Cântico de alegria e raiva

elverbo3.jpg

Do outro lado do mundo há irmãos meus que sofrem
a fome da justiça que tarda. Os seus nomes escritos em sangue nos muros
gritam em silêncio uma raiva que não passa. Sofrem de amor
ao mundo, sofrem de dor a angústia
de tempos antigos que teimam perseguir os homens livres.
Sofrem, e mesmo assim cantam. Cantos
de alegria imensa por um dia que virá
cedo ou tarde
cobrir a maré vaza do medo com um rumor de tempestade.
Eles sabem: façam o que fizerem os tiranos
nada pode amarrar o pensamento,
ninguém pode impedi-lo de voar.
Por isso cantam. Porque são livres.
E dizem que não há muros capazes de prendê-los,
e um dia novo virá depois da noite. E então
seremos outra vez felizes
e os meus irmãos que sofrem desse outro lado do mundo
hão-de encontrar-se de novo num abraço imenso
e os seus nomes que em silêncio gritam contra a morte
serão enfim um riso
uma bandeira
de amor
e liberdade.

In El Verbo Descerrajado | Ed. Apostrophes, Santiago de Chile, 2005

Mais sugestões de leitura

  • A nostalgia da esperança Open or Close
    Nenhuma revolução se faz com cantigas. Mas elas são sempre parte integrante de qualquer movimento social e político, reflectindo-lhe os intentos, analisando-lhe os defeitos e as virtudes, antecipando, até, as suas consequências de futuro.

    Canto de Intervenção
    Edição A25A | 1984

    Ler Mais
  • Francisco Louçã Open or Close

    Os amigos gabam-lhe a afabilidade, o sentido de humor, a clareza do discurso, a boa educação. Os adversários vêem nele um político frio e calculista. Mas todos lhe reconhecem a inteligência superior, a competência política, a combatividade. É o único dirigente político a quem os correlegionários tratam pelo diminutivo: o Chico, o camarada que dirige sem precisar de ser secretário-geral ou presidente. Um entre iguais, porém diferente de todos os outros. (...) Há 30 anos, acreditava que o mundo podia mudar num instante. Hoje, sabe que o mundo muda a cada instante. E tenta fazer a sua parte.

    Ler Mais
  • Fernando Relvas Open or Close

    Vai, de certeza, implicar comigo porque lhe chamei «autor de banda desenhada», e se calhar tem razão. Porque a arte de Relvas não se limita às histórias aos quadradinhos que durante anos iluminaram algumas páginas da imprensa portuguesa. Mas ainda não se leva a sério o suficiente para se julgar pintor – e faz mal, porque é isso que realmente é. Pronto, digamos então artista plástico. Mas nunca de plástico. Fernando Relvas é também, ou sobretudo, um contador de histórias. Com meia dúzia de traços consegue fazer-nos viajar pelas rotas das caravelas ou pelos subúrbios da grande cidade, sempre com um humor acidulado onde se cruzam ora um hiper-realismo estonteante, ora uma forte carga erótica, ora ainda a mais pura crónica de actualidades.

    Ler Mais
  • A cena do ódio Open or Close

    Em Junho de 2004, um «concerto de música nacionalista» foi o pretexto para um encontro de skinheads numa skinhouse de Pinheiro de Loures, nos arredores de Lisboa. Uma situação que antecipámos na revista Focus, com esta reportagem que nos valeu alguns insultos e ameaças por parte dos animadores de um tal «fórum nacionalista» da internet.

    Focus | 16.Jun.2004

    Ler Mais