Como é que ele conseguiu?

A minha primeira impressão deste livro é a pesquisa exaustiva que o autor fez dos entrevistados. Quando a gente termina aquela leitura já estamos prontos para dar um mergulho na entrevista e já o fazemos com água na boca. Quase como quando um requintado cozinheiro envia para a mesa uma travessa apetitosíssima, suculenta, que a gente fica doido para devorar. Isso, para além do talento deste autor, que tem muito a ver com a honestidade profissional, do apuro e do contentamento de quem a escreve.

Recordo-me que há uns anos um jornalista gordo, talvez com pouco mais de 30 anos, pediu-me uma entrevista. Chegou a minha casa, sentou-se no sofá, colocou um caderno num joelho e disse-me: «Olhe, eu quero avisá-lo que vivi alguns tempos no estrangeiro e sei muito pouco de si». Eu levantei-me e disse-lhe: «Então faça o favor de sair e quando aprender volte cá». E nunca mais voltou.

«Bocas de Cena» é um livro excelente com uma dezena de entrevistados inatingíveis, e a pergunta é: Como é que ele conseguiu? A entrevista com a Amália é – que eu tenha lido – das mais conseguidas. A Amália era muito mais um ser falante do que um ser conversante e o Viriato, não sei com que artes mágicas, conseguiu desatarrachar-lhe a timidez de tal forma que deve ter tido uma grande mão de obra para a calar. Nunca visto.

Notável também a entrevista com o Léo Ferré, com a sua marginalidade à tona e que me fez lembrar a frase do Millôr Fernandes: «Não sou um homem livre, mas poucos estiveram tão perto.» Na linha da Juliette Greco.

O Chico Buarque, brilhante como sempre foi. O Marcel Marceau que lhe deu apenas dez minutos de conversa, mas para o tempo oferecido sacou-lhe uma entrevista riquíssima. E com o Yupanqui, um homem puro, fascinante.

Estas são as que mais me tocaram.

Estranhamente, a entrevista com o Mário Viegas não levantou fervura e era dele de quem eu mais esperava, porque o considero um dos actores mais brilhantes e uma das personalidades mais fascinantes que por aqui andaram. Ficará para outra vez, Viriato.

Apresentação de Bocas de Cena | Casino Estoril | 13.Maio.2003

Mais sugestões de leitura

  • Cantigas de antes e depois de Abril Open or Close

    «Grândola, vila morena / Terra da fraternidade / O povo é quem mais ordena / Dentro de ti, ó cidade...» Vinte minutos passados sobre a meia-noite, os versos iniciais da canção de José Afonso fizeram-se ouvir por todo o país. Através do programa Limite, a Rádio Renascença entrava para a história como a estação de rádio que transmitia a confirmação para a saída dos quartéis dos militares que se preparavam para derrubar a mais velha ditadura da Europa. Era o princípio do fim de 48 anos de um regime político obtuso, nascido entre gritos e lágrimas, mas destinado a terminar no meio de uma grande festa.

    Introdução a E Depois do Adeus, antologia de canções | 2007

    Ler Mais
  • O fim do mundo Open or Close
    Infelizmente, ainda não foi desta. Apesar de anunciado com algumas centenas de anos de antecedência, o fim do mundo que muitos esperavam voltou a ser adiado. Pelos vistos, os maias são como a Maya e o sinistro Gaspar: não acertam uma. E como eu gostava que o mundo tivesse acabado. Não propriamente o meu, nem o dos caríssimos leitores, mas este mundo imundo de coelhos e relvas e cavacos e portas e borges e merkls e troikas, de todas as adultas e descompassadas bestas que tresmalham as nossas vidas e assassinam os nossos sonhos.
    Jornal do Fundão | 27.Dez.2012
    Ler Mais
  • Desabafos de um repórter que ainda acredita na paixão Open or Close

    Quando, em 1983, os jornalistas se reuniram pela primeira vez em congresso para debater a «liberdade de expressão, expressão da liberdade», o meu amigo e companheiro Fernando Alves provocou algum escândalo entre a classe ao anunciar que «os jornalistas portugueses estão a atingir o princípio de Peter da dignidade».

     III Congresso dos Jornalistas Portugueses | 1998

    Ler Mais
  • Vaticano, SA Open or Close

    A Pepsi e a Mercedes são duas das 23 empresas que custearam a mais recente viagem do Papa ao continente americano. Não tanto por fé em Deus, mas no Mercado, omnipresente como Ele. A notícia surgiu timidamente, diluída nos relatos da mais recente visita papal ao México, com passagem pelos EUA, como se os redactores e os editores dos diversos órgãos de comunicação não levassem muito a sério o facto em si e decidissem reduzi­-lo a um simples pormenor. E, no entanto, este pormenor é que é verdadeiramente a notícia da visita de Karol Woytila ao México. Uma visita que (ficámos a sabê-lo pela Antena 1 e pelo Diário de Notícias, dos poucos que ousaram dar conta do sucedido) contou com "o patrocínio da Pepsi Cola, da Mercedes e de mais 23 empresas privadas". Assim mesmo.

    Grande Amadora | 28.Jan.1999

    Ler Mais