Três olhares sobre Manágua

© Paulo Hernâni

Hay tanto maíz que sembrar tanto niño que instruir tanto
enfermo que curar tanto amor
que realizar tanto canto. Yo canto
un país que va a nacer.

Ernesto Cardenal

Ao Fausto e ao José Mário Branco, companheiros de viagem

I

As noites de Manágua são mais claras
luzes imensas de estrelas pequeninas
pousadas nas árvores e nos rostos das mulheres.
Pergunto aos amigos o nome secreto do destino
e eles apenas sorriem. Como o poeta
de Solentiname no dia da libertação
ou aquela rapariga de olhos transparentes
que me aponta um qualquer astro inacessível
do outro lado do futuro.
O destino, então: talvez em Manágua
ou Jinotepe
onde os homens sabem das coisas que viveram
os ódios todos
as mortes
e o mercado de Masaya queimado pedra a pedra
por vingança ou desespero.
O destino ainda: em Matagalpa
onde a floresta se confunde com os risos das crianças
ou quem sabe em qualquer rua
num recanto sem nome onde morreram com a dignidade possível
dois velhos camponeses e um soldado anónimo.

Seguimos em frente dizem-me os amigos
e os seus olhos brilham de tranquila alegria
iluminados pelas minúsculas estrelas verdes de Manágua. Seguimos
em frente
até onde a poesia nunca dorme
inquiteta
como os corações enormes que a fizeram nascer.

 

II

Loucos, talvez, os meus amigos. Loucos como o poeta
fascinados por certezas e desejos inventados num sabor de tamarindo.
Loucos até como as vacas que cruzam a estrada à minha frente
esquecidas das regras civis de comportamento. E no entnato
vigilantes
como os amigos que descubro em Manágua
os amigos meus atentos que constroem a cidade e os lugares incomuns
do reencontro.
Perdoem-me se vos falo assim: ignorante dos mandamentos
estruturais e purificadores do texto
alheio às vírgulas prudentes e pouco cumpridor
de metodologias semânticas. Perdoem-me as omissões
descritivas de generalidades perdoem-me o rum e os desencontros
do léxico. Mas é urgente dizer-vos dos meus amigos
felizmente loucos
capazes de arrasar vulcões ao som de uma guitarra
que anuncia o prazer sem nome do dia seguinte.
É necessário falar deles sem as palavras calculadas dos locutores de serviço
ouvir a música das suas bocas
beber cada desejo
aprender a linguagem das sementes apaixonadas.
Loucos sim os meus amigos. Sequisoso e tranquilos
tal e qual as madrugadas de Manágua. E com eles
percorremos descalços as areias serenas do Pacífico
provavelmente doidos
de esperança.

 

III

São assim as noites e as luzes
onde o calor dos corpos se mistura num rumor de auroras por inventar.
São estes os destinos
as árvores e as tardes
ingénuas e maravilhosas como a paisagem
que se despe perante os meus olhos descrentes:
o sorriso dos amigos e o abraço do poeta
a desenharem novos rios
de margens acesas num poente de ternuras.
Seguimos em frente dizem-me os amigos loucos
imensos e claros numa rua de Manágua. E nós
os bêbados
tomaremos o poder.

Manágua - Havana - Lisboa, 1984

In Margem para Dúvidas | Estante Editora | 1998

Mais sugestões de leitura

  • Fausto Bordalo Dias Open or Close

    É um homem discreto e um artista exigente. Gosta de estar com os amigos e não volta costas a um arroz de lampreia nem a uma boa conversa. A música que faz situa-se num patamar superior do espectáculo, em Portugal e no resto do mundo, mas não é isso que o faz correr. (...) É assim o Fausto. Sereno, leal, intransigente em tudo aquilo que considera ser o essencial, tanto na vida como na arte – sendo que a arte é simplesmente uma forma superior de vida. É um homem de convicções – políticas, humanas, estéticas – mas nunca quis ser um homem de certezas. Amigo certo e adversário temível, mantém desde sempre uma relação de distância tanto com o poder político como com o poder mediático, e nunca se vergou perante nenhum. Porque há homens que não têm preço nem querem perder a honra: os homens dignos, como este.

    Ler Mais
  • O país obtuso Open or Close

    O que se passou nos dias que se seguiram à Greve Geral de dia 14 é exemplificativo do país obtuso em que Portugal se tornou nos últimos meses. As reacções em cadeia de membros do governo, deputados da maioria e do próprio presidente da República, não deixam margem para dúvidas. A crer neles, o País está acossado por “terroristas” (viu-os um parlamentar do CDS) e “pessoas apostadas na destruição” e “que querem destruir a  sociedade” (Cavaco dixit).

    Jornal do Fundão | 22.Nov.2012

    Ler Mais
  • Cantigas de antes e depois de Abril Open or Close

    «Grândola, vila morena / Terra da fraternidade / O povo é quem mais ordena / Dentro de ti, ó cidade...» Vinte minutos passados sobre a meia-noite, os versos iniciais da canção de José Afonso fizeram-se ouvir por todo o país. Através do programa Limite, a Rádio Renascença entrava para a história como a estação de rádio que transmitia a confirmação para a saída dos quartéis dos militares que se preparavam para derrubar a mais velha ditadura da Europa. Era o princípio do fim de 48 anos de um regime político obtuso, nascido entre gritos e lágrimas, mas destinado a terminar no meio de uma grande festa.

    Introdução a E Depois do Adeus, antologia de canções | 2007

    Ler Mais
  • Chávez: alguns factos Open or Close

    “Fez algumas coisas boas, mas destruiu a economia”. É este o tom de alguns comentários que podem ler-se um pouco por toda a parte a propósito do falecimento de Hugo Chávez. Como não gosto de falar de cór e guardo comigo algumas manias de velho repórter relativamente ao rigor informativo, sirvo-me da edição online do Expresso de hoje apenas para dar conta de alguns dados concretos sobre os 15 anos de “chavismo”.

    Ler Mais