Os Dias Cantados na Antena 1

b_500_400_16777215_00_images_actual_ja_vamp500.jpg

As canções que Portugal cantou às escondidas antes do 25 de Abril, e com as quais depois celebrou a liberdade podem ouvir-se a partir de hoje nas manhãs da Antena 1. Os Dias Cantados é uma nova rubrica da rádio pública, através da qual se evocam as canções que foram a banda sonora da Revolução dos Cravos: até ao dia 25 de Abril, uma primeira série de 40 emissões recorda as grandes canções da resistência à ditadura; na segunda série, a transmitir após o dia 25 de Abril, serão apresentadas algumas das músicas mais marcantes do período revolucionário; e uma terceira série, a partir de Junho, apresentará versões novas destas canções.

Por curiosidade  e também, porque é de elementar justiça fazê-lo  recorde-se que Os Dias Cantados foi, em 1977, o título de um livro escrito, justamente, por um dos protagonistas da época (e da épica) a que se refere esta rubrica: José Jorge Letria, que esse ano editou na Caminho uma colectânea de poemas com este nome e prefácio de José Carlos Ary dos Santos.

A primeira e segunda séries deste programa têm autoria e edição de António Macedo e Viriato Teles, a terceira será realizada por João Carlos Callixto.

"Os Vampiros", na versão original de José Afonso, é a primeira canção da primeira série de Os Dias Cantados, rubrica diária que vai estar "no ar" até dia 25 de Abril. Para ouvir todas as manhãs, na Antena 1, após o noticiário das 9h30. Pode ouvir todas as emissões aqui, em podcast.

Os Dias Cantados - 1ª série
Autoria e edição: António Macedo e Viriato Teles
Locução: António Macedo
Sonorização: António Antunes
Emissão de 2ª a 6ª feira, após o noticiário das 9h30, na Antena1

Mais sugestões de leitura

  • Algumas opiniões Open or Close

    Excertos de opiniões publicadas na Imprensa acerca de Margem para Dúvidas.

    Ler Mais
  • Terrorismo de faca e garfo Open or Close
    O ataque terrorista de que foi alvo o ministro António Costa, há menos de oito dias, passou à margem das grandes discussões políticas que marcaram a última semana. Entretidos a distribuir referendos como se dessem milho aos pombos, o Conselho de Ministros, a Assembleia da República e restantes forças mais ou menos vivas do país não ligaram nenhuma ao sucedido durante a visita de António Costa a Guimarães, onde o ministro dos Assuntos Parlamentares foi agredido com uma posta de bacalhau demolhado – a provar aos mais incrédulos que Portugal não é um lugar invulnerável à prática desta nova espécie de terrorismo de rosto humano.
    TSF | 11.Fev.1998
    Ler Mais
  • Um pássaro igual a ti Open or Close

    Com Zeca e os seus companheiros aprendemos, ainda, que é muito menos fácil formular perguntas que encontrar respostas. Que as veleidades da ‘vida artística’, na qual ele nunca se encaixou, são como os foguetes de romaria, que desaparecem no ar após um instante de brilho e que, portanto, o importante é estar vivo, ter como única certeza a inquietação permanente. Há coisas assim, que parecem impossíveis. Depois vêm as inevitáveis cortesias-de-velórios, mas quanto a isso estamos conversados. Afinal somos um país de homenagens póstumas, não é? Que o digam o Adriano, Jorge de Sena, Fernando Pessoa. Que o diga agora o Zeca, ele que foi sempre tão dado a encolerizar-se com estas coisas.

    Ler Mais
  • O velho e o mar Open or Close

    Até me fica mal dizer isto, mas confesso que, de quando em quando, chego a ter pena do professor Cavaco. O vetusto presidente passa a maior parte do tempo mudo e quedo, decerto em reflexão, tão profunda quando inócua, sobre o mundo e o país que ajudou a criar. E é um deus-nos-acuda: que ele não diz nada quando deve dizer; que só fala a propósito de minudências como o estatuto dos Açores ou a vulnerabilidade do correio electrónico; ou ainda que, tal como a polícia e os maridos enganados, o presidente só aparece quando não é preciso.

    Jornal do Fundão | 13.Dez.2012

    Ler Mais