Os Dias Cantados na Antena 1

b_500_400_16777215_00_images_actual_ja_vamp500.jpg

As canções que Portugal cantou às escondidas antes do 25 de Abril, e com as quais depois celebrou a liberdade podem ouvir-se a partir de hoje nas manhãs da Antena 1. Os Dias Cantados é uma nova rubrica da rádio pública, através da qual se evocam as canções que foram a banda sonora da Revolução dos Cravos: até ao dia 25 de Abril, uma primeira série de 40 emissões recorda as grandes canções da resistência à ditadura; na segunda série, a transmitir após o dia 25 de Abril, serão apresentadas algumas das músicas mais marcantes do período revolucionário; e uma terceira série, a partir de Junho, apresentará versões novas destas canções.

Por curiosidade  e também, porque é de elementar justiça fazê-lo  recorde-se que Os Dias Cantados foi, em 1977, o título de um livro escrito, justamente, por um dos protagonistas da época (e da épica) a que se refere esta rubrica: José Jorge Letria, que esse ano editou na Caminho uma colectânea de poemas com este nome e prefácio de José Carlos Ary dos Santos.

A primeira e segunda séries deste programa têm autoria e edição de António Macedo e Viriato Teles, a terceira será realizada por João Carlos Callixto.

"Os Vampiros", na versão original de José Afonso, é a primeira canção da primeira série de Os Dias Cantados, rubrica diária que vai estar "no ar" até dia 25 de Abril. Para ouvir todas as manhãs, na Antena 1, após o noticiário das 9h30. Pode ouvir todas as emissões aqui, em podcast.

Os Dias Cantados - 1ª série
Autoria e edição: António Macedo e Viriato Teles
Locução: António Macedo
Sonorização: António Antunes
Emissão de 2ª a 6ª feira, após o noticiário das 9h30, na Antena1

Mais sugestões de leitura

  • Histórias de Resistência e Liberdade Open or Close

    Uma História de Resistência, Uma História de Liberdade são dois textos que acompanham a edição em DVD do documentário de Joaquim Vieira "Maior Que o Pensamento", sobre a vida e obra de José Afonso.

    Maior Que o Pensamento
    RTP | Levoir | Público 2015

    Ler Mais
  • Percursos do marginal de sucesso Open or Close

    Tinha 51 anos, era casado com a Sara e pai do João, calçava 43 e só não participou no Maio de 68 porque não estava lá. Era o Júlio Pinto e morreu no dia de aniversário da República. Abaixo o 5 de Outubro!

    Grande Amadora | 13.Out.2000

    Ler Mais
  • Uma voz do mundo Open or Close

    «A importância de um país avalia-se pela sua capacidade de tirar partido e proveito dos seus valores, nomeadamente os culturais. (...) A única autêntica maneira de um português se realizar é considerar-se de alguma forma estrangeiro, é distanciar-se da Nação, é agarrar-se com todas as suas forças a conceitos superiores de universalidade. Carlos do Carmo é uma voz do mundo – e por isso salvou-se. (...) E, com ele, salvou-se também uma parte importante da música portuguesa – o fado – que passou a ser do mundo!» Testemunho de António Victorino d'Almeida

    Ler Mais
  • Um disco, um estúdio, uma história Open or Close
    A imagem é um retrato quase banal: um homem e uma caixa de viola numa estação de comboios, um relógio onde ainda não são duas horas, um cartaz na parede com o mesmo homem e a mesma viola, gente normal em volta. O homem da viola é Sérgio Godinho, a estação, lê-se no painel de azulejo sobre a porta, é Campolide. Há 35 anos, o homem, a viola e a estação tornaram-se num disco com dez canções sem tempo.
    Notícias de Campolide | Set.2014
    Ler Mais