Grândola no mundo

smaia.jpg

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Até hoje, Grândola continua a ser o tema de Zeca mais vezes gravado, contando com cerca de meia centena de versões registadas em disco*, algumas delas verdadeiramente preciosas – como a tocante recriação que dela fez Nara Leão, logo após o 25 de Abril, ou o magnífico arranjo instrumental de Charlie Haden incluído no álbum The Ballad of the Fallen, editado em 1982. Ou ainda a versão balanceada que Gregg Moore, músico norte-americano de alma alentejana, criou para os Macacos das Ruas de Évora, já no século XXI.

Mas o historial das versões de temas de José Afonso interpretados por outras vozes começa logo no início da década de 60 com um dos seus amigos mais chegados e que foi, com ele, o principal responsável pelo grande movimento de renovação da música portuguesa: Adriano Correia de Oliveira que, logo em 1961, grava Balada da Esperança (um tema que mais tarde será regravado por Zeca com o título Canção do Vai... E Vem) num primeiro EP de «fados de Coimbra».

De resto, Adriano terá sido também o primeiro intérprete de Menina dos Olhos Tristes (música de JA sobre poema de Reinaldo Ferreira), numa versão publicada, ao que tudo indica, em 1964 – cinco anos antes de Zeca a gravar. Refira-se ainda, a título de curiosidade, que este poema de Reinaldo Ferreira foi objecto de pelo menos mais duas adaptações, diferentes da que cantam Zeca e Adriano: uma por Luís Cília, em 1965 (publicada em França no disco “Portugal resiste”, edição Cercle du Disque Socialiste), e outra por Manuel Freire, editada em 1969. Ambas são por vezes referidas como sendo versões da música de Zeca, quando na verdade se trata de composições absolutamente distintas.

As primeiras edições de músicas de Zeca fora de Portugal surgem referenciadas logo em 1963, num disco gravado em França por Germano Rocha que inclui três temas de JA publicados pouco tempo antes: Os Vampiros, No Lago do Breu e Menino do Bairro Negro. Neste disco, surgem ainda com o acompanhamento tradicional do fado de Coimbra, a cargo de Ernesto de Melo e Jorge Godinho (guitarras), José Niza – identificado neste trabalho como Niza Mendes – e Durval Moreirinhas (violas). Dirigido ao público francês, a guitarra era aqui denominada como «guitarre portugaise» e a viola como «guitarre espagnole», tal como sucede no disco seguinte deste intérprete, onde se inclui outro tema de JA, Tenho Barcos, Tenho Remos.

Outro tema da mesma época – e que de certo modo pode considerar-se um dos primeiros êxitos de Zeca – é Menino d’Oiro, regravado em 1964 por um grupo que faz parte da pré-história do pop-rock lusitano: Os Titãs, que contavam na sua formação com aquele que muitos anos depois veio a ser um dos patrões da indústria discográfica portuguesa, Carlos Pinto. O grupo, que se assumia como uma espécie de versão lusa dos Shadows, veio a incluir alguns anos depois na sua formação o actual dirigente do Partido Socialista José Lello.

Logo após Abril de 74, as gravações por terceiros de temas de José Afonso sucederam-se, a par com as numerosas colectâneas de «canções revolucionárias» onde quase invariavelmente Grândola estava presente. É neste contexto, onde oportunidade e oportunismo frequentemente se confundiram, que surgem algumas gravações curiosas – e com certeza impensáveis noutras circunstâncias. Por exemplo: um disco de Shegundo Galarza integralmente preenchido por músicas de Zeca, José Mário Branco e Sérgio Godinho; uma versão luso-brasileira de Grândola, vila morena, por Roberto Leal; ou a senha da revolução tocada em compasso paramilitar pela Banda do Batalhão de Caçadores 5.

(...)

* Na selecção áudio incluída nesta página podem ouvir-se, além da versão original de José Afonso, as interpretações de "Grândola" por: Macacos das Ruas de Évora, Charlie Haden e Carla Bley, Nara Leão, Amália Rodrigues, Andrés Stagnaro, Betagarri, 365, Franz Josef Degenhardt, Gamma Ray Blast, Sandino e Van De Gekken.

Mais sugestões de leitura

  • O grande poeta menor Open or Close

    Torrencial, apaixonado, firme, exuberante, truculento, corajoso. Qualquer destes adjectivos cabe em José Carlos Ary dos Santos, mas nenhum deles chega para qualificar plenamente o homem, o poeta, o militante. Em Ary, o todo é sempre mais do que a soma das partes, e estas nunca são estanques entre si: Ary foi o poeta que foi por ser o militante que era, e não poderia ser uma pessoa diferente sem trair tudo aquilo que constituía a sua própria razão de ser.

    Diário de Notícias | 18.Jan.2014

    Ler Mais
  • Que gente é esta? Open or Close

    A agressão de que Manuel Rocha foi vítima, em Coimbra, é sobretudo reveladora do estado a que chegou não apenas o país, mas sobretudo o povo que vive nele. Os que nessa noite passaram ao largo da agressão ao músico são da mesma massa dos que, na véspera, voltaram a escolher o cinzentismo e a mesquinhez em formato presidencial. Não, não é contra Cavaco que estou. O que me irrita é mesmo esse «Portugal rançoso, supersticioso e ignorante, que tarda em deixar a indolência preguiçosa» de que fala o Baptista-Bastos. É essa, afinal, a mais triste evidência do episódio de Coimbra-B. A mão que elegeu Cavaco não foi a mesma que agrediu Manuel Rocha. Mas foi, com certeza, a que não se ergueu para o defender.

    Ler Mais
  • O novo fôlego do grupo que nunca o foi Open or Close

    Há 40 anos nascia um dos projectos mais originais de sempre da música portuguesa: a Banda do Casaco, um grupo incatalogável que se transmudava em cada um dos sete discos que gravou e que deixou um contributo único e irrepetível na música portuguesa. A obra completa está finalmente reunida, numa edição muito apetecível.

    QI | Diário de Notícias | 30.Nov.2013

    Ler Mais
  • Elogio e memória do Parque Mayer Open or Close

    Isto que aqui vedes já foi um lugar sagrado. Não que aqui se adorasse uma divindade qualquer, ou que houvesse neste intramuros espaço para o sacrifício de que os deuses, todos, parecem sempre tão sequiosos. Não. Por aqui passaram gerações inteiras, aqui se viveram muitos momentos de ilusão e de glória, que são, como se sabe, faces irmãs da mesma moeda. A casa que, teimosa, insiste em manter-se de pé no meio deste quase-nada em que o Parque Mayer se transformou é um símbolo vivo desse tempo. Aqui mora ainda hoje o Mário Alberto, pintor e cenógrafo, anarquista e lutador, militante do prazer e sumo-sacerdote da vida. Com sorte poderíamos cruzar-nos com ele numa qualquer tarde – nunca de manhã, que essa fez-se para aplacar o corpo e preparar a alma para a noite que se seguirá – subindo ou descendo a Avenida, em passo lento mas firme e determinado, olhando as mulheres que passam.

    Zoot | Primavera 2006

    Ler Mais