Um sonho para cumprir

a_teles22.jpg

A cobiça é fraca melhor dizer
A vida não presta para sonhar
(...) Sou como o morcego vejo sem ver
Sou como o sossego sei esperar

José Afonso, «Canção da Paciência»

Há pessoas assim: capazes de observar e transformar a realidade à medida das utopias e dos desejos, conhecedores profundos da natureza humana, das suas contradições e fragilidades. São estes, regra geral, os homens e as mulheres que, por pequenos gestos e atitudes imperceptíveis, conseguem criar uma harmonia quase perfeita à sua volta, mesmo nos tempos mais conturbados e perante as situações mais adversas.

Américo Teles* foi um destes homens. Habituado a respeitar a criatura humana acima de todas as coisas – à excepção da Natureza, mãe de tudo o resto – , ele conseguiu, como poucos, realizar uma obra que vale, sobretudo, pela enorme generosidade e pela incomparável dignidade que foram características fundamentais de toda a sua vida. Quem o conheceu sabe que não existe nestas palavras ponta de exagero ou qualquer benevolência causada pela proximidade existente entre nós, mas apenas um retrato, necessariamente incompleto de alguém cuja vida foi o melhor dos exemplos.

É-me particularmente difícil recordar sem emoção a sua figura de patriarca, elo essencial de uma nem sempre fácil unidade familiar, para quem o diálogo foi sempre preferível à confrontação. Com ele aprendi que a vida vale mais a pena pelo que podemos dar do que pelo que esperamos receber. A sua crença profunda nos valores humanos (hoje submersos por um consumismo individualista e atabalhoado que põe em causa todas as regras de convivência) levou-o a agir sempre de acordo com um profundo respeito pelos seus semelhantes, mesmo quando daí resultavam desilusões e desencantos – e muitas vezes isso aconteceu.

Quem, como eu, optou pelo ofício de informar, deve utilizar as palavras com rigor. E por isso me atrevo a dizer que não imagino outro alguém que não este D. Quixote, armado apenas de uma férrea vontade e de uma profunda noção do porquê da existência, que fosse capaz de alimentar, ao longo de tantos anos, um sonho como aquele a que Américo Teles entregou a sua vida e que constitui hoje um repositório único da história de Ílhavo – e quem diz Ilhavo, diz o mar, razão de ser das suas gentes. Falo, como é óbvio, do Museu Marítimo e Regional, memória colectiva da nossa terra, considerado hoje pelos especialistas como um dos mais importantes museus temáticos portugueses e europeus. O desrespeito crónico do nosso país pelas questões culturais (encaradas, ainda hoje, por muita gente com responsabilidades governativas como um pormenor supérfluo do quotidiano) fez com que a peleja de Américo Teles em prol do Museu tivesse, por vezes, os contornos de uma luta entre David e Golias. Mesmo assim, todas as dificuldades foram superadas com um sorriso benévolo e uma verdadeira paciência oriental, e não me lembro de que alguma vez tenha pensado em desistir.

ats280x400.jpgEsta perseverança, a sua enorme capacidade dialogante, o seu horror pelas injustiças e pelos atropelos à dignidade do Homem e da Natureza, o carácter intrinsecamente bom de Américo Teles foram, para mim, talvez a maior das escolas. Por motivos profissionais, tenho tido a possibilidade de contactar com pessoas dos mais diversos lugares do mundo. Gostei mais de conhecer umas do que outras e com todas elas tentei descobrir novos horizontes. Mas não consegui nunca encontrar quem, de forma tão soberanamente simples e materialmente tão desinteressada, resumisse todas as virtudes que nele encontrei.

Da última vez que conversámos, no Porto, pouco tempo antes da sua morte, a organização e o futuro do Museu de Ílhavo ocuparam (como sempre) a maior parte do nosso diálogo. Lembro-me de que foi essa a única vez que vislumbrei nele uma réstia de desânimo. Estava pronto para aceitar a morte, com a mesma naturalidade que caracterizou todos os seus actos em vida. Tranquilamente, disse-me que estava no fim. E deixou escapar uma lágrima ao falar das filhas e dos netos, como se dissesse: «Vou ter saudades». Depois, contou-me as suas aspirações imediatas para o Museu e de novo o olhar se lhe iluminou com a imensa sabedoria dos seus 95 anos, uma serenidade misturada com a inquietação de quem tem um sonho para cumprir. E, com a mesma lucidez de sempre, manifestava a sua preocupação pelos destinos da casa que foi o seu sonho maior. Fazer dessa casa um espaço vivo de cultura e não deixar que ela se transforme num simples armazém de antiguidades, é uma obrigação nossa. E é, também, a melhor homenagem que poderemos prestar-lhe.

* Fundador do Museu Marítimo de Ílhavo e último grande patriarca da Família, Américo Teles nasceu em Ílhavo a 19 de Setembro de 1893 e faleceu no Porto em 6 de Julho de 1989.

In Américo Teles – In Memoriam, livro colectivo de homenagem
Textos de Frederico de Moura, Amadeu E. Cachim, Carlos Basto, Domingos Amador, J. Evangelista Ramalheira, João do Rio Teles, João Sarabando, J. Quintino e VT
Edição do Grupo dos Amigos do Museu Marítimo e Regional de Ílhavo | 1990

Mais sugestões de leitura

  • O ano de (quase) todos os Zecas Open or Close

    Com a edição de “Com As Minhas Tamanquinhas”, neste final de 2012, ficam desde já disponíveis oito das onze edições que integram o plano de remasterizações em curso da obra de José Afonso. Um “lote” que abrange a totalidade dos álbuns gravados para a editora Orfeu, de Arnaldo Trindade, entre 1968 e 1981, ou seja: onze discos de originais num total de 14, o “essencial” da obra gravada do cantor. O trabalho de remasterização, assinado por António Pinheiro da Silva – não só um dos mais competentes engenheiros de som do nosso País, mas também um músico atento – é por vezes surpreendente.

    QI | Diário de Notícias | 15.Dez.2012

    Ler Mais
  • Do lado esquerdo da América Open or Close


    Nascido em Nova York a 3 de Maio de 1919, Pete Seeger é desde há meio século muito mais do que um mito da história da “folk song”. Militante da música como forma de alertar as consciências adormecidas, Seeger permanece como um símbolo de várias gerações de “insatisfeitos”, acreditando firmemente que vale a pena resistir. Norte-americano por nascimento, ele é, no entanto, uma das vozes que mais lucidamente se ergueram contra a massificação cultural imposta pelo poder político e económico dos Estados Unidos.

    Ler Mais
  • A que distância está o Zeca? Open or Close

    Mais uma vez, a luz. Mas aqui, desta vez, sem misticismo. Para o Viriato tratou-se só de erguer a lâmpada sobre as extraordinárias funções do Zeca, e nisso encontrar quem nós temos saudades de ser. De facto, não somos ainda uma nação de biografados. Às vezes é um bem; mas muitas outras é pena. Porque parte da riqueza do objecto biográfico é a sua simples dimensão romanesca. É certamente o caso do Zeca, material ficcional por excelência, porque uma vida singular, e a obra que lhe veio compor o caos, é certamente matéria-de-ouro para um livro que nunca-jamais em Portugal se escreverá.

    Ler Mais
  • Mãos de fala Open or Close

    Tem uns olhos grandes, profundos, penetrantes. E as mãos. As mãos que, em palco, criam um espaço próprio dentro do cenário, tornam-se, à conversa, num elemento do diálogo, tão intenso como cada vocábulo, cada sorriso, cada momento. Tem uns olhos grandes e chama-se Juliette Greco. Ou Jujube, segundo a sua autobiografia. É uma latina orgulhosa, e canta. Boris Vian, Jacques Brel, Prèvet, Ferré. “Canto sempre aquilo de que gosto e, por isso, não tenho canções preferidas”, frisa.

    Ler Mais