O Andarilho na Imprensa

andarilho200h.png

A segunda edição de As Voltas de um Andarilho esteve em destaque nos programas À Volta dos Livros, de Ana Aranha (Antena 1) e A Força das Coisas, de Luís Caetano (Antena 2) e foi também mote para uma conversa de Paula Moura Pinheiro com o escritor Luís Sepúlveda, no magazine Câmara Clara, da RTP 2. Ouça aqui o que foi dito nessas emissões:

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Algumas notas críticas sobre a 1ª edição

Em Portugal, a figura artística e humana de José Afonso vem sendo protagonista desde há algum tempo de uma já densa bibliografia, de que é bom exemplo As Voltas de um Andarilho, livro escrito pelo jornalista Viriato Teles e avalizado pelas suas três edições em português. Nesta ocasião, o autor baseou o seu trabalho numa meticulosa pesquisa de hemeroteca para elaborar um volume em que compila uma série de entrevistas através das quais se nos mostra no seu conjunto a personalidade humana deste criador, ambivalente na sua dupla faceta artístico-social.

Xoán Manuel Estévez Batonga! - Janeiro-2003

Obra rigorosa, documentada com textos já esquecidos, é, sem dúvida, para além de referência na arte da entrevista, um trabalho que vem somar à escassa bibliografia sobre música portuguesa, disponibilizando material de qualidade sobre a vida e obra de José Afonso.

Boletim da Associação José Afonso - 2001

[As Voltas de um Andarilho] assumiu-se desde o início como um testemunho empenhado e emotivo não apenas sobre a obra e a personalidade admiráveis do autor de Grândola, Vila Morena mas também sobre o estado de espírito que por algum tempo dominou os seus companheiros de aventuras em meados da década de 80.

Jorge P. Pires Expresso, 22-7-2000

Este livro ajuda a que se não perca a recordação daquele que é muitas vezes chamado o "pai" da música de intervenção.

Avante! 24-2-2000

Escrito sob a boa manta da subjectividade, o livro é um retrato (...) de um tempo no jornalismo português em que os profissionais não tinham vergonha dos seus próprios sentimentos e emoções.

Pedro Rolo Duarte DNA - Diário de Notícias - 19-2-2000

Um marco na arte da entrevista, que o seu autor sempre dominou com inegável talento e mestria. (...) Uma obra de grande fôlego, rigorosa e documentada.

Mário Correia Revista MPP - 2000

Mais que biográfico, [é o] relato de um percurso, de uma música, de uma poética, de uma ética.

Rogério Rodrigues Grande Amadora - 17-2-2000

Uma memória que não se esgota no mero esquematismo biográfico.

Fernando Paulouro Neves Jornal do Fundão - 11-2-2000

Fragmentos de escrita a sublinhar o génio do homem, do poeta, do músico.

Nuno Pacheco Público - 8-1-2000

O livro de Viriato Teles sobre Zeca Afonso é dos livros mais sérios que se escreveram sobre o cantor e o poeta (...) um livro comprometido (e ainda bem) com a música e as manifestações de cidadania de Zeca Afonso.

Pedro Castelhano Grande Amadora - 16-12-1999

Mais sugestões de leitura

  • O grande poeta menor Open or Close

    Torrencial, apaixonado, firme, exuberante, truculento, corajoso. Qualquer destes adjectivos cabe em José Carlos Ary dos Santos, mas nenhum deles chega para qualificar plenamente o homem, o poeta, o militante. Em Ary, o todo é sempre mais do que a soma das partes, e estas nunca são estanques entre si: Ary foi o poeta que foi por ser o militante que era, e não poderia ser uma pessoa diferente sem trair tudo aquilo que constituía a sua própria razão de ser.

    Diário de Notícias | 18.Jan.2014

    Ler Mais
  • Um coração sobre o mundo Open or Close

    (...) E no entanto Carlos Paredes foi, sempre, um ser atento à realidade. Basta ouvir-lhe as músicas, que são o maior e mais autêntico reflexo da alma lusitana. Ou ler os seus textos (e como escrevia bem, este Paredes!) em que, detalhada e apaixonadamente, reflectia sobre as mais diversas questões da vida. Ou tê-lo visto alguma vez em palco, onde construía um permanente diálogo com quem o escutava, com a humildade de que só os grandes génios são capazes.
    Quando, há uns anos, foi condecorado pelo então Presidente da República, Mário Soares, por ocasião de um 10 de Junho, fui encontrá-lo, discreto, no foyer do São Carlos, depois da cerimónia, distribuindo abraços, daquela forma sincera que o caracterizava. «Isto é bom: sempre se encontram uns amigos», disse-me então, alheio à snobeira bacoca que sempre rodeia estes momentos.

    A Capital | 24.Jul.2004

    Ler Mais
  • Silêncios sem preço Open or Close

    Agora, António Ferra propõe-nos estes Silêncios Comprados. São três histórias de subúrbios e de gente igual a toda a gente. Neste livro há personagens que vivem «entalada[s] entre marquises de alumínio» em bairros onde os passeios «estão cheios de carros mal intencionados», há imigrantes ucranianos e brasileiros e sãotomenses, uma mulher mal-casada com um tecnocrata (o que até é capaz de ser um bocado pleonástico...), um cão à chuva, gente à procura dos significados do amor nas escadas intermináveis de um prédio de Lisboa. São gente sem rosto, mas com nome, afinal gente igual a toda a gente, com as mesmas angústias, os mesmos medos, as mesmas dúvidas.

    Apresentação de Silêncios Comprados, de António Ferra | 2007

    Ler Mais
  • Um pássaro igual a ti Open or Close

    Com Zeca e os seus companheiros aprendemos, ainda, que é muito menos fácil formular perguntas que encontrar respostas. Que as veleidades da ‘vida artística’, na qual ele nunca se encaixou, são como os foguetes de romaria, que desaparecem no ar após um instante de brilho e que, portanto, o importante é estar vivo, ter como única certeza a inquietação permanente. Há coisas assim, que parecem impossíveis. Depois vêm as inevitáveis cortesias-de-velórios, mas quanto a isso estamos conversados. Afinal somos um país de homenagens póstumas, não é? Que o digam o Adriano, Jorge de Sena, Fernando Pessoa. Que o diga agora o Zeca, ele que foi sempre tão dado a encolerizar-se com estas coisas.

    Ler Mais