário da nação e os representantes de parte substancial do povo eleitor trocarem impressões sobre charros, chinesas e pastilhas de ecstasy.

Ao almoço, ainda segundo o Expresso, «deverão comparecer também os ministros com competências na área». Suponho que por lá passem a ministra da saúde e o tutor das polícias - dado que, como é sabido, em Portugal se continua a pensar que a toxicodependência se resolve com troca de seringas e de bastonadas, em doses mais ou menos equivalentes.

Ainda assim, para ser franco, confesso que me é difícil imaginar o que terão todos eles a dizer uns aos outros a respeito do nada pacífico tema da droga. Guterres poderá propôr uma solução de diálogo que pode passar, tal como José Luís Judas promete fazer em Cascais, pelo recenceamento dos arrumadores de automóveis - o que, está-se mesmo a ver, resolve de vez o problema da integração social dos drogadinhos.

O líder do PSD dirá, como é hábito, exactamente o contrário daquilo que disser o líder do PS. A não ser que a «viragem à esquerda» anunciada pelos sociais-democratas já tenha entrado em vigor e Marcelo decida reivindicar para si a legalização do haxixe e da marijuana.

Quanto a Monteiro, não se espera outra coisa que não seja a repetição da exigência de um referendo sobre o assunto, enquanto que Carvalhas poderá colocar a tónica no exemplo dos jovens comunistas que, graças à sua superioridade moral, nunca se drogaram nem voltam a drogar.

Perante este tristonho conjunto de previsões, espero que o padre Feytor Pinto não falte a este «almoço contra a droga» promovido por Jorge Sampaio. Com a sagacidade e o espírito lapalissiano que todos lhe conhecemos, o retirado líder do Projecto Vida poderá então reafirmar que o problema da droga se resolve quando os drogados deixarem de se drogar.

Não sei porquê, mas tenho a impressão que o presidencial «almoço contra a droga» vai acabar numa grandecíssima pedrada. E não será, com certeza, uma pedrada no charco.

TSF | 14.Jan.1998

Mais sugestões de leitura

  • A solução para a crise Open or Close

    Para começo de ano mau, isto está bom. Em poucas semanas, o desgoverno dos comissários da troica conseguiu provar aos mais descrentes que não há mesmo limites para a criatividade. Se lhes desse para o bem, Portugal seria fantástico.

    Ler Mais
  • O pássaro da ilha Open or Close

    O Zeca é um pássaro. Ele canta, encanta, inventa e reinventa, sem nunca cansar quem o ouve – e que o vê. Porque ver o Zeca é tão importante como ouvi-lo. Há quem o compare a Tom Waits, mas em palco ele faz sobretudo lembrar Jacques Brel – na entrega, no modo inteiro como interpreta as suas canções de amor e mágoa, esperança e desencanto e saudades de um futuro em que não desiste de acreditar, mesmo se o presente tantas vezes parece empenhado em desmenti-lo.

    Introdução ao espectáculo de José Medeiros no Teatro Micaelense | 2007

    Ler Mais
  • Animais nossos amigos Open or Close

    A pacatez da vida política portuguesa foi abalada há poucos dias com um curioso debate parlamentar em torno dos escalões do IVA a aplicar às comidas de cães e gatos, bem como a certas espécies de moluscos como as ostras.
    Na origem da interessante discussão esteve uma proposta, apresentada pela parlamentar socialista Rosa Albernaz (...) no sentido de descer de 17 para 12 por cento a taxa do IVA a aplicar aos "produtos alimentares para alguns animais da classe dos vertebrados", segundo explicou a deputada.

    TSF | 19.Nov.1997

    Ler Mais
  • Perompomperos e outros olés Open or Close

    Há um ano, uma centena de auto-intitulados «patriotas anti-espanhóis» manifestaram-se, no dia 1 de Dezembro, contra o iberismo, Miguel de Vasconcelos e a Volta a Espanha em Bicileta. «Antes morto que espanhol», apregoavam então os manifestantes, entre os quais se encontravam alguns africanos, presume-se que de língua oficial portuguesa.

    RCS | 2.Dez.1998

    Ler Mais