Outras paisagens

© Paulo Hernâni

...que a revolução consome muitos mais cigarros
do que aqueles que produz

Alexandre O'Neill

Regresso

Os elefantes
escolhem sempre o lugar da morte
disse o pescador antigo
de olhos postos no mar sem fim.
O pescador nunca viu elefantes
nem leões
nem pássaros da Amazónia
mas sabe como é.
Como nós
em mil novecentos e setenta e cinco
a forçar de vez as garras
do desespero.

Ílhavo, Setembro de 1985

 

Praia Grande

Os dedos a medo
a luz esquecida
o riso de espuma
as mãos que se dão
os olhos fechados
e o mar não se ouvia

Os dedos no corpo
os olhos em volta
a música em fundo
o tempo parado
a luz do sorriso
as mãos agarradas

Os dentes no corpo
desejos à solta
o sono adiado
as mãos em revolta
os dedos cravados
a espuma do mar

Os corpos à toa
o tempo apagado
os dedos em volta
os olhos calados
as mãos abraçadas
o sono fechado

Os corpos molhados
os dedos serenos
o tempo esquecido
a luz abraçada
os olhos no mar

E eu e tu
a voar
a voar

Lisboa, Maio de 1986

 

Quase em festa

Falávamos de quase tudo
e havia andorinhas de barro
na casa da mulher
como se fosse verão e Santa Teresa do Morro despisse as sacras vestes
e aos homens se juntasse
num ritual de alegria. Falávamos
provavelmente de amigos
e desejos
e sentidos
todos os sentidos que fazem a magia de dezembro.
Falávamos sem tempo nem razão
iluminados
por tudo o que vale a pena.

Rio de Janeiro, Dezembro de 1988

 

Mandela

É bom olhar-te de novo
procurar
em tuas rugas a rota dos homens dignos.
Melhor ainda
será contar contigo
e saber
que o valor das dúvidas
varia na razão directa
da energia que delas se liberta.

Aveiro, Abril de 1990

 

Os olhos de Peter Arnett

Eu sei general Normal Schwarzkopf eu sei
que o senhor é um homem ocupado e sem
tempo a perder em conversas vagas de poetas
eu sei que todo o tempo não lhe chega

para fazer a guerra electrónica e a cores na CNN
e no Golfo de mil e uma noites por dormir
eu sei que o senhor não pode experimentar as emoções
permitidas aos mortais comuns e às crianças

as crianças nunca vão esquecer a dor cadente
no céu de Bagdad e o repórter Peter Arnett
"só conto o que os meus olhos vêem"
as bombas e os mortos e o medo

o medo sim general Schwarzkopf o medo
que os olhos de Peter Arnett também viram
nas ruas e nas casas e nos rios e nas almas
o medo via satélite para o resto do mundo

na estrada de Baçorá morreram aos milhares
sem honra nem glória são as leias da guerra
eu sei general que sento e cinquanta mil sarracenos
não contam para a estatística o que vale

é o dever e a pátria e o petróleo
que são cento e cinquenta mil infiéis sem nome
mortos por computador como nos filmes
de homens e de monstros e de homens?

Eu sei general Normal Schwarzkopf eu sei
que tudo isto não deveria ser dito melhor seria
esquecer de vez os corpos desprezados
entre a dor e os castelos de areia

destruídos pelo orgulho e pelas balas
belas são as intenções negras as derrotas
tristes como o medo estanpado nos olhos
de Peter Arnett tristes como a morte

em directo do lado de lá do mundo
coisas general Schwarzkopf que o senhor
dificilmente entenderá porque não viu
o mesmo que os soldados e as crianças

perdidas nas ruas e nas casas sem paredes
nem memória assim se faz a guerra
que os meus olhos vêem em Bagdad e no mundo
onde o tempo todo não sobra para o sonho.

Abril de 1991

In Margem para Dúvidas | Estante Editora | 1998

Mais sugestões de leitura

  • Saramago, autor do século XVIII Open or Close

    José Saramago, um romancista do século XVIII? Ninguém se lembraria de tal coisa, mas foi assim mesmo que ele foi inicialmente apresentado, em Bucareste, poucos meses antes do lançamento, pela Editora Univers, da tradução romena de «Memorial do Convento». Um truque para iludir a censura de Ceausescu. E resultou.

    Jornal de Letras | 12.Jun.1990

    Ler Mais
  • O homem e as cidades Open or Close

    Era uma vez um homem que gostava de cidades. A biografia de Manuel Graça Dias, arquitecto nascido em Lisboa no ano de 1953, podia começar assim. E não apenas pelo livro que acabou de publicar, justamente intitulado O homem que gostava de cidades, onde reúne uma mão cheia de crónicas que fez para a TSF durante muitas dezenas de semanas.

    Status (Semanário Económico) | Out/Nov 2001

    Ler Mais
  • O legado de um andarilho Open or Close

    As Voltas de um Andarilho – Fragmentos da vida e obra de José Afonso de Viriato Teles: eis um documento raro sobre um sonho agarrado à vida concreta, firmado no telurismo português e braços estendidos a outros lugares do mundo onde despontava a utopia; uma voz sobre uma das vozes da resistência ao fascismo, que rasgou as sombras e iluminou quem nelas vivia; um diálogo entre gerações sobre «o que faz falta», o idealismo, a persistência na luta pela Liberdade.

    Ler Mais
  • A história incrível de Matías Perez Open or Close

    Há 150 anos, um comerciante português a viver em Havana subiu aos céus num balão e (...) deu origem a uma expressão popular que ainda hoje se utiliza em Cuba: «Voou como Matías Pérez».

    O Independente | 2000

    Ler Mais