Que grande pedra

tsf11.jpg

Pela leitura da última edição do Expresso, ficámos a saber que «o Presidente Jorge Sampaio propôs na última semana aos líderes dos quatro maiores partidos a realização de um almoço comum contra a droga.»

Confesso que a notícia me encheu de curiosidade, quanto mais não seja porque, apesar de já ter assistido a corridas contra o racismo, manifestações contra as propinas, e até a marchas contra os canhões, nunca tinha imaginado que fosse possível fazer almoços contra a droga.

Espero que o repasto de Sampaio com António Guterres, Marcelo Rebelo de Sousa, Carlos Carvalhas e Manuel Monteiro se realize no Casal Ventoso - onde os convivas poderão mais facilmente discorrer sobre o assunto que irá juntá-los à mesa.

Na verdade, não creio que o restaurante panorâmico de Monsanto ou a sala de jantar do Palácio de Belém sejam lugares indicados para o mais alto dignitário da nação e os representantes de parte substancial do povo eleitor trocarem impressões sobre charros, chinesas e pastilhas de ecstasy.

Ao almoço, ainda segundo o Expresso, «deverão comparecer também os ministros com competências na área». Suponho que por lá passem a ministra da saúde e o tutor das polícias - dado que, como é sabido, em Portugal se continua a pensar que a toxicodependência se resolve com troca de seringas e de bastonadas, em doses mais ou menos equivalentes.

Ainda assim, para ser franco, confesso que me é difícil imaginar o que terão todos eles a dizer uns aos outros a respeito do nada pacífico tema da droga. Guterres poderá propôr uma solução de diálogo que pode passar, tal como José Luís Judas promete fazer em Cascais, pelo recenceamento dos arrumadores de automóveis - o que, está-se mesmo a ver, resolve de vez o problema da integração social dos drogadinhos.

O líder do PSD dirá, como é hábito, exactamente o contrário daquilo que disser o líder do PS. A não ser que a «viragem à esquerda» anunciada pelos sociais-democratas já tenha entrado em vigor e Marcelo decida reivindicar para si a legalização do haxixe e da marijuana.

Quanto a Monteiro, não se espera outra coisa que não seja a repetição da exigência de um referendo sobre o assunto, enquanto que Carvalhas poderá colocar a tónica no exemplo dos jovens comunistas que, graças à sua superioridade moral, nunca se drogaram nem voltam a drogar.

Perante este tristonho conjunto de previsões, espero que o padre Feytor Pinto não falte a este «almoço contra a droga» promovido por Jorge Sampaio. Com a sagacidade e o espírito lapalissiano que todos lhe conhecemos, o retirado líder do Projecto Vida poderá então reafirmar que o problema da droga se resolve quando os drogados deixarem de se drogar.

Não sei porquê, mas tenho a impressão que o presidencial «almoço contra a droga» vai acabar numa grandecíssima pedrada. E não será, com certeza, uma pedrada no charco.

TSF | 14.Jan.1998

Mais sugestões de leitura

  • Sentido de estrado Open or Close
    A modorra estival foi subitamente agitada, dias atrás, pelas declarações de Zita Seabra no programa do estulto Mário Crespo. Segundo a ex-deputada, o PCP utilizou a debelada Fábrica Nacional de Ar Condicionado como fachada para tenebrosas missões de espionagem, levadas a cabo em conluio com caliginosos agentes da STASI durante a Guerra-Fria.
    Jornal do Fundão | 16.Ago.2012
    Ler Mais
  • Cantata em azul Open or Close

    Lembro-me das casas e das flores silvestres, do canto recatado à beira-ria por onde fugíamos à cavalgada na noite, das mulheres jovens que sorriam envergonhadas aos nossos devaneios. Lembro-me de como éramos belos e tontos, convencidos de que o mundo só avançava porque nós assim o desejávamos, crentes de que poderíamos fazer parar o tempo com as palavras mágicas do amor. Lembro-me de ouvir o rugido do mar e não ter medo. ...

    Ler Mais
  • O grande poeta menor Open or Close

    Torrencial, apaixonado, firme, exuberante, truculento, corajoso. Qualquer destes adjectivos cabe em José Carlos Ary dos Santos, mas nenhum deles chega para qualificar plenamente o homem, o poeta, o militante. Em Ary, o todo é sempre mais do que a soma das partes, e estas nunca são estanques entre si: Ary foi o poeta que foi por ser o militante que era, e não poderia ser uma pessoa diferente sem trair tudo aquilo que constituía a sua própria razão de ser.

    Diário de Notícias | 18.Jan.2014

    Ler Mais
  • Fados & Desgarrados Open or Close

    Fados & Desgarrados não é um simples livro de estreia de um autor recente. Isto porque nem o José Xavier Ezequiel é um autor recente no sentido mais rigoroso da expressão, nem estes Fados, pela sua estrutura e pela consistência que apresentam, têm as características habituais de uma «primeira obra».
    Trata-se, como afirmou Mestre Dinis Machado de «uma história revitalizada de ‘tristes, solitários e finais’, na expressão de Chandler depois recuperada por Osvaldo Soriano, e que foi durante muito tempo emblema do romance negro». Mas eu atrevo-me a dizer que é também algo mais do que isso.

    Apresentação de Fados & Desgarrados, de José Xavier Ezequiel | 2007

    Ler Mais