Repórter no encalço do Che

che03_hav380a.jpg

A gente conhece o Viriato Teles há muitas luas, ou não fosse ele um andarilho inveterado dos jornais e com diversos saltos pelos livros. Tudo o que o Viriato escreve é para ler. Homem da cepa séria dos jornalistas que não se perverteram... Daqueles que não se deixam arrebitar pelas alcatifas dos gabinetes ministeriáveis, daqueles que não iludiram a sua condição de ser de esquerda, da esquerda mais utópica, que é essa mesmo que vale para nós!

Olho para o Viriato amigo e desato a pensar em todos os corifeus que após o 25 de Abril eram de esquerda – era bem – e hoje dão lições de social-democracia com copo na mão e pança avantajada assente na secretária. Por isso digo que os textos do Viriato são para ler na sua textura não serviçal. Autêntica.

Nestes termos da conversa podia entrar num capítulo para discutir... Um autor direitista é para escorraçar, mandar às malvas? Só consideramos os de esquerda? Qual quê! Primeiro interessa-me o peso da escrita e se o autor for da condição de não dobrar a cerviz, tanto melhor, direita ou esquerda. Quem pode renegar um Ezra Pound ou um Celine? Eu não.

Pois o Viriato acabou de lançar para a rua A Utopia segundo Che Guevara. A escrita é a de um repórter, como ele avisa em preâmbulo: «As páginas que se seguem não são mais do que o caderno de um repórter que não tem a pretensão de fazer História, mas simplesmente deseja relatar o que viu, o que ouviu e o que, eventualmente, descobriu na sua faina profissional.»

Com o dedo no índice... Um primeiro capítulo aborda as histórias de um país cercado, onde Hemingway, Marx e Rimbaud são chamados à colação. Seguem-se mais três grandes temas, desde a Utopia segundo Che Guevara, passando pelos discursos directos – Félix Guerra, William Gálvez, Aleida Guevara e Canek Sánchez Guevara –, para tudo ser concluído com um capítulo onde despontam vinte e cinco canções para o Che. E nós apostados em cantar.

Desta empreitada à maneira de Viriato consta ainda um prefácio rubricado por Baptista-Bastos. Palavras fortes de BB, como sempre bem nos habituou, e escolho esta passagem: «(...) A ruptura começa em nós próprios: ser de Esquerda não nasce de uma convicção - obedece a um comportamento que, dia a dia, vamos aprendendo e, porventura, melhorando-o. Também isso Viriato Teles no-lo diz. Sem precisar de se servir das "mitologias" barthesianas para estabelecer o confronto entre aquilo que Che Guevara desejou e aquilo que as circunstâncias determinaram.»

Este é seguramente um livro que não interessa a certa gentalha, como aquele cavalheiro que preside ao CDS que há pouco tempo alcunhava o Che de terrorista. Faço ainda minhas as palavras de Baptista-Bastos, nestes termos escorreitos: «O homem cuja face grandiosa lembra a de um Cristo estigmatizado, ainda hoje faz tremer muita gente, ainda hoje faz estremecer o coração de mihões. Havia nele algo de divino porque era simplesmente um homem.»

Epicur | Março-Abril 2006

Mais sugestões de leitura

  • Um homem de carácter Open or Close
    José Vilhena, o mais importante humorista português contemporâneo, fez recentemente 85 anos. Mas, com excepção da meia dúzia de amigos e admiradores que estiveram presentes numa pequena homenagem organizada em Lisboa pelo Museu da República e Resistência, quase ninguém se deu conta da efeméride.
    Jornal do Fundão | 19.Jul.2012
    Ler Mais
  • Tomai, isto é o meu corpo Open or Close

    «Não podemos demorar mais de dez minutos.» Com estas palavras pouco animadoras, Marcel Marceau recebe-me à porta do camarim 105 do Casino Estoril, cerca de hora e meia antes do início do último dos dois espectáculos que apresentou no VIII Festival de Música da Costa do Estoril, que se realizou em Agosto de 1982. Ali, sem maquilhagem, é difícil reconhecer naquele homenzinho de 59 anos, os traços do “clown” que, em palco, assume as figuras ora ternas ora grotescas das suas personagens. Apenas os olhos vivos e a expressão sonhadora que se liberta ao longo da conversa revelam a identidade do mimo mais famoso do mundo.

    Ler Mais
  • Nós, os que voámos Open or Close

    Éramos jovens e pensávamos. Lembro-me: a cidade ainda não existia, Ílhavo era apenas Ílhavo, heróico poema das canções do Professor Guilhermino, vila maruja dada a devaneios de aquém e de além mar, traduzidos em histórias que o tempo transformou em lendas. Lembro-me dos doidos e dos outros, dos temores e das dúvidas, dos silêncios, dos beijos tímidos. Lembro-me também que por vezes era de noite e levavam-nos os amigos ou a família, para a guerra ou para a prisão. Havia medo, apesar da inocência que exibíamos nesses tempos. Mas havia também outra gente e outra ainda, muita gente. E foi assim que se chegou ao tempo da revolução, o tempo da revelação.

    Prefácio a Marginal - Poemas breves e cantigas, de Vieira da Silva | 2002

    Ler Mais
  • A solução para a crise Open or Close

    Para começo de ano mau, isto está bom. Em poucas semanas, o desgoverno dos comissários da troica conseguiu provar aos mais descrentes que não há mesmo limites para a criatividade. Se lhes desse para o bem, Portugal seria fantástico.

    Ler Mais