Que grande pedra

tsf11.jpg

Pela leitura da última edição do Expresso, ficámos a saber que «o Presidente Jorge Sampaio propôs na última semana aos líderes dos quatro maiores partidos a realização de um almoço comum contra a droga.»

Confesso que a notícia me encheu de curiosidade, quanto mais não seja porque, apesar de já ter assistido a corridas contra o racismo, manifestações contra as propinas, e até a marchas contra os canhões, nunca tinha imaginado que fosse possível fazer almoços contra a droga.

Espero que o repasto de Sampaio com António Guterres, Marcelo Rebelo de Sousa, Carlos Carvalhas e Manuel Monteiro se realize no Casal Ventoso - onde os convivas poderão mais facilmente discorrer sobre o assunto que irá juntá-los à mesa.

Na verdade, não creio que o restaurante panorâmico de Monsanto ou a sala de jantar do Palácio de Belém sejam lugares indicados para o mais alto dignitário da nação e os representantes de parte substancial do povo eleitor trocarem impressões sobre charros, chinesas e pastilhas de ecstasy.

Ao almoço, ainda segundo o Expresso, «deverão comparecer também os ministros com competências na área». Suponho que por lá passem a ministra da saúde e o tutor das polícias - dado que, como é sabido, em Portugal se continua a pensar que a toxicodependência se resolve com troca de seringas e de bastonadas, em doses mais ou menos equivalentes.

Ainda assim, para ser franco, confesso que me é difícil imaginar o que terão todos eles a dizer uns aos outros a respeito do nada pacífico tema da droga. Guterres poderá propôr uma solução de diálogo que pode passar, tal como José Luís Judas promete fazer em Cascais, pelo recenceamento dos arrumadores de automóveis - o que, está-se mesmo a ver, resolve de vez o problema da integração social dos drogadinhos.

O líder do PSD dirá, como é hábito, exactamente o contrário daquilo que disser o líder do PS. A não ser que a «viragem à esquerda» anunciada pelos sociais-democratas já tenha entrado em vigor e Marcelo decida reivindicar para si a legalização do haxixe e da marijuana.

Quanto a Monteiro, não se espera outra coisa que não seja a repetição da exigência de um referendo sobre o assunto, enquanto que Carvalhas poderá colocar a tónica no exemplo dos jovens comunistas que, graças à sua superioridade moral, nunca se drogaram nem voltam a drogar.

Perante este tristonho conjunto de previsões, espero que o padre Feytor Pinto não falte a este «almoço contra a droga» promovido por Jorge Sampaio. Com a sagacidade e o espírito lapalissiano que todos lhe conhecemos, o retirado líder do Projecto Vida poderá então reafirmar que o problema da droga se resolve quando os drogados deixarem de se drogar.

Não sei porquê, mas tenho a impressão que o presidencial «almoço contra a droga» vai acabar numa grandecíssima pedrada. E não será, com certeza, uma pedrada no charco.

TSF | 14.Jan.1998

Mais sugestões de leitura

  • Era uma vez uma Nina Open or Close

    Era uma vez uma menina nascida num país que já não existe. A história de Nina Govedarica poderia começar assim, mas a sua biografia está bem longe de ser um conto de fadas. Os olhos dela já viram mais do que à generalidade dos humanos costuma ser concedido, e nem tudo o que viu foram coisas belas.
    Nascida em Zagreb no início dos anos 70 do século passado, Nina Govedarica licenciou-se em Engenharia, mas seria na pintura que encontraria o caminho e a razão de ser da sua vida.

    Do catálogo de Contos sobre a floresta, ..., de Nina Govedarica | 2011

    Ler Mais
  • Uma espécie de poema, por ser hoje Open or Close

    Lembrança e afecto(a)ção de João do Rio Bizarro Teles, cidadão meu pai

    O dia em que nasci meu pai cantava
    versos que inventam os pastores do monte
    Fernando Assis Pacheco

    Do meu pai herdei uma tendência
    para os calos e as hérnias. O jeito
    para a inquietude, a miopia, memórias suaves,
    sinais nas costas, um nome capaz. Como todas
    as histórias, também esta poderia ser melhor (...)

    Ler Mais
  • Que é dos cantores de intervenção? Open or Close

    Estavam onde era preciso, sempre que era preciso. Uma viola, um microfone e um estrado a fazer de palco era quanto bastava para que houvesse espectáculo. A poesia estava na rua e as vozes dos cantores davam-lhe forma de modo claro e preciso, que o tempo não era para meias palavras. Eram os chamados «cantores de intervenção», para quem a arte era sobretudo um veículo de divulgação dos ideais políticos mais marcantes da época.

    Expresso | 25.Abr.1997

    Ler Mais
  • Vasco Gonçalves Open or Close

    Entre 18 de Junho de 1974 e 12 de Setembro de 1975, foi o Primeiro-Ministro de Portugal, e esse foi o tempo mais gratificante da sua vida. Aos 452 dias iluminados que então viveu, mais de dez mil horas quase todas vividas de olhos abertos, juntem-se-lhe todos os outros e as noites e as madrugadas acesas que fizeram o ano e meio da Revolução. (...) Vasco, o Companheiro Vasco, foi o único ocupante do Palácio de São Bento a quem o povo concedeu o gosto de tratar pelo nome próprio. Os adversários e os inimigos vingaram-se, inventando o gonçalvismo – tentanto resumir num homem aquilo que para eles era a fonte de todos os medos, mas que mal ou bem nascia dos mais puros anseios de um povo que, pela primeira vez na história recente, tinha como chefe do Governo um homem que o escutava e, mais importante, o compreendia.

    Ler Mais