Versos na margem da folha

Nascido em Ílhavo, desde 79 que Viriato Teles é jornalista, passando pelas redacções de O Diário, Sete, O Bisnau, O Jornal, Visão, O Inimigo, entre outras colaborações. Dirigiu programas de televisão, foi cronista "de escárnio e maldizer" na TSF e autor de canções premiado. Em 83 publicou Zeca Afonso: as voltas de um andarilho e é, actualmente, o nosso chefe de redacção do GrandAmadora. Alguns amigos terão recebido, como presente ou amortização de uma dívida, uma pequena edição caseira de alguns dos poemas de Viriato Teles, mas Margem Para Dúvidas é a sua primeira obra poética, para quem só o possa conhecer segundo as leis do circuito comercial.

Quem abra o livro e leia o prefácio afectuoso de Fernando Alves, não está preparado para um murro no estômago. Que não é um murro anónimo, tem título: Três Olhares sobre Manágua, um elogio à loucura nas noites claras de outro continente. Também um murro com uma data, o ano de 84, para o poeta registar o desejo de impossível e os amigos "felizmente loucos". Mas neste livro de quase um cento de páginas, Viriato Teles visita a noite de muitas cidades, reencontra amigos enquanto desencontra revoluções e outros sonhos transgressores.

Nos dois capítulos que se seguem, Factura Exposta e Outras Paisagens, acompanhamos as andanças do autor - suponho que quase sempre em reportagem - e é-nos iluminado esse recanto que o repórter deve, por questões deontológicas, omitir da sua prosa regular. Conhecemos os olhos de Julieta reiventada numa estadia em Verona; levamos outro murro no estômago ao saber da tristeza nos olhos de Peter Arnett, em directo, satélite e tudo, desde as ruínas de Bagdad e sabemos da alegria quando o mundo volta a ver os olhos de Mandela.

Viriato Teles transporta para o seu verso a disciplina da escrita dos jornais, mas substitui o facto pela candura, o relato pela indignação. Senta-se à mesa da esplanada e vê o mundo acontecer. Estende a toalha de papel e enquanto relata a história com a mão exacta do repórter, vai cantando a poesia da história com a outra mão, mais lenta, com mais tempo para se enrolar num copo ou acender um cigarro.

Em Cavaqueira, o capítulo seguinte, satiriza o ritmo dos dias com ingenuidade que só um sátiro, a tentar fazer o verso pequenino que o faz tão grande, a ridicularizar os tempos modernos dos pensos higiénicos tão eficientes que "o meu namorado nem sequer nota que eu estou com o período". Mas a partitura fecha em tons de carinho, o poeta embevecido com o nascimento de um filho, no final a nota tónica é a esperança de uma nova geração que não tenha que se desiludir.

Viriato Teles, a escrevinhar o azedume das desilusões ou a doçura das esperanças, faz lembrar um gato que vai arranhando e arranhando na porta até que lhe dêem de comer ou que o mundo se decida a mudar um bocadinho. No tempo do pimba que, não se enganem!, já contamina há muito a poesia portuguesa; num país de hinos e odes heróicas, enfim, num país de poetas, felizmente também há quem se ocupe de fazer versos.

GrandAmadora | 16.Set.1999

Mais sugestões de leitura

  • Algumas opiniões Open or Close

    Excertos de opiniões publicadas na Imprensa acerca de Margem para Dúvidas.

    Ler Mais
  • O fim do mundo Open or Close
    Infelizmente, ainda não foi desta. Apesar de anunciado com algumas centenas de anos de antecedência, o fim do mundo que muitos esperavam voltou a ser adiado. Pelos vistos, os maias são como a Maya e o sinistro Gaspar: não acertam uma. E como eu gostava que o mundo tivesse acabado. Não propriamente o meu, nem o dos caríssimos leitores, mas este mundo imundo de coelhos e relvas e cavacos e portas e borges e merkls e troikas, de todas as adultas e descompassadas bestas que tresmalham as nossas vidas e assassinam os nossos sonhos.
    Jornal do Fundão | 27.Dez.2012
    Ler Mais
  • Vaticano, SA Open or Close

    A Pepsi e a Mercedes são duas das 23 empresas que custearam a mais recente viagem do Papa ao continente americano. Não tanto por fé em Deus, mas no Mercado, omnipresente como Ele. A notícia surgiu timidamente, diluída nos relatos da mais recente visita papal ao México, com passagem pelos EUA, como se os redactores e os editores dos diversos órgãos de comunicação não levassem muito a sério o facto em si e decidissem reduzi­-lo a um simples pormenor. E, no entanto, este pormenor é que é verdadeiramente a notícia da visita de Karol Woytila ao México. Uma visita que (ficámos a sabê-lo pela Antena 1 e pelo Diário de Notícias, dos poucos que ousaram dar conta do sucedido) contou com "o patrocínio da Pepsi Cola, da Mercedes e de mais 23 empresas privadas". Assim mesmo.

    Grande Amadora | 28.Jan.1999

    Ler Mais
  • Amor sem palavras Open or Close

    (...) quando se converte num mito um homem que foi justo, honesto, valente, está-se a separá-lo das pessoas. E o meu pai era um homem, de carne e osso, com virtudes e defeitos como toda a gente. Era um homem muito completo, talvez um homem único, mas como homem que era pode ser imitado, pode ser igualado e pode ser superado. É difícil fazê-lo, reconheço, em algumas coisas será praticamente impossível. Mas, como é tão humano como eu, está ao meu nível e eu posso fazê-lo se a isso me propuser. Se se converte simplesmente em algo para adorar, já se afasta dos homens por quem ele viveu e morreu. E isso eu gostava que nunca acontecesse.

    Ler Mais