Apresentação em Lisboa e Porto

Apresentação em Lisboa e Porto

A nova edição revista e aumentada de As Voltas de um Andarilho foi lançada em Lisboa no dia 17 de Novembro de 2009, durante uma sessão muito concorrida no Museu da República e Resistência. O jornalista João Paulo Guerra fez a apresentação do livro e do autor e os Couple Coffee cantaram vários temas de José Afonso. Duas semanas depois, a 5 de Dezembro, foi a vez de apresentar o Andarilho na cidade do Porto. A sessão decorreu na Associação Tane Timor, onde Rui Pato, que foi o principal e mais regular acompanhante de José Afonso nos anos 60, fez a apresentação do livro e partilhou com os presentes alguns excertos da numerosa correspondência que trocou com Zeca e que, até agora, nunca tinha sido lida publicamente. A sessão, organizada pelo núcleo do Norte da Associação José Afonso no âmbito das celebrações dos 80 anos de Zeca, decorreu no espaço acolhedor da Associação Tane Timor, na Ribeira, e contou com uma intervenção musical de João Teixeira - além do próprio Rui Pato, que lembrou os acordes originais de "Balada de Outono" e "Os Vampiros".

© António Fazendeiro (1 a 8), Lígia Cardoso (10, 12, 14, 15) e Paulo Moura (9, 11, 13, 16)

Mais sugestões de leitura

  • Minha cabeça estremece Open or Close

    Minha cabeça estremece com todo o esquecimento.
    Eu procuro dizer como tudo é outra coisa.
    Falo, penso.
    Sonho sobre os tremendos ossos dos pés.
    É sempre outra coisa,
    uma só coisa coberta de nomes. (...)

    Herberto Helder

    Ler Mais
  • Um golpe de mestre Open or Close

    Não há melhor meio de desvalorizar uma mensagem do que descredibilizar o mensageiro. E é isso, em primeiro lugar, que sobressai do triste folhetim natalício desenvolvido a partir do alegado currículo inventado do não menos alegado professor Artur Baptista da Silva.

    Jornal do Fundão | 10.Jan.2013

    Ler Mais
  • Um disco, um estúdio, uma história Open or Close
    A imagem é um retrato quase banal: um homem e uma caixa de viola numa estação de comboios, um relógio onde ainda não são duas horas, um cartaz na parede com o mesmo homem e a mesma viola, gente normal em volta. O homem da viola é Sérgio Godinho, a estação, lê-se no painel de azulejo sobre a porta, é Campolide. Há 35 anos, o homem, a viola e a estação tornaram-se num disco com dez canções sem tempo.
    Notícias de Campolide | Set.2014
    Ler Mais
  • Humana forma de vida Open or Close

    «Eu não passei pela vida, a vida é que passou por mim», dizia. E assim, entre a sua estreia (aos 19 anos, no Retiro da Severa), e a sua última actuação pública, em 1994, Amália nunca deixou de se surpreender com o que a vida lhe deu. (...) Amália sobreviveu às transformações sociais e políticas do seu país, e quando deixou o mundo dos vivos, a 6 de Outubro de 1999, era já uma figura consensual. Pelos quatro cantos do mundo, por onde andou, a sua voz continua a fascinar, vencendo a morte. Porque é humana, como a sua história.

    Ler Mais