Cavaqueira

...e passa tanto tempo num minuto
Fernando Assis Pacheco

Blá

E era na tarde um fogo igual
a tantos de tantos mais um jogo
final de que afinal ninguém sabia.
Era uma tarde um fogo que arde
sem saber se animal se dono
hão-de vencer um rogo alarve um grito.
Ou então era saudade o que esperavas
conta-me histórias conta-me as cidades
se era verdade ou assim mesmo
nada mais.


Blá blá

Assim fazer: como dizer
a festa o riso o desespero
o desemprego o outro dia
um outro poema inacabado
Assim dizer: como fazer
o reencontro o dia claro a madrugada
oblíqua a neblina que faz parte da paisagem
e o outro
à esquina das certezas
na margem da realidade.


Blá blá blá

(Intervalo para reclames) modelo prima Vera Verão
ou Toni Inverno para quem gosta de si. Sexo ao vivo
virtual (melhor o artesanal) self-service em copo com muito gelo
e um degelo – pecado! – Santa Maria Gasolina do deserto
nos dai hoje. Modess aderente é superconfortável. E o meu
namorado nem sequer nota que estou
com o período. Namorado
distraído,
não?


Blá blá blá blá

Notícia no semanal: ministro caga
num pé (e vem noutro) ele explica: seim cagou
por decência nacional assim convencido de
que o seu cu só fragueava
de modo fragrancial.
A oposição interroga-se: deve ministro ministrar
na hora de defecar? As notícias todas
às vinte horas.


Blá blá blá blá blá

E assim diriam: olha lá vai mais um
que marchou foi discreto
cumpridor do rame-rame não gritava
só de vez em quando paria uns monólogos
incompreensíveis conjuntos de frases con-
ciliadoras e distantes. Lá vai
– dirão – que outra sorte lhe não coube
e abençoado foi um bom pai razoável
chefe de família cumpridor do treme-treme
não gritava.

Ílhavo-Lisboa, 1992-93

In Margem para Dúvidas | Estante Editora | 1998

Mais sugestões de leitura

  • O país obtuso Open or Close

    O que se passou nos dias que se seguiram à Greve Geral de dia 14 é exemplificativo do país obtuso em que Portugal se tornou nos últimos meses. As reacções em cadeia de membros do governo, deputados da maioria e do próprio presidente da República, não deixam margem para dúvidas. A crer neles, o País está acossado por “terroristas” (viu-os um parlamentar do CDS) e “pessoas apostadas na destruição” e “que querem destruir a  sociedade” (Cavaco dixit).

    Jornal do Fundão | 22.Nov.2012

    Ler Mais
  • Vaticano, SA Open or Close

    A Pepsi e a Mercedes são duas das 23 empresas que custearam a mais recente viagem do Papa ao continente americano. Não tanto por fé em Deus, mas no Mercado, omnipresente como Ele. A notícia surgiu timidamente, diluída nos relatos da mais recente visita papal ao México, com passagem pelos EUA, como se os redactores e os editores dos diversos órgãos de comunicação não levassem muito a sério o facto em si e decidissem reduzi­-lo a um simples pormenor. E, no entanto, este pormenor é que é verdadeiramente a notícia da visita de Karol Woytila ao México. Uma visita que (ficámos a sabê-lo pela Antena 1 e pelo Diário de Notícias, dos poucos que ousaram dar conta do sucedido) contou com "o patrocínio da Pepsi Cola, da Mercedes e de mais 23 empresas privadas". Assim mesmo.

    Grande Amadora | 28.Jan.1999

    Ler Mais
  • Entrevista ao Portugal Rebelde Open or Close

    "O Zeca morreu há 22 anos, mas de certo modo está hoje mais vivo do que nunca. Creio que a nova geração já o descobriu, pelo menos em parte, e a prova disso está em que nos últimos dez anos foram gravadas tantas versões de músicas dele como as que foram feitas ao longo das duas últimas décadas do século passado."

    Ler Mais
  • O fim do mundo Open or Close
    Infelizmente, ainda não foi desta. Apesar de anunciado com algumas centenas de anos de antecedência, o fim do mundo que muitos esperavam voltou a ser adiado. Pelos vistos, os maias são como a Maya e o sinistro Gaspar: não acertam uma. E como eu gostava que o mundo tivesse acabado. Não propriamente o meu, nem o dos caríssimos leitores, mas este mundo imundo de coelhos e relvas e cavacos e portas e borges e merkls e troikas, de todas as adultas e descompassadas bestas que tresmalham as nossas vidas e assassinam os nossos sonhos.
    Jornal do Fundão | 27.Dez.2012
    Ler Mais