Apresentação em Lisboa e Porto

A nova edição revista e aumentada de As Voltas de um Andarilho foi lançada em Lisboa no dia 17 de Novembro de 2009, durante uma sessão muito concorrida no Museu da República e Resistência. O jornalista João Paulo Guerra fez a apresentação do livro e do autor e os Couple Coffee cantaram vários temas de José Afonso. Duas semanas depois, a 5 de Dezembro, foi a vez de apresentar o Andarilho na cidade do Porto. A sessão decorreu na Associação Tane Timor, onde Rui Pato, que foi o principal e mais regular acompanhante de José Afonso nos anos 60, fez a apresentação do livro e partilhou com os presentes alguns excertos da numerosa correspondência que trocou com Zeca e que, até agora, nunca tinha sido lida publicamente. A sessão, organizada pelo núcleo do Norte da Associação José Afonso no âmbito das celebrações dos 80 anos de Zeca, decorreu no espaço acolhedor da Associação Tane Timor, na Ribeira, e contou com uma intervenção musical de João Teixeira - além do próprio Rui Pato, que lembrou os acordes originais de "Balada de Outono" e "Os Vampiros".

© António Fazendeiro (1 a 8), Lígia Cardoso (10, 12, 14, 15) e Paulo Moura (9, 11, 13, 16)

Mais sugestões de leitura

  • Zeca de corpo e alma Open or Close

    Tenho para mim que o mais difícil de cada vez que alguém pretende fazer novas versões de temas antigos – sobretudo de canções tão marcantes como são, por regra, todas os de Zeca – é que não basta ser fiel à forma e ao conteúdo dos originais, mas é sobretudo importante manter intacto o seu espírito. Porque cada canção tem uma alma própria, que é preciso respeitar e manter intacta, por maiores que sejam as transformações, legítimas, que o corpo possa sofrer. E é isso que se sente neste disco ..

    Introdução ao CD Abril, de Cristina Branco | 2007

    Ler Mais
  • A formiga que canta Open or Close

    Lisboa, 25 de Março de 1982. Faltam dez minutos para as onze da manhã e Léo Ferré espera-me no átrio do hotel onde combinámos encontrar-nos. Uma vez perguntaram-lhe: «Então tu dizes que és anarquista, mas cumpres horários e páras nos sinais vermelhos?» E ele: «Precisamente porque sou anarquista.» Apenas outra forma de dizer o que já tinha escrito: «Le désordre c’est l’ordre moins le pouvoir.» Pois é.

    Ler Mais
  • Factura exposta Open or Close

    Quisera que tudo fosse sempre deste modo
    e a revolução se fizesse
    um pouco mais que um sonho
    a despertar nos teus olhos livres.

    Ler Mais
  • A magia da criação Open or Close

    Luísa Amaro é como se chama a mulher que dá vida e alma a estas músicas, seguida de perto por Miguel Carvalhinho. Habituámo-nos a ouvir a guitarra portuguesa tocada por mãos viris, mas o que aqui se nos revela é um lado outro desse instrumento delicado, talvez aquilo que explica o segredo dos mestres, sabedores de que a guitarra é um ser sensível, guardador de muitas emoções, nem sempre ao alcance da vontade de quem a toca.

    Introdução ao CD Canção para Carlos Paredes de Luísa Amaro | 2004

    Ler Mais